Solar garante 236 MW em leilão A5 no Brasil a preço médio de $ 0,03109 / kWh – International PV Magazine

As autoridades brasileiras alocaram 860 megawatts de capacidade de energia na última compra do país, incluindo 20 projetos solares.

a partir de pv LatAm Magazine

O leilão A-5 do governo brasileiro de quinta-feira resultou na alocação de 860.796 megawatts de projetos envolvendo várias fontes renováveis. A energia solar foi responsável por 236,40 MW do total em 20 projetos.

Descontando 12,63% do preço teto de R $ 191,00 ($ 35) / MWh, o Solar atingiu o preço médio de venda de R $ 166,89 / MWh. Em média, 47% da energia elétrica irá para os chamados consumidores “cativos”. Outros 35 megawatts de capacidade não contratados no leilão serão negociados no mercado livre sob os PPAs.

Também foram contratados cerca de 27,8 megawatts de energia eólica, sendo outros 27,8 megawatts da hidrelétrica de São Roque. A biomassa foi a fonte que mais vendeu energia no leilão. Os preços médios das demais fontes foram de R $ 160,36 / MWh para eólica, R $ 271,26 / MWh para biomassa e R $ 549,35 / MWh para resíduos sólidos.

Os projetos selecionados devem entrar em operação comercial até 2026.

Fonte Potência MW Garantia Física (MW médio) MW médio contratado % de garantia física no ACR Preço inicial (BRL / MWh) Preço médio de venda (BRL / MWh) Desconto
Água 141,9 91,3 27,8 30% 174, 27 174, 27 0%
ventos 161,3 71,2 27,8 39% 191 171,32 16%
Solar 236,3 65,2 30,3 46% 191 166,33 13%
Biomassa 301,2 131,3 53,1 40% 365 275,08 26%
lixo sólido 20 16 12 75% 639 549,35 14%
total / média 301,2 375 151 46% 238,37 17%

Fonte: CCEE

READ  IEA contribui com relatório do governo brasileiro sobre eficiência energética no setor de frete rodoviário - Notícias

A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) disse que a quantidade de fontes mais caras como a biomassa é maior do que a solar e eólica, uma bandeira vermelha para o governo federal e consumidores. No entanto, Rodrigo Sawaya, CEO da associação, disse que os resultados do leilão aumentam a competitividade da energia solar fotovoltaica.

“Porém, o volume contratado foi muito baixo se comparado ao grande número de projetos que participaram do leilão”, disse. “Isso gerou alta competição entre os empresários, resultando em preços médios mais baixos do que a fonte solar fotovoltaica de referência no Brasil, o que indica alta competitividade da fonte, mesmo em tempos de turbulência macroeconômica.”

Os projetos solares contratados no processo de licitação estão localizados nas regiões Nordeste e Sudeste do Brasil, nos estados do Ceará (96,24 MW), Piauí (60 MW) e São Paulo (80,16 MW).

Absolar pediu ao governo federal que aumente a contratação de energia solar no Brasil.

“A escassez de água reforça o papel estratégico da energia solar como parte da solução para diversificar e aumentar o abastecimento de energia elétrica do país, essencial para a retomada do crescimento econômico nacional”, disse Anderson Garofalo Concón, vice-presidente da Absolar Central Generation.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e reutilizar parte de nosso conteúdo, entre em contato com: [email protected].

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *