secagem! Solicita ação rápida sobre a crise hídrica

As autoridades são acusadas de negligência enquanto Algarve e Alentejo sofrem com a seca

Os climatologistas alertam há anos que o sul de Portugal está a secar. que os níveis de precipitação continuarão caindo; Medidas de emergência precisam ser tomadas – mas três anos depois de se discutir a primeira usina de dessalinização a ser instalada em Albufeira, a região está longe de acontecer, e projetos de agricultura intensiva “o tempo todo” – hectares de estufas tirando água do pateticamente baixo Albufeira de Santa Clara no Sul do Alentejo – autorizada a reproduzir.

Enquanto o país enfrenta a terceira onda de calor de abril – um mês tradicionalmente marcado por ‘águas mil’ (chuvas abundantes) – as autoridades se superam com ideias: uma taxa de turismo foi proposta, como forma de ajudar a região a se tornar mais ambientalmente sustentável, Enquanto Para o presidente da AMAL, sociedade intermunicipal do Algarve, “o agravamento da seca no Algarve deve obrigar a uma reflexão sobre o modelo de desenvolvimento da região para identificar atividades que possam ter futuro num cenário de escassez de água”.

Não há literalmente nada em nenhuma das propostas que forneça uma solução pronta para o drama que já afeta muito os agricultores e produtores, especialmente aqueles com gado cujas pastagens praticamente desapareceram devido à escassez de chuvas.

Entretanto, a última menção a esses “planos ousados” para as centrais de dessalinização surgiu há dois meses, sob a forma de um aviso da Comissão Nacional de Acompanhamento do Financiamento do PRR (Bilhões Vindo de Bruxelas para Recuperação e Resiliência) de que “chegou o momento de determinar rapidamente como o governo pretende financiá-lo.Desde então… nada (certamente nada na imprensa nacional).

READ  Operações de resgate 'desesperadas' em andamento enquanto 90 pessoas morrem e milhares de deslocadas nas enchentes no Brasil | Notícias sobre inundações

E assim, na semana passada, os grupos cívicos “Juntos Pelo Sudoeste” (JPS) e “SOS Rio Mira” fizeram um novo impulso coordenado para a ação – um impulso que parece ter dado frutos, no último comentário do Facebook do JPS que “finalmente ” o Secretário de Estado dos Assuntos Sociais concordou. A agricultura ao nosso encontro.”

Em reunião da Comissão da Seca, também na semana passada, o governo (representado pelos ministros do Meio Ambiente e Ação Climática, Duarte Cordero, e da Agricultura, María de Sio Antunes) concordou em proibir a “construção de novas estufas” no sul Alentejo. Mas, como apontam o JPS e o SOS, isto está “com anos de atraso e manifestamente inadequado face ao caos e aos difíceis desafios do sudoeste de Portugal”.

Barragem da Bravura no Barlavento Algarvio
Foto: LUÍS FORRA/LUSA

Negligência e ofuscação

O cerne da questão, na mente dos ativistas – e quando dizemos “ativistas”, queremos dizer “cidadãos extremamente preocupados” – é que “a negligência do Estado e do governo permitiu que todas as fronteiras de uma região não fossem apenas sensíveis à sua própria natureza. ” valores mas também a sua vulnerabilidade ao impacto das alterações climáticas, bem como o seu estatuto sociodemográfico, devem ser atravessados.

“É claro que o resultado deste descaso (…), de um laissez-faire ultraliberal ou simplesmente incompetente, é uma região sedenta, com profundas feridas sociais e ecológicas, que só se agravarão se se assegurar que aqueles que obter as últimas gotas de água Chegou Santa Clara (água da barragem) (ou seja, investidores em hectares de estufas de plástico).

O resultado final das deliberações do governo – e mesmo do aval do presidente da AMAL – é que as autoridades parecem aceitar um “status quo” em que a agricultura representa 60% do uso de água na região (em contraste, os campos de golfe representam apenas 6% de uso da água) famílias para 32%).

READ  Situação Atual do Mercado de Grânulos de Nitrogênio Não Protéico e Previsão Futura (2023-2029) - Skw Stickstoffwerke Piesteritz GmbH, Petroleo Brasil - Teccstuff

O JPS e o SOS afirmam que as autoridades têm se concentrado em “proteger os interesses de um punhado de poderosos agroempresários” – e em grande medida ainda o são – quando

A lógica sugere que, se a agricultura intensiva está essencialmente levando à desertificação do sul, ela deve ser controlada.

Uma terceira central dessalinizadora para o Alentejo, com financiamento privado

Essa ideia foi discutida e, no papel, abordará a questão das grandes fazendas com hectares de plástico. Mas isso é só no papel. A dessalinização tem enormes desvantagens ambientais, entre as quais a questão de como descartar (ou reciclar de forma sustentável) as enormes quantidades de salmoura produzidas.

Uma conversa recente, diga-se de passagem, com uma fonte da autoridade regional da água sugeriu que o plano para já é “levar (a salmoura) para o mar, muito, muito longe onde não afete nada…” As palavras, o âmago da questão da dessalinização Longe de estar decidido, a ponto de ninguém ainda ter explicado onde vão ficar as usinas dessalinizadoras no Algarve, nem como vão ser financiadas.

Diversidade de espécies já está seriamente ameaçada

Em Alcoutem, no nordeste do Algarve, o criador de gado Nuno Coelho assim o revelou lusa Não é só uma questão de as pastagens não crescerem o suficiente para alimentar os bovinos/ovinos/caprinos. A falta de chuva reduziu a diversidade de espécies: “As plantas não têm crescimento e desenvolvimento adequados, e ano após ano a biodiversidade no banco de sementes no solo está piorando. Um hectare de terra, para meus animais, me permitiria pastarão lá por 15 dias.” , Talvez em três ou quatro dias eles limpem a terra…”

O futuro dos pecuaristas, na opinião de Nuno Coelho – como um deles que já viu o clima quente e seco diante dos olhos – é sombrio.

READ  Portugal pressiona para reunião da UE com Biden antes de julho - EURACTIV.com

Pode-se argumentar que a pecuária deveria estar concentrada nas partes mais úmidas do país. Este é um lugar residente Um leitor escreveu ao nosso escritório perguntando por que, em nenhum momento, as autoridades pensaram em construir um aqueduto para transportar o excesso de água do norte (onde, até este ano, chovia muito) para o sul?

Tendo em conta os milhões de euros que têm de ser gastos em instalações de dessalinização – e quanto tempo levará sem dúvida a chegar lá – é uma pergunta muito boa.

Escrito por Natasha Dunn
[email protected]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *