RTL Hoje – Brasil: Ministros das Finanças do G20 se reúnem para discutir a economia global, que sofre crises e conflitos

Os ministros das finanças do G20 reúnem-se na quarta-feira no Brasil, para considerar formas de apoiar uma economia global cuja recuperação nascente está ameaçada por uma série de conflitos e crises, incluindo as guerras na Ucrânia e em Gaza.

A guerra na Ucrânia poderá ocupar o centro das atenções na reunião, com os países do G7 a reunirem-se à margem para discutir a mobilização do apoio ocidental contra a invasão russa – incluindo o que a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, chamou de uma proposta “urgente” para usar activos russos congelados para destruir оружия Russo. Aumentar a ajuda a Kiev.

Yellen, o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, a chefe do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, e outros importantes decisores económicos estão programados para se reunirem em São Paulo para a reunião de dois dias – embora haja algumas ausências notáveis, incluindo britânicos, chineses, indianos e russos. . Os ministros das Finanças disseram à AFP.

Os organizadores afirmaram que o ministro da Fazenda brasileiro, Fernando Haddad, o anfitrião, fará um discurso na reunião por vídeo, após ter sido infectado pelo vírus Corona.

Os riscos económicos decorrentes da crise do custo de vida, das alterações climáticas e dos conflitos no Médio Oriente também estarão na agenda, uma vez que os ministros das finanças e os chefes dos bancos centrais das principais economias do G20 realizam a sua primeira reunião este ano.

O Brasil, que assumiu a presidência rotativa do G20 no lugar da Índia em dezembro, quer aproveitar a reunião de dois dias para pressionar por progresso na luta contra a pobreza, aliviar o enorme peso da dívida dos países de baixa renda e dar aos países em desenvolvimento uma oportunidade maior papel em instituições como o FMI, o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial.

Os impostos internacionais também estão a aparecer na agenda, no meio de um debate global sobre como lidar com a chamada “corrida para o fundo do poço”, à medida que alguns países procuram atrair empresas e os ricos com taxas de impostos muito baixas.

A reunião, que se segue a uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros no Rio de Janeiro na semana passada, começará a lançar as bases da política económica para a cimeira anual dos líderes do G20, marcada para ser realizada no Rio em Novembro.

“Há muitas questões em discussão e enfrentamos desafios em todas elas”, disse Tatiana Roseto, autoridade brasileira que coordena as reuniões financeiras do G20.

“Nosso objetivo é chegar a um consenso e propor questões para o diálogo”, disse ela à AFP. “O que estamos fazendo é definir o tom para o diálogo e procurar progredir juntos.”

– G7 visa ativos russos –

Os ministros das Finanças dos países do Grupo dos Sete – Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos, bem como a União Europeia – deverão realizar uma reunião separada na quarta-feira para discutir o apoio renovado do Ocidente à Ucrânia, que ele precisa desesperadamente. Por mais ajuda para afastar a Rússia.

O G7 parece perto de anunciar planos para criar um fundo conjunto para a Ucrânia, utilizando lucros gerados por cerca de 397 mil milhões de dólares em activos russos congelados pelo Ocidente durante a invasão de Moscovo.

A Ucrânia alertou que necessita urgentemente de mais ajuda militar e financeira, à luz da hesitação de um novo pacote de ajuda dos EUA no valor de 60 mil milhões de dólares no Congresso.

O ímpeto parece estar crescendo a favor dos planos ocidentais de lucrar com os ativos russos congelados: Yellen promoveu a ideia, a vice-primeira-ministra canadense, Chrystia Freeland, disse que concordava “100%” e o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, pediu os juros dos ativos congelados. para ser apreendido primeiro, então. Os próprios ativos.

O G20, fundado em 1999, representa mais de 80% do PIB global, três quartos do comércio global e dois terços da população mundial.

Na verdade, tem 21 membros: 19 das maiores economias do mundo – incluindo países industrializados e potências emergentes – mais a União Europeia e, participando como membro pela primeira vez este ano, a União Africana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *