Revista Sauce – Yemanjá Brasil Restaurante reabre em Benton Park após dois meses de fechamento e mudança de modelo de negócios

Restaurante Yemania Brasil, o restaurante brasileiro que servia refeições requintadas no 2900 Missouri Street, em Benton Park, não sabia se teria sucesso. Em janeiro e fevereiro deste ano, os proprietários Lamia Sidqi e o chef Raul Uribe (marido de Sadqi) tomaram medidas drásticas e, pela primeira vez em 29 anos, fecharam as portas sem saber quando ou se reabririam. Mas depois de obter um empréstimo e baixar os preços para criar uma experiência gastronómica casual para atrair novos clientes, os negócios poderão recuperar. “A pessoa média da classe média não pode mais comprar alimentos luxuosos”, disse Sedqi.

As mudanças parecem estar fazendo diferença. Itens mais baratos, como hambúrgueres e asas de frango, foram adicionados ao cardápio, e uma grelha maior na cozinha significa menos necessidade de fritar. “Estávamos lidando com 150 fritadeiras por noite”, disse Sedqi. “É muito lavar 150 panelas e é muito estressante.” O casal também preparou porções um pouco menores e reduziu os preços de acordo: enquanto uma única refeição custava entre US$ 23 e US$ 30, um prato de churrasco para dois com três opções de acompanhamento custa US$ 38. Atualmente, o Yemanjá Brasil funciona quatro dias por semana, mas apenas nas “quintas-feiras de sede” o bar abre com o cardápio completo ainda disponível. “Dessa forma, só preciso de um garçom e também o ajudo”, disse Sedqi.

Yemanjá Brasil parece a coisa mais próxima da distância. Quem diria, por exemplo, que o “oceano” (pelo menos neste quarteirão) bate em seixos; Rolando as fundações de uma casa geminada do final do século 19, batendo ritmicamente nos suportes de seu deck aquarelado? É uma pena que o público não possa entrar por esta cozinha para ver o seu funcionamento e apreciar a proximidade em que a comida é preparada: o grande e bonito Raoul com uma rede no cabelo, um cutelo na mão, movendo-se como Gulliver em Lilliput. Sim, Uribe é um cara grande e cortava bifes à brasileira. E aqui estavam eles – vermelhos e grossos – caindo, como colchões, na borda de uma tigela grande. Esta é uma peneira do repolho que ele desfiou anteriormente. As folhas mais frescas e verdes que você já viu.

Mas não é só a comida brasileira que ele domina. “Seja o que for, ele é capaz de alcançá-lo”, disse Sedqi. Isso significa que além do prato nacional do Brasil, a feijoada de ojom (guisado de feijão preto com carne seca), Uribe pode preparar tamales mexicanos com carne de porco desfiada e hambúrgueres de lombo com batatas fritas. Uma vez a cada dois meses, ele dirige até uma fazenda em Illinois e volta para casa com um porco abatido para o açougue, levando-o do caminhão para a cozinha, onde passa as próximas nove horas desmontando-o. Ele ainda convida Sedqi para acompanhá-lo nesses passeios, mas ela diz que nunca irá. “Com o que sou casado? selvagem?” Diz.

Sedqi contratou Uribe como chef em 2003. Eles se casaram um ano depois. Ele dirige esta pequena cozinha desde então. Mesmo durante os anos de vacas magras (ou talvez por causa deles), aqui se consomem grandes quantidades de rum. Limia diz que chega toda semana uma caixa de cachaça de Kansas City (eram duas) para apenas quatro noites de trabalho. Onde costumavam conseguir 400 limões por semana, agora são “apenas 200”.

O food truck do restaurante foi sua boia durante a crise imobiliária de 2008 e, mais recentemente, durante a pandemia, quando ela disse que perdeu 10 quilos em dois meses. O caminhão está estacionado do lado de fora, onde há algumas cadeiras e uma mesa baixa coberta de conchas vazias de moluscos que parecem grandes borboletas brancas. “Temos festas pequenas. Tenho muita preocupação com a comunidade e quero que o restaurante seja acessível. Além de pensar em incentivos para os clientes ajudarem a arrecadar dinheiro para programas locais de baixa renda, o casal vai dar uma festa de rua no fim de semana seguinte. Dia do Trabalho.” Duas mil pessoas. “Todas as idades, todas as cores, todos os grupos”, disse Sedqi.

READ  COVID-19: Taxas de vacinação globais desiguais criam uma nova divisão econômica جو

Com todas essas medidas cuidadosamente consideradas, Sedqi disse que ela e o marido já estão vendo os resultados. “Os jovens estão vindo e vêm com frequência. É isso que você quer”, disse ela.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *