Portugal impulsionou os ganhos da EDP nos últimos 9 meses com a aquisição da Viesgo no Brasil

Logótipo da concessionária portuguesa EDP – Energias de Portugal na sede da empresa em Oviedo, Espanha, 14 de maio de 2018. REUTERS / Eloy Alonso / File Photo

LISBOA (Reuters) – A EDP-Energias de Portugal, maior concessionária de Portugal, divulgou quinta-feira um aumento de 21% no lucro líquido de nove meses para 510 milhões de euros (US $ 589 milhões) após a aquisição da empresa espanhola. A Viesgo tem forte atuação no Brasil.

Em um comunicado, a empresa disse que seu lucro líquido recorrente caiu 2% “devido a maiores custos de compra de energia na Península Ibérica e recursos de energia eólica abaixo da média (históricos)”.

A unidade eólica e solar EDP Renovaveis (EDPR.LS) reportou na quarta-feira uma queda de 54% no lucro líquido para € 148 milhões e uma queda de 15% no EBITDA para € 917 milhões.

A EDP disse que o seu EBITDA consolidado caiu 4% para € 2,5 mil milhões, enquanto o EBITDA recorrente caiu 1%.

A EDP adquiriu a Viesgo em dezembro de 2020, mais do que duplicando a sua presença no mercado espanhol de distribuição de eletricidade.

Na semana passada, a unidade Energias do Brasil apresentou aumento de 67% no lucro líquido, beneficiada pela recuperação da economia e pelo aumento da base de clientes.

Em setembro, 79% da capacidade instalada de 24,4 GW da EDP era proveniente de fontes renováveis, com 2,65 GW adicionais de projetos eólicos e solares em construção.

As despesas de capital totais aumentaram 15% para 2,7 bilhões de euros em relação ao ano anterior, dos quais 95% foram em energia renovável e redes de energia, “em forte alinhamento com a transição energética”, disse ela.

READ  GoLocalProv | Decisões de Rhode Island ausentes

A EDP acrescentou que a aquisição da empresa de energias renováveis ​​Sunseap Group, do Sudeste Asiático, anunciada quarta-feira, vai cimentar a sua posição global “com a presença em 25 mercados que representam cerca de 75% do crescimento renovável global até 2030”. Consulte Mais informação

(1 dólar = 0,8663 euros)

(Reportagem de Sergio Gonçalves) Edição de Andre Khalil, Kirsten Donovan

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *