Políticos aproveitam a crise de oxigênio em Manaus para promover uma rodovia catastrófica (comentário)

  • A reconstrução proposta no Brasil da rodovia BR-319, anteriormente abandonada, é bem conhecida por seu impacto potencial no desmatamento na Amazônia e nos povos indígenas.
  • A rodovia ligará Manaus, no meio da Amazônia, ao “arco do desmatamento” na parte sul da região, abrindo vastos trechos de floresta para invasão.
  • A atual crise de oxigênio em Manaus tem sido um ganho inesperado para os políticos que promovem o projeto da rodovia, usando o falso argumento de que a BR-319 é ​​necessária para abastecer a cidade com oxigênio.
  • Este texto foi traduzido e ampliado a partir da coluna do primeiro autor no site da Amazônia Real. As opiniões expressas são dos autores, não necessariamente do Mongabay.

Manaus, a capital do estado brasileiro do Amazonas, ganhou fama mundial por lidar com a pandemia COVID-19, pela primeira vez no mundo. Avaria do sistema hospitalar Em abril de 2020, quando a cidade (população 2,2 milhões) foi a primeira a enterrar seus mortos Valas comunsA segunda foi em janeiro de 2021, quando os hospitais da cidade foram Ficou sem oxigênio Durante a segunda onda de Coronavírus, que resultou em dezenas de mortes evitáveis. Prefeito de Manaus (David Almeida) Culpe os ambientalistas Devido à falta de oxigênio na cidade, o que indica que a causa da crise são as más condições da rodovia BR-319 (Manaus – Porto Velho), que ainda não tem licença para reconstruir. Os políticos de Manaus aproveitaram a crise para promover o início imediato da construção de rodovias, apesar de estar longe de cumprir os requisitos legais, como Consulta aos povos indígenas afetados. MP Federal de Manaus que Ele acabou de ser eleito À segunda posição mais poderosa da Câmara dos Deputados (Marcelo Ramos) leva Esforço para comprimir Ministérios em Brasília.

READ  Conselho de Ministros aprova acordo entre CCI, Conselho Administrativo de Defesa Econômica do Brasil

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) é o apoiador oficial do projeto de reconstrução da rodovia e o possui Decisões judiciais violadas Para que dê frutos. A BR-319 é ​​uma rodovia construída pela Ditadura Militar Brasileira em 1973-1974, mas abandonada pelo DNIT em 1988. Essa foi a marca da BR-319. Torne-se intransponível Para ônibus e outros veículos comuns, mas desde 2015 o programa de “manutenção” melhorou muito a estrada. O projecto de “reconstrução”, que vai construir e pavimentar uma nova estrada na mesma estrada, ainda não foi aprovado. Com a crise de oxigênio em Manaus, o DNIT aproveitou a oportunidade para enviar um comboio de dois dias de caminhões com fornecimento de oxigênio para Manaus, acompanhado de uma escavadeira e outras máquinas, para tirar os caminhões da lama quando emperrados, O que eles fizeram, é claro (Figuras 1 e 2). Os caminhões chegaram a Manaus após três dias de viagem e nenhum outro comboio de caminhões foi enviado, e o objetivo da cobertura da mídia foi cumprido.

Caminhões transportando oxigênio para Manaus pela rodovia BR-319. Fonte: Redi Globo.
Caminhões transportando oxigênio para Manaus pela rodovia BR-319.  Fonte: Rede Globo.
Caminhões transportando oxigênio para Manaus pela rodovia BR-319. Fonte: Redi Globo.

A falta da rodovia BR-319 não é a causa da falta de oxigênio, mas sim a falha das autoridades em tomar providências para ordenar os embarques de oxigênio em tempo hábil. O governo estadual sabia que o suprimento de oxigênio estaria acabando Desde novembro 2020, Ministério da Saúde do Governo Federal foi alertado Cinco dias atrás O oxigênio acabou no dia 14 de janeiro, e o próprio Ministro da Saúde (General Eduardo Pazuelo) esteve em Manaus três dias antes de acabar o oxigênio e não fez nada (o que, com a autorização do STF, é A investigação está acontecendo Devido ao abandono do dever.)

A rodovia BR-319 não tem sentido como meio de abastecimento de oxigênio a Manaus. Em um momento de emergência como o estado atual, o avião carregando sobe de qualquer maneira. Para envio em condições normais, o custo é Muito mais barato Para transporte aquaviário que será pela BR-319. Após o transporte aéreo inicial, as cargas agora começam a chegar a Manaus em barcaças de Belém no rio Amazonas. Econômico inutilidade Da BR-319 claramente mostrar-seE, não por acaso, o projeto de reconstrução é o único grande projeto proposto que Não tem Estudo de Viabilidade Econômica (EVTEA).

READ  Tamanho do mercado de cravo e análise de receita
BR-319 visto do satélite.  © Microsoft Zoom.
BR-319 visto do satélite. © Microsoft Zoom.

O projeto de reconstrução ainda não foi aprovado. Um dos motivos é o grande impacto da rodovia, que, junto com as estradas vicinais planejadas, mas pouco discutidas, abrirá vastas áreas de florestas desprotegidas para a entrada de ocupantes (Invasores), Invasores, madeireiros e outros atores do “arco desmatamento”, visto que a maior parte da floresta já foi destruída ao longo das bordas sul e leste da Amazônia. O impacto ambiental e social que a reconstrução da rodovia terá é enorme (veja aqui, aqui, AquiE a AquiE a Aqui E a Aqui)

O segundo motivo é o longo histórico de tentativas de apoiadores para implementar a obra Sem necessidade de estudos ambientais O não cumprimento de medidas exigidas pelo Órgão Federal do Meio Ambiente (IBAMA). Por exemplo, a solicitação do IBAMA de dois postos de controle simples (um em cada extremidade do trecho intermediário da rodovia) não foi atendida anos após o DNIT tentar eliminar essa responsabilidade; A sugestão mais recente do DNIT é exigir que os municípios (distritos) que cruzam a estrada paguem pelos pontos de controle. Isso ilustra a natureza delirante das alegações de que um programa de governança massivo para controlar o desmatamento será instalado.

Manaus a partir do satélite. © Microsoft Zoom.

Outro problema é a má qualidade dos estudos ambientais. o A primeira avaliação de impacto ambiental Foi rejeitado pelo IBAMA em 2009 por prorrogação Siga a opinião oficial: “… O EIA não atende aos requisitos mínimos e fornece as informações que permitiriam uma avaliação da viabilidade ambiental do projeto … Mesmo que deixemos de lado a qualidade técnica do EIA / RIMA, a licença inicial não pode ser emitida.” o EIA II, Atualmente em análise pelo IBAMA, também tem muitas falhas, mas ao menos reconhece algumas das graves implicações dessa rodovia.

READ  Petrolífera colombiana Ecopetrol duplica na automação da cadeia de suprimentos

A BR-319 é ​​uma das principais prioridades dos políticos de Manaus, contanto que os custos do projeto sejam, obviamente, pagos pelo governo federal e não pelos contribuintes locais. o A verdadeira razão de existência Do projeto é Votos vencedores Em Manaus. Isso se tornou mais evidente à medida que o prefeito tentava aproveitar a tragédia do coronavírus para promover esse projeto político.

Este texto foi traduzido e expandido da coluna do primeiro autor em Amazona real.

Comentário, Conservação, Corrupção, COVID-19, Desmatamento, Editorial, Meio ambiente, Florestas, Verde, Saúde, Infraestrutura, Epidemias, Florestas tropicais, Estradas, Florestas tropicais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *