Os Houthis dizem que os ataques aéreos EUA-Reino Unido não ficarão impunes ou sem resposta Os Houthis

Os líderes Houthi juraram desafio face a uma nova onda de ataques que dizem ter como alvo cinco províncias, incluindo a capital do Iémen, Sanaa, e as áreas circundantes.

O porta-voz do exército Houthi, Brigadeiro General Yahya Saree, disse que os ataques aliados não ficarão impunes ou sem resposta. Os líderes Houthi também reiteraram que as suas ameaças aos navios no Mar Vermelho foram dirigidas apenas para impedir o comércio de navios comerciais com Israel devido ao bombardeamento de Gaza. Eles insistiram que outros navios tivessem liberdade de passagem. Alguns navios que navegam no Mar Vermelho emitiram identificadores dizendo que “não estão associados a Israel”.

Poucas horas depois dos ataques, as Operações de Comércio Marítimo do Reino Unido (UKMTO) relataram “atividade aérea não tripulada” ao sul de Mokha, no Iêmen. O UKMTO disse que as autoridades estavam investigando o assunto.

A propaganda Houthi colocou imagens de Sanaa sob ataque ao lado de imagens semelhantes em Gaza.

O Líder Supremo Iraniano, Aiatolá Ali Khamenei, elogiou implicitamente os Houthis, dizendo: A missão dos funcionários nos países islâmicos é cortar as artérias vitais do regime sionista. Os países islâmicos devem cortar as suas relações políticas e económicas com o regime sionista e não ajudar este regime.

Ele disse que outros líderes erraram ao pedir um cessar-fogo porque esta exigência estava nas mãos de Israel.

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Hossein Amir Abdollahian, disse que alertou o secretário dos Negócios Estrangeiros britânico, David Cameron, na semana passada, numa rara reunião presencial, que “os Estados Unidos e a Inglaterra cometeriam um erro estratégico ao lançar um segundo ataque”. Em sites Houthi.”

READ  Rússia promete resposta dura depois que a Polônia "apodera-se" de uma escola da embaixada

Os Houthis dirigem um regime autoritário e altamente religioso. Eles acreditam que estão a cumprir a vontade de Deus ao defender os palestinianos, por isso a sua determinação em atacar os navios israelitas provavelmente não diminuirá.

Desde o primeiro ataque conjunto, em 11 de Janeiro, os Estados Unidos lançaram pelo menos seis dos seus ataques limitados contra alvos mais pequenos. Desde então, Cameron reuniu-se com líderes do governo oficial rival do Iémen, apoiado pela ONU, baseado em Aden, para discutir a crise.

Membros do Conselho de Comando Presidencial, o ramo executivo do governo de Aden, instaram o Reino Unido e os Estados Unidos a fornecerem às suas forças equipamento, treino e inteligência para lançar uma ofensiva terrestre contra os redutos Houthi no norte do Iémen. Não há indicação de que os Houthis tenham abrandado os seus ataques aos navios após a primeira vaga de ataques.

Não está claro se a segunda onda de ataques coordenados beneficiou da cooperação de inteligência do governo baseado em Aden, que se opõe às ações de Israel em Gaza, mas não apoia os ataques Houthi no Mar Vermelho.

Alguns membros proeminentes do Partido Islah, parte do governo de coligação baseado em Aden e próximo da Irmandade Muçulmana, elogiaram os ataques Houthi aos navios.

Israel alegou que estava a contornar o bloqueio naval imposto pelos Houthis através de corredores terrestres dos Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Jordânia. O comércio entre a Turquia e Israel também aumentou desde a escalada dos ataques israelitas a Gaza em resposta ao ataque do Hamas a Israel em 7 de Outubro.

Os Houthis consideram o ataque americano um momento de vingança.

Nasr al-Din Amer, um alto funcionário do grupo Houthi, disse: “Há 20 anos que esperamos pelo momento do golpe”. [military] Lidando com a América e Israel. Louvado seja Deus que nos ajudou a lutar contra os senhores da descrença e da tirania.”

READ  Primeiro-ministro português demite-se devido a investigação sobre corrupção no lítio e no hidrogénio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *