O vice-ministro das Relações Exteriores da China visita a Coreia do Norte na última diplomacia entre os dois países

SEUL, Coreia do Sul (AP) – A Coreia do Norte anunciou sexta-feira que está recebendo uma visita de uma delegação do governo chinês liderada pelo vice-ministro das Relações Exteriores, Sun Weidong, enquanto continua seus esforços para fortalecer as relações com Pequim e Moscou diante da escalada de confrontos com Washington. .

A Agência Central de Notícias Coreana oficial do Norte disse que a delegação de Son chegou à capital, Pyongyang, na quinta-feira, depois de cruzar a fronteira terrestre entre os dois países. A reportagem não forneceu mais detalhes sobre a visita.

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, está a tentar fazer avançar a visão da sua parceria com a China e a Rússia, ao mesmo tempo que tenta sair do isolamento diplomático e fortalecer a sua posição regional, juntando-se a uma frente unida contra os Estados Unidos.

Kim viajou para o extremo leste da Rússia em setembro para realizar uma rara cimeira com o presidente russo, Vladimir Putin, e alguns especialistas dizem que é provável que ele também procure um encontro com o presidente chinês, Xi Jinping.

Embora Kim tenha priorizado os seus laços com a Rússia, o que levantou preocupações sobre a cooperação armamentista que ajudaria a alimentar a guerra de Putin contra a Ucrânia, o líder norte-coreano também convidou altos funcionários chineses para grandes eventos oficiais nos últimos meses, ao mesmo tempo que prometeu fortalecer os laços bilaterais. .

Uma delegação chinesa liderada pelo vice-primeiro-ministro Liu Guozhong participou nas celebrações do 75º aniversário da fundação da Coreia do Norte em Setembro passado, pouco antes da visita de Kim à Rússia. Em Julho, Kim convidou o responsável do partido no poder chinês, Li Hongzhong, e o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, para um grande desfile militar em Pyongyang, onde lançou os seus mísseis mais poderosos e potencialmente com capacidade nuclear, visando os Estados Unidos, a Coreia do Sul e o Japão.

READ  Intensificam-se os combates pelo último reduto da Ucrânia na província oriental de Luhansk

Son reuniu-se com o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros norte-coreano, Pak Myung-ho, no mês passado, em Pequim, onde discutiram o fortalecimento das relações bilaterais e a coordenação em “questões de interesse comum” não especificadas. Pak também se reuniu então com o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, onde se comprometeu a expandir os intercâmbios amistosos e fortalecer a “cooperação estratégica” em 2024, enquanto os dois países celebram o 75º aniversário do estabelecimento de relações bilaterais.

A visita de Son à Coreia do Norte ocorre no momento em que o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, planeia manter conversações com Wang em Banguecoque esta semana, nas últimas conversações de alto nível entre Washington e Pequim, em meio a tensões sobre comércio, tecnologia e a política externa assertiva da China na região.

Como principal aliada e tábua de salvação económica da Coreia do Norte, a China é um parceiro crucial nos esforços de Kim para reanimar uma economia prejudicada por décadas de má gestão e sanções lideradas pelos EUA devido ao seu programa de armas nucleares e mísseis, que ele expandiu agressivamente nos últimos anos, apesar dos recursos limitados. . .

Tanto a China como a Rússia, como membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, frustraram os esforços liderados pelos EUA para aumentar as sanções à Coreia do Norte devido à sua extensa actividade de testes de armas nos últimos meses, destacando a profunda divisão sobre a guerra da Rússia contra a Ucrânia.

Washington e Seul estão a exortar Pequim a usar a sua influência económica sobre a Coreia do Norte para ajudar a persuadir o governo de Kim a regressar às negociações de desnuclearização, que estão paralisadas desde 2019.

READ  As visões de Biden e Netanyahu colidem para acabar com a guerra entre Israel e o Hamas

Especialistas dizem que as atividades comerciais entre a Coreia do Norte e a China têm se expandido gradualmente desde que a Coreia do Norte aliviou as restrições à pandemia e reabriu a fronteira no ano passado.

___

Acompanhe a cobertura da Ásia-Pacífico da AP em https://apnews.com/hub/asia-pacific

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *