Brasil reduz previsão para próxima safra

A safra brasileira de grãos, cereais e oleaginosas em 2024 deverá atingir 306 milhões de toneladas, segundo novos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Para cada IBGE, esta será a pasta 2,8 por cento (ou 8,9 milhões de toneladas) menos que a safra recorde de 2023 – mais de 315 milhões de toneladas. O forte desempenho do ano passado ajudou os números de crescimento do PIB do Brasil a serem muito melhores do que o esperado.

Conab ser visto Este é um declínio maior em relação ao ano anterior – 4,2% (ou 13,5 milhões de toneladas).

Segundo Carlos Paradas, coordenador de pesquisa do IBGE, enquanto a produção de soja deverá atingir um novo recorde de safra de mais de 154 milhões de toneladas este ano, a segunda cultura mais importante do país, o milho, deverá cair mais de 10%, para 116,9 milhões. toneladas, milhões de toneladas. .

As fortes chuvas no sul e o tempo seco no norte atrasaram o plantio da nova safra em alguns estados, o que atrasaria a colheita e, portanto, o plantio da segunda safra, tornando esta última mais vulnerável aos riscos climáticos.

As condições climáticas extremas influenciadas pelo El Niño são a principal – mas não a única – razão por trás das previsões mais pessimistas. A Conab também alerta para menores margens de lucro para os produtores, possíveis novas quedas nos preços das commodities e menor demanda chinesa.

Historicamente, as estimativas da Conab sempre foram um pouco mais otimistas que as do IBGE, mas as duas entidades trabalham para padronizar suas regras estatísticas. Apesar de observar uma forte queda na produção para a próxima safra em relação ao ocorrido em novembro, a Conab apontou um aumento na área plantada – 0,3% da área plantada, totalizando 78,7 milhões de hectares – o que abre caminho para que o Brasil volte a surpreender caso o clima… Ajuda de uma forma ou de outra.

READ  Senado brasileiro planeja aprovar convocação para audiência do presidente do Banco Central Por Reuters

Mesmo que sejam um pouco piores do que as primeiras previsões, estes números fortaleceriam a posição do Brasil como o maior produtor mundial de grãos.

Fabian Zeola Menezes

Fabian, ex-editor-chefe do LABS (Latin American Business Stories), tem mais de 15 anos de experiência em reportagens sobre negócios, finanças, inovação e cidades no Brasil. Este último recentemente a trouxe de volta à sala de aula e fez com que ela fizesse mestrado em Gestão Urbana pela PUCPR. Na TBR, você monitora a política econômica, as empresas revolucionárias e as pessoas que impulsionam a inovação na América Latina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *