O presidente brasileiro Lula enfrenta um novo inimigo no combate à inflação com a volta do fenômeno El Niño

(Bloomberg) — Uma colheita abundante ajudou Luiz Inácio Lula da Silva a desafiar as previsões econômicas sombrias durante seu primeiro ano como presidente do Brasil. Uma inconstante Mãe Natureza está preparada para tornar a repetição deste feito ainda mais difícil em 2024.

Mais lidos da Bloomberg

O El Niño, o fenómeno climático com um historial de perturbação de potências agrícolas como o Brasil, regressou com força total no verão sul-americano, trazendo fortes chuvas a partes do país e deixando outras áreas invulgarmente secas. Como resultado, os preços dos produtos básicos, como o arroz e as batatas, subiram, desafiando os planos do banco central de continuar os cortes nas taxas de juro exigidos por Lula e a sua campanha promete oferecer preços mais baratos para os brasileiros comuns.

“O El Niño é pior do que o esperado”, disse Adriano Valadão, economista do Santander Brasil SA. “Esperamos uma inflação pior em janeiro, com o clima impactando itens alimentares mais voláteis.”

Dados oficiais divulgados na semana passada mostraram que a taxa de inflação anual continuou a abrandar dentro do intervalo-alvo do banco central em Dezembro. Mas os preços dos alimentos contrariaram a tendência, à medida que o fenómeno climático El Niño, que já perturbou a produção e provocou o aumento dos preços em partes da Ásia, começa a atingir o Brasil.

Batatas, feijões, arroz e frutas ficaram mais caros devido ao aumento das temperaturas e às fortes chuvas, enquanto o custo total dos alimentos em casa – onde os efeitos são mais visíveis – aumentou 1,3%, muito mais rápido do que o aumento de 0,75% do mês anterior.

Os economistas começaram a rever as estimativas de crescimento para baixo. Se este fenómeno cíclico se revelar tão grave como era há quase uma década, poderá representar 0,8 pontos percentuais ao total da inflação global acumulada para 2023 e 2024, estimou a maioria dos analistas num inquérito do banco central em Dezembro.

READ  Fato ilustrado: salários mínimos em todo o mundo

Diogo Guillén, diretor de política económica da Autoridade Monetária, disse na semana passada, num evento virtual organizado pelo JP Morgan Chase & Co., que o fenómeno El Niño fez com que o banco aumentasse as suas estimativas de inflação.

Mas acrescentou: “Não é algo que muda tudo”.

Aumento dos preços e expectativas de declínio

Na América do Sul, o Peru e a Colômbia enfrentam riscos maiores de El Niño, graças aos potenciais impactos na energia hidroeléctrica, na agricultura e na pesca, disse William Jackson, economista-chefe para mercados emergentes da Capital Economics.

Por outro lado, é provável que a Argentina beneficie de alguns benefícios deste fenómeno que poderão ajudar a aliviar as secas recordes que devastaram a economia.

“Em termos de riscos, o Brasil está em algum lugar no meio”, disse Jackson.

Leia mais: Chuvas do El Niño colhem combustível abundante para exportadores de soja do Paraguai

Algumas partes do Brasil também poderão receber um impulso das tempestades relacionadas ao El Niño. Mas a importância da agricultura para a sua economia significa que mesmo pequenas perturbações nas colheitas noutras regiões podem representar riscos importantes. Meteorologistas dizem que o impacto do El Niño na América do Sul está começando a enfraquecer, mas as deficiências de produção levaram o Itaú Unibanco SA a revisar sua previsão do PIB agrícola de 2024 para 0,7%, abaixo da estimativa anterior de 2,5%.

“No cenário extremo, poderíamos ver um PIB agrícola negativo”, disse Natalia Cottarelli, economista do Itaú.

Mesmo que o El Niño continue relativamente ameno, não se espera que o setor agrícola cresça em 2024, segundo Philip Ceregatti, pesquisador do Centro de Estudos do Agronegócio da Fundação Getulio Vargas de Pesquisa.

Os efeitos de outros fenómenos do El Niño já estão a tornar-se mais evidentes. Fortes tempestades no sul do Brasil, uma importante região agrícola, causaram inundações que atrasaram o plantio deste ano no Rio Grande do Sul, o maior estado produtor de arroz do país. Como resultado, os preços grossistas do arroz aumentaram 40% em 2023, com os custos a aumentarem cerca de 6% só em Dezembro.

“O custo da safra deste ano aumentou significativamente devido aos desafios climáticos”, disse Alexandre Filho, agricultor e presidente da Federação dos Produtores de Arroz Federaros.

Os preços das culturas frescas de raízes e leguminosas, como a batata, subiram 8,1% no mês passado, segundo dados oficiais, após fracas colheitas na região sul. O custo da batata aumentou 19% em dezembro.

O custo de produção deverá aumentar nos próximos meses, disse Margaret Botion, professora de economia da Universidade de São Paulo. O tempo húmido também prejudicou a colheita de trigo e deverá levar a um aumento dos preços da farinha, segundo o grupo de produtores Abitrego.

Leia mais: Seca no Brasil ameaça elevar preços do café solúvel

Enquanto isso, os centros agrícolas no norte e centro do Brasil receberam menos chuva do que o esperado, reduzindo as perspectivas para a soja, o maior produto agrícola de exportação do Brasil. Produtores de Mato Grosso, maior exportador de soja, relataram necessidade de replantar 4% da área, aumentando os custos, segundo o Instituto de Economia Rural do estado.

Não se espera que os preços das oleaginosas subam, mas agora parece que muitos agricultores enfrentarão perdas financeiras com certeza, disse Leonardo Alencar, analista da XP Inc.. Entretanto, empresas como a SLC Agrícola SA reviram as orientações para baixo.

Riscos de instalação

READ  Varejistas europeus suspendem carne bovina brasileira devido ao desmatamento

Jackson, da Capital Economics, disse que os legisladores no Brasil podem se consolar com o fato de que a América Latina tem visto até agora impactos relativamente moderados.

O fenómeno El Nino fez com que o banco central da Colômbia permanecesse cauteloso durante vários meses, à medida que os seus principais homólogos na América do Sul cortavam as taxas de juro, mas fez o seu primeiro corte em três anos em Dezembro. O fenómeno El Niño atingiu o Peru no ano passado e ajudou a empurrar a sua economia para a recessão. Mas as suas perspectivas estão a começar a melhorar e, embora os riscos persistam, a probabilidade de sofrer impactos fracos ou inexistentes em 2024 está agora a aumentar, afirmou o banco central na semana passada.

Na Ásia, pelo contrário, a inflação elevada forçou muitas autoridades monetárias a adiar os ciclos de flexibilização que planeavam lançar no segundo semestre de 2023.

Leia mais: Boom das exportações brasileiras revive memórias do boom das commodities

No entanto, o El Niño destaca o risco crescente de condições meteorológicas extremas para os países que dependem fortemente da agricultura para estimular as suas economias, especialmente à medida que grandes eventos climáticos – incluindo inundações e secas inesperadas – se tornam mais frequentes. É provável que isto torne o clima um factor mais importante para a inflação e o desempenho económico.

“Os riscos de longo prazo decorrentes das alterações climáticas tornarão os eventos climáticos extremos mais frequentes e poderão levar a uma inflação mais elevada e mais volátil”, disse Jackson.

–Com assistência de Clarice Cotto, Oscar Medina, Jonathan Gilbert, Andrea Jaramillo e Marcelo Rochabrun.

Mais lidos da Bloomberg Businessweek

©2024 Bloomberg L.P.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *