Como o recém-chegado SecureLink compete por uma fatia do bolo das telecomunicações brasileiras?

A SecureLink, empresa brasileira recém-lançada de serviços de infraestrutura e comunicações, pretende assinar de 40 a 50 contratos com empresas de médio e grande porte e empresas estatais este ano.

Lançado pelo Grupo de Comunicações B2B Lótus TICque entre outros projetos tem contrato no valor de 20 milhões de reais (4,1 milhões de dólares) com a petrolífera federal Petrobras, o objetivo da SecureLink é fornecer serviços customizados de comunicação e segurança para empresas de diversos setores.

“Não queremos ser um provedor para centenas de milhares de clientes, queremos ser um provedor de Internet 'boutique'. Nosso alvo é o segundo nível de grandes empresas”, disse Flavio Lange, cofundador da SecureLink, ao BNamericas. .

“Ou seja, não estamos falando de grupos gigantes, que geralmente já são bem atendidos por operadoras locais, mas de grandes empresas com operações nacionais de grande porte que não estão bem atendidas ou têm que lidar com diferentes empresas de dados, redes e Internet . “

Recentemente, a SecureLink fechou um contrato de grande porte com um cliente, cujo nome ainda não pode ser divulgado, que possui 40 escritórios no Brasil e é atendido por 25 ISPs em suas áreas de atuação, segundo o executivo.

Os provedores regionais respondem por mais de 50% do mercado de banda larga de fibra fixa no Brasil, considerando grandes e pequenos ISPs, excluindo as operadoras locais Telefônica, Claro, TIM e Oi.

No setor B2B a situação se inverte e as grandes empresas de telecomunicações dominam.

No entanto, os grandes operadores acabam por cobrar taxas exorbitantes pelos seus serviços, enquanto os operadores regionais têm uma cobertura limitada, diz Lang. A SecureLink quer trabalhar nesta área.

READ  Tamanho do mercado de bilirrubinômetros em 2022 com crescimento significativo até 2028 "Brasil Ecodiesel, Ineos Bio, Archer Daniel Midland, GreenHunter" - ManufactureLink

“Nossa hipótese é que tudo o que precisa ser construído e coberto em termos de rede, principalmente no setor B2B, já foi feito. Além das operações mais remotas de mineração e agronegócio, as empresas geralmente têm alguma fibra passando por suas portas.

SecureLink depende de redes de fibra neutras para fornecer seus serviços. O principal provedor de rede é a V.tal, mas a SecureLink está em negociações com três outras empresas de fibra neutras e atacadistas.

A Huawei é um importante fornecedor de equipamentos para clientes, ou CPE.

Além disso, a SecureLink possui estruturas em data centers Equinix e Tivit e locais de Telecall, disse Lang.

Em termos de segurança de rede, o portfólio SecureLink inclui tecnologias SD-WAN e SASE de fornecedores como Fortinet e Huawei.

Próximos passos

A SecureLink tem como meta receitas anuais de cerca de 100 milhões de riais nos próximos dois anos.

A empresa colocou no mercado oito propostas e participa em vários concursos. Segundo Lang, são 25 oportunidades identificadas ou em implementação. A SecureLink também está contratando no Brasil.

Se os planos da empresa derem certo, ela poderá se separar oficialmente da Lotus ICT.

Mas os investimentos atuais da empresa ainda vêm da controladora e do próprio Lang. Segundo o executivo, a SecureLink está bem capitalizada para a fase de aquisição, mas no futuro não está descartada a entrada de um fundo de investimento.

Fundada no Brasil em 2018, a Lotus ICT reportou receitas anuais de aproximadamente US$ 300 milhões. A empresa conta com mais de 200 colaboradores diretos e 800 indiretos, e está presente em 15 países, incluindo Estados Unidos, Reino Unido e China.

No Brasil, a empresa implementou projetos de multinuvem, segurança cibernética, comunicações de última geração, automação de processos, gestão de serviços e infraestrutura para Petrobras, Team, Osiminas, Cemig, Eletrobras, Caixa, Correos, entre outros.

READ  Guedes diz que a dificuldade financeira causada pelo governo eleito no Brasil mostra ignorância

O contrato com a Petrobras foi assinado no ano passado e tem validade de 48 meses. A Lotus foi a vencedora de um dos contratos. O projeto envolve projetar e implantar links de comutação de etiquetas multiprotocolo personalizados, conectando mais de 70 pontos operacionais da gigante do petróleo.

“Estamos na fase de entrega [of the contract]. Já implementamos alguns desses circuitos. “O que fizemos agora foi buscar outros grandes contratos no espaço governamental para adaptar nosso site”, disse Helio Nobre, outro cofundador da SecureLink, ao BNamericas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *