O Japão aprova um plano para vender caças a outros países, no mais recente afastamento dos princípios pacíficos

TÓQUIO (AP) – O gabinete do Japão aprovou na terça-feira um plano para vender caças de próxima geração que está desenvolvendo com a Grã-Bretanha e a Itália para outros países, o mais recente afastamento dos princípios pacifistas do país no pós-guerra.

Decisão controversa Espera-se que permitir a venda internacional de armas ajude a garantir o papel do Japão no projecto conjunto de aviões de combate e faça parte de um movimento para desenvolver a indústria de armas do Japão e reforçar o seu papel na segurança global.

O Gabinete também concordou em rever as directrizes de equipamento de armamento e de transferência de tecnologia do Japão para permitir a venda de armas letais produzidas em conjunto a países que não sejam parceiros.

O Japão há muito que restringe as exportações de armas ao abrigo da constituição pacifista do país, mas rapidamente tomou medidas para liberalizar as restrições num contexto de crescentes tensões regionais e globais, especialmente da vizinha China.

A decisão sobre a aeronave permitirá ao Japão exportar pela primeira vez as armas letais que está envolvido na produção para outros países.

O Japão está trabalhando com a Itália e o Reino Unido para desenvolver um caça a jato avançado para substituir sua antiga frota de caças F-2 projetados nos EUA e de caças Eurofighter Typhoon usados ​​pelos militares britânicos e italianos.

O Japão, que anteriormente trabalhou em um projeto local chamado FX, concordou em dezembro de 2022 em combinar seus esforços com um programa britânico-italiano chamado Storm. Para publicação em 2035. Joint venture conhecida como Programa Global de Combate Aéreo Ou GCAP, e está sediada no Reino Unido

O Japão espera que a nova aeronave forneça capacidades avançadas que o Japão necessita em meio às crescentes tensões na região, dando-lhe uma vantagem tecnológica contra os seus rivais regionais China e Rússia.

Devido ao seu passado de guerra como agressor e à devastação que se seguiu à sua derrota na Segunda Guerra Mundial, o Japão adoptou uma constituição que limitava os seus poderes militares à autodefesa. O país mantém há muito tempo uma política rigorosa de limitação das transferências de equipamento e tecnologia militar e de proibição de todas as exportações de armas letais.

Os oponentes criticaram o governo do primeiro-ministro Fumio Kishida por se comprometer com o projeto do caça a jato sem fornecer uma explicação ao público ou obter aprovação para a grande mudança política.

Para responder a estas preocupações, o governo está a limitar, por enquanto, as exportações de armas letais co-desenvolvidas para aeronaves e prometeu não realizar quaisquer vendas para utilização em guerra activa.

O governo também confirmou que a diretriz revisada atualmente se aplica apenas a aeronaves e que será necessária a aprovação do Conselho de Ministros para fazê-lo. Os potenciais compradores também estarão limitados aos 15 países com os quais o Japão assinou parcerias de defesa e acordos de transferência de equipamentos.

Sondagens de opinião recentes indicam que a opinião pública está dividida sobre o plano.

Em 2014, o Japão começou a exportar alguns suprimentos militares não letais e, num movimento mais recente Em dezembro passado, foi aprovado É uma mudança que permitiria a venda a licenciados de 80 armas letais e seus componentes fabricados sob licenças de outros países. Esta mudança abriu caminho para o Japão vender mísseis Patriot de concepção americana aos Estados Unidos, o que ajudaria a substituir as munições que Washington envia para a Ucrânia.

O Gabinete disse na sua decisão que a proibição da exportação de armas para produtos acabados prejudicaria os esforços para desenvolver a nova aeronave, e o Japão estava limitado a um papel de apoio no projecto. A Itália e o Reino Unido estão interessados ​​em vender o avião para custear os custos de desenvolvimento e fabricação.

Kishida buscou a aprovação do gabinete antes de assinar o acordo da GCAP em fevereiro, mas foi adiado pela resistência de seu parceiro júnior de coalizão, o partido Komeito, apoiado pelos budistas.

A mudança também ocorre no momento em que Kishida planeja uma visita de Estado a Washington em abril, onde deverá ressaltar a disposição do Japão de desempenhar um papel maior nas parcerias militares e da indústria de defesa.

As exportações também ajudariam a impulsionar a indústria de defesa do Japão, que historicamente só se preocupa com as Forças de Autodefesa do país, enquanto Kishida procura fortalecer as forças armadas. Apesar dos esforços da indústria na última década, ela ainda luta para atrair clientes.

___

Encontre mais cobertura AP da Ásia e do Pacífico em https://apnews.com/hub/asia-pacific

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *