O governo do Reino Unido é acusado de ser “deliberadamente negligente” enquanto os casos da Covid aumentam

O Reino Unido registrou quase 50.000 novos casos de Covid-19 duas vezes esta semana, superando em muito a situação na maior parte da Europa. As taxas de hospitalização e mortalidade também não diminuíram significativamente desde o verão, quando o país suspendeu quase todas as restrições restantes.

No entanto, o governo descartou uma mudança para uma abordagem de “Plano B”, que veria a introdução de passaportes e autorizações de vacinas em linha com muitos países europeus.

“O governo tirou o pé do freio, dando a impressão de que a epidemia ficou para trás e que a vida voltou ao normal”, disse a Associação Médica Britânica em uma intervenção contundente na quarta-feira.

“O governo de Westminster está deliberadamente ignorando o fracasso em tomar quaisquer outras medidas para limitar a propagação da infecção, como o uso obrigatório de máscara, distanciamento físico e requisitos de ventilação em locais de alto risco, especialmente em locais lotados”, disse ela. “São procedimentos que são a norma em muitos outros estados”.

O secretário de Saúde britânico, Sajid Javid, reconheceu na quarta-feira que os casos podem chegar a 100.000 por dia neste inverno, mas disse que o governo não implementará as medidas do Plano B “neste momento”.

O número de pacientes internados em hospitais no Reino Unido tem aumentado constantemente desde o início de outubro, embora permaneça bem abaixo da onda de infecções no inverno passado que forçou um bloqueio prolongado em todo o país.

“Graças ao programa de vacinação, sim, a ligação entre casos, hospitalizações e mortes enfraqueceu significativamente. Mas não foi rompida”, disse Javid em entrevista coletiva na quarta-feira. “Esta epidemia ainda não acabou”, acrescentou.

Mas o Sindicato Monetário do Bahrein disse que o país está “se aproximando rapidamente de uma situação em que o governo está mais uma vez adiando por um longo tempo e evitando qualquer ação”.

READ  ASSISTA: British Royal Marines testam Jetpacks que podem atingir velocidades de até 80 milhas por hora

“Este é o momento de aprender as lições do passado e agir rapidamente, ou enfrentaremos medidas mais extremas posteriormente”, disse a agência.

Seu aviso seguiu uma mensagem semelhante do consórcio NHS, que representa os provedores do Serviço Nacional de Saúde (NHS) do país. O mês passado foi o setembro mais movimentado da história do serviço, de acordo com dados oficiais, e há temores de que os meses de inverno empurrem seus hospitais de volta à capacidade máxima.

Quase 140.000 pessoas morreram de Covid-19 no Reino Unido, de acordo com números oficiais, o pior número de mortos na Europa Ocidental e o oitavo maior globalmente.

Em julho, o primeiro-ministro Johnson acabou polêmicamente com as restrições à pandemia remanescentes na Inglaterra. Pubs, bares e grandes eventos puderam funcionar normalmente por lá, sem a necessidade de vacinas ou de máscaras. Mas as infecções não diminuíram significativamente desde então e agora estão aumentando.

Apesar do rápido início da vacinação de sua população, o Reino Unido agora tem a 13ª maior taxa de vacinação da Europa, e o governo tem enfrentado críticas sobre a velocidade do programa de vacinação de reforço e a disponibilidade de vacinas para aqueles com idade entre 12 e 17 anos.

Issa Soares, da CNN, contribuiu para esta reportagem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *