Banco central do Brasil aumenta taxas, olhos voltam mais rápido para política ‘neutra’

Edifício da sede do Banco Central em Brasília, Brasil, 16 de maio de 2017. REUTERS / Usley Marcelino

São Paulo (Reuters) – O banco central do Brasil introduziu um terceiro aumento consecutivo nas taxas de juros de 75 pontos base na quarta-feira e levantou o espectro de aumentos maiores no futuro, à medida que retornava às taxas “neutras”, ignorando os planos de normalização “parcial”. Política.

Com o crescimento econômico muito mais forte do que muitos haviam previsto e as expectativas de inflação bem acima da meta imposta pelo banco central este ano, os formuladores de políticas indicaram que as taxas devem subir mais alto e possivelmente mais rápido do que o planejado anteriormente.

A decisão de quarta-feira de aumentar a taxa básica de juros para 4,25% veio exatamente como as autoridades do banco central indicaram e previram por todos os 37 economistas em uma pesquisa da Reuters.

Mas com a inflação disparando bem acima da meta neste ano e ameaçando cancelar as expectativas para o ano que vem, veio a grande mudança no comunicado.

“Neste momento, o cenário base do Comitê Monetário (Comitê Monetário) indica a normalização da taxa de juros para um patamar considerado neutro”, escreveram os formuladores de política em sua decisão, afastando referência à normalização “parcial” realizada em nos meses anteriores.

Eles acrescentaram: “Para a próxima reunião, o Comitê espera que o processo de normalização monetária continue com outro ajuste do mesmo porte. No entanto, a deterioração das expectativas de inflação para o horizonte relevante pode exigir uma redução mais rápida dos estímulos monetários”.

A taxa de juros neutra é o nível de juros que promove o pleno emprego e a produção econômica máxima sem alimentar a inflação. No Brasil, os economistas acreditam que a taxa neutra está em torno de 3% em termos reais, o que significa uma taxa fixa de 6,5%, supondo que o banco central cumpra sua meta de inflação para 2022 de 3,5%.

READ  Mike expulsou e ampliou a lista de faltas no Brasil

“O ponto mais rigoroso do comunicado é a taxa neutra, já que eles irão direto para a taxa neutra”, disse José Francisco Gonçalves, economista-chefe do Banco Fattor em São Paulo.

“Mas acho que vai ser mais alto … se eles não quiserem sair da curva, podem ir para 7,00%”, disse ele.

A taxa de inflação em doze meses é de 8,1%, bem acima da meta do banco central para 2021 de 3,75% e até mesmo o limite superior de 5,25% do intervalo da meta. Pesquisas mostram que as expectativas de inflação para 2022 agora estão ficando acima da meta de 3,50% do banco para o próximo ano.

Cobum disse que seu cenário base é de que a inflação termine em 5,8% neste ano e no próximo ano em 3,5%. O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse neste mês que o banco está “100% comprometido” com o cumprimento das metas de inflação.

A forte valorização do real nos últimos três meses ajudou a aliviar as pressões sobre os preços. Mas uma moeda mais forte superou a recuperação da atividade econômica, espera que uma recuperação da vacina acelere o crescimento e, mais recentemente, teme que uma seca severa vá impulsionar os preços da energia.

Cobom disse que elevar o índice para neutro é necessário para evitar que o que vê como choques de preços temporários criem pressões inflacionárias mais amplas.

“No entanto, o Comitê ressalta mais uma vez que não há compromisso com esse plano, e que futuras etapas da política monetária podem ser ajustadas para garantir que a meta de inflação seja cumprida”, afirmou.

(Reportagem de Jimmy McGyver) Edição de Brad Haynes

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

READ  A Telefônica Brasil criou a Internet das Coisas, empresa B2B de Big Data

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *