O fogo do cinema brasileiro: o diretor e a resposta da sociedade

Com décadas de legado do cinema brasileiro potencialmente dizimado pelo fogo, a comunidade cinematográfica explicou por que a tragédia esteve tão perto.

Na noite de quinta-feira, um cinema brasileiro no oeste de São Paulo estava pegando fogo, já que o prédio de 6.500 metros quadrados abrigava grande parte do patrimônio cinematográfico de décadas do país. A organização foi fundada em 1940 e opera como o maior arquivo de filmes da América do Sul, com 250.000 rolos de filmes, 90.000 títulos e 1 milhão de documentos e materiais históricos, como os primeiros projetores.

Os primeiros relatórios indicam que o incêndio, o segundo a atingir o complexo em seis anos, foi causado por um curto-circuito no sistema de ar condicionado. No entanto, muitos na comunidade brasileira foram rápidos em denunciar o incêndio como culpa do governo, que cancelou o financiamento para a Cinemateca no início de 2020 e fez com que permanecesse deserta desde então.

Embora ainda seja muito cedo para determinar a extensão total dos danos, relatórios iniciais mostram que, embora não tenha havido vítimas no incêndio, o incêndio destruiu uma grande parte do edifício onde ex-funcionários dizem que muitos arquivos foram mantidos .

No início deste mês, no Festival de Cinema de Cannes, o membro do júri e diretor brasileiro Kleber Mendonca Filho abordou as preocupações em torno do arquivo durante uma entrevista coletiva de abertura. “O cinema brasileiro foi fechado há pouco mais de um ano”, disse. “Todos os técnicos e especialistas foram demitidos. Isso foi uma prova muito clara de seu desprezo pela cultura e pelo cinema.” Seus comentários levaram o chefe do júri, Spike Lee, a condenar o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, dizendo: “O mundo é governado por gangsters”.

A resistência à negligência do governo em relação à Cinemateca aumentou no ano passado. No verão passado, ativistas da Sociedade de Cineastas de São Paulo organizaram vários protestos em frente ao prédio na esperança de aumentar a conscientização sobre a situação. As manifestações também foram organizadas na esteira do esforço do país para custear a Ancine, a agência reguladora central da indústria cinematográfica nacional.

“No ano passado, tememos que isso pudesse acontecer, então nem parecia um acidente”, disse Mendonça por e-mail quando o incêndio começou. “Isso é uma tragédia.” Ele acrescentou que, embora os cineastas tenham manifestado interesse em retirar seu material dos arquivos para guardá-lo em outro lugar, isso exigirá a ajuda de ex-funcionários que não trabalham mais para a fundação. “O prédio principal da Cinemateca é um belo prédio que já foi um matadouro, foi totalmente restaurado e parece uma fábrica”, disse ele, citando dois showrooms de última geração, bem como instalações de armazenamento. “Conheci este lugar por meio do Festival Internacional de Curtas de São Paulo em 2000. Um ótimo lugar para o cinema.Em 2019, percebemos que as coisas haviam mudado com o anúncio da temporada militar do cinema. Aos poucos, a Cinemateca foi desaparecendo da cena pública. ”

O cinema brasileiro está pegando fogo.

Muitos na indústria brasileira viram este evento dentro do contexto mais amplo da abordagem ditatorial de Bolsanaro à governança, bem como sua negligência das lutas do país com a pandemia enquanto ela continuava a apodrecer. Até o momento, o Brasil registrou cerca de 20 milhões de casos de coronavírus e 550.000 mortes. Giuliano Dornelles, que co-dirigiu Bacurau com Mendonça e co-estrelou o Prêmio do Júri em Cannes em 2019. “É uma guerra contra nossos símbolos mais queridos e nossas memórias. O que aconteceu com o cinema é um crime premeditado. É um indizível dor.”

READ  ICARO ™ faz parceria com NZN para conteúdo premium de mais de 50 milhões de usuários com a TIM Brasil

Outros se concentraram em afetar o moral nacional dos cineastas que continuam tentando trabalhar no país. O produtor Rodrigo Teixeira, cujos créditos incluem a apresentação do Prêmio da Academia Brasileira de 2019, disse “Vida Invisível”, entre outros. “Estamos muito decepcionados.” Ele não estava otimista quanto a avaliar os danos de forma adequada. “Não esperamos que sob o atual governo esta situação seja tratada de forma adequada”, disse ele. Eles foram avisados, conhecem os problemas e, no entanto, nada foi feito. Isso é criminoso. “

O diretor de “Hidden Life” Karim Ainouz ecoou esse sentimento. “O objetivo deste governo é acabar com o país, queimar o país e matar seu povo”, escreveu ele por e-mail. “É um projeto óbvio para destruir.”

A diretora de documentários Petra Costa disse que usou material dos arquivos em dois de seus filmes, “Elena” e no filme indicado ao Oscar “The Edge of Democracy”. Seu primeiro curta foi exibido no instituto. Ela lembrou que o ano da eleição de Bolsonaro em 2019 foi um grande momento para o cinema brasileiro no cenário mundial, com “Bacurau” em Cannes e “The Edge of Democracy” vencendo o Oscar. “A construção leva décadas e semanas para ser destruída”, disse Costa. O atual governo tem sido muito eficaz nessa destruição. … Espero que este incêndio não se torne apenas uma fonte de lamentação, mas na verdade um fusível para proteger os tesouros que ainda permanecem nesses arquivos. ”

De acordo com Deborah Potros, pesquisadora do audiovisual e conservacionista que é presidente da Associação Brasileira de Preservação do Audiovisual, a única saída é o governo implementar seu plano de ação emergencial para permitir que os funcionários avaliem os danos. “No Brasil, parece que as tragédias devem acontecer para tomar medidas urgentes”, disse ela. “Essa situação representa o descaso do atual governo com a cultura brasileira.”

Hoje, ex-trabalhadores do cinema brasileiro divulgaram uma carta aberta abordando o incêndio. Ele foi totalmente reimpresso abaixo.

Depoimento de trabalhadores da Cinemateca Brasileira a respeito do incêndio no sítio Vila Leopoldina

O incêndio que atingiu o prédio da Cinemateca Brasileira em Villa Leopoldina na noite de 29 de julho foi um crime previsto, culminando na perda irreparável de um número incontável de obras e documentos relativos à história do cinema brasileiro. Essas instalações são básicas e complementares em relação ao espaço da Vila Clementino onde está armazenada a maior parte do acervo da Cinemateca Brasileira. Recentemente, em fevereiro de 2020, a enchente já afetou grande parte do acervo documental e audiovisual ali armazenado.

Há mais de um ano, emitimos uma advertência pública contra a possibilidade de incêndio no prédio da Cinemateca por falta de documentação, preservação ou editora. Houve um alerta sobre um possível acidente na coleta de nitrato na Villa Clementino, filme de nitrato é uma substância altamente inflamável e pode queimar espontaneamente sem verificação periódica. Não foi o que aconteceu neste caso, o quinto incêndio na história da empresa. No entanto, as razões são as mesmas. Certamente, muitas perdas poderiam ter sido evitadas se os trabalhadores estivessem empregados e envolvidos nas operações do dia-a-dia da empresa.

No dia 8 de agosto, fará um ano que o governo federal abandonou a Cinemateca Brasileira e todos os seus técnicos foram demitidos, mesmo sem receberem salários e pacotes rescisórios pela ex-diretora Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (ACERP). No entanto, há relatos de contratação de equipes de manutenção, combate a incêndio e higiene. Embora essenciais para um arquivo cinematográfico eficaz, não são suficientes para demandas específicas, como se comprovou neste dia fatídico.

A situação se agrava ainda mais quando começamos a pensar nas consequências irreversíveis que o material do filme sofreu e no estado de sua preservação no ano e muda sem a atenção de uma equipe técnica especializada. Igualmente irrecuperável pela destruição de impressões por fogo direto, agora a vida útil reduzida de vários materiais, especialmente a deterioração séria dos estoques de filmes de nitrato e acetato. Somente com o retorno da equipe especializada será possível avaliar a extensão das perdas e danos e, então, tentar retomar e iniciar novas atividades de conservação.

O grupo armazenado na Vila Leopoldina, embora em número reduzido, tinha igual relevância e importância ao da Vila Clementino. Abaixo estão alguns dos itens que podem ter sido perdidos ou afetados no incêndio de 29 de julho de 2021:

Do acervo documental: grande parte dos arquivos das extintas instituições de moda e cinema Embrafilme – Empresa Brasileira de Filmes SA (1969-1990), parte dos arquivos do Instituto Nacional de Cinema – INC (1966-1975) e Concine – Conselho Nacional de Cinema (1976-1990)), bem como um número adicional de documentos de arquivo ainda em avaliação. Para evitar que novas enchentes entrassem no acervo, parte desse material foi transferido do primeiro andar para os galpões climáticos do segundo andar, principal área afetada pelo incêndio. A ação ocorreu após uma forte enchente em fevereiro de 2020. Parte do acervo documental veio do Arquivo Tempo Glauber, no Rio de Janeiro, incluindo duplicatas da Biblioteca Glauber Rocha e documentos da mesma instituição.

Do Acervo Audiovisual: Parte do acervo da distribuidora Pandora Filmes, contendo cópias em 35mm de filmes brasileiros e estrangeiros. Matrizes e transcrições de gravações individuais de notícias, trailers, anúncios, documentários, longas-metragens, filmes locais, todos provavelmente as únicas cópias restantes de seus títulos. Essa parte do grupo já havia sido parcialmente afetada pela enchente recente. Parte do Acervo ECA / USP – Escola de Comunicação e Artes da Aluna da Universidade de São Paulo – produzida em 16mm e 35mm. Faz parte do acervo de vídeos do jornalista Goulart de Andrade.

Do acervo de equipamentos e móveis cinematográficos, fotográficos, de laboratório: além do valor museológico, muitos deles foram essenciais para consertar equipamentos de uso corrente devido à exibição ou mesmo cópia de filme ou material de vídeo e maquinários obsoletos sem reposição em a necessidade do mercado.

O incêndio da noite passada é outro motivo pelo qual mal podemos esperar para acabar com a política da terra arrasada e apagar a memória nacional! Estamos de luto pela perda de mais de meio milhão de brasileiros e agora pela perda de uma parte de nossa história. Assistimos a incêndios devastadores na Cinemateca Brasileira em 2016, no Museu Nacional em 2018 e novamente na Cinemateca em 2021. Além de todas as mortes epidêmicas evitáveis, nossa história tem sido constantemente erradicada. Infelizmente, perdemos outra parte do patrimônio histórico e cultural do Brasil.

A Cinemateca Brasileira não pode ficar à mercê de um desastre evitável. A terceirização anterior da gestão empresarial por meio de uma organização cultural privada (neste caso, a ACERP) demonstrou a fragilidade dessa relação e que tal modelo não leva em consideração a complexidade de um membro cultural desse porte. A vazia declaração pública do governo federal, que se dá sem espaço para debate, transparência e participação da população e dos trabalhadores da cultura em geral e, sobretudo, do grupo de ex-trabalhadores do estabelecimento, não vai oferecer solução. Queremos também deixar claro que o orçamento indicado no referido comunicado é um montante muito inferior ao necessário. A Cinemateca precisa de estabilidade e garantia de equipe técnica de longo prazo, além de um orçamento compatível com os serviços necessários à preservação e divulgação do patrimônio audiovisual brasileiro.

Sem os arquivos dos trabalhadores não podem ser salvos!
Trabalhadores da Cinemateca Brasileira
São Paulo, 30 de julho de 2021.

Participação: Mantenha-se atualizado com as últimas notícias de filmes e TV! Inscreva-se em nossos boletins informativos por e-mail aqui.

READ  Como a cineasta de "Nomadland" Chloe Chow fez um conto de fadas parecer autêntico - apoiando os jogadores

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *