O escândalo de Americana não afetaria muito os bancos brasileiros mesmo em um “cenário extremo” – cenbank

BRASÍLIA (Reuters) – O Banco Central do Brasil disse nesta quinta-feira que o impacto potencial sobre os bancos de um escândalo contábil envolvendo a varejista Americana SA seria “mínimo” mesmo em um cenário extremo.

A afirmação consta da ata da reunião do Comitê de Estabilidade Financeira da semana passada, que decidiu manter uma política macroprudencial neutra por não haver um aumento significativo dos riscos financeiros.

A Americanas (AMER3.SA) entrou com pedido de falência em janeiro, depois que foram reveladas “discrepâncias contábeis” no valor de 20 bilhões de riais (US$ 3,84 bilhões), levando os bancos a aumentar suas provisões na última divulgação de resultados.

O banco central observou que os julgamentos decorrem de um “certo evento envolvendo uma grande empresa” e já absorveram a maior parte da incorporação do risco.

“O banco central estimou o potencial impacto residual, bem como o cenário de contágio, em toda a cadeia produtiva e de abastecimento que depende da empresa de forma relevante”, afirmou.

“Neste cenário extremo, o impacto no sistema financeiro único seria mínimo e não haveria calote de capital em nenhuma instituição financeira”, acrescentou.

Ultimas atualizações

Ver mais 2 histórias

O BC afirmou ainda que “acontecimentos pontuais em grandes empresas” levaram à deterioração dos preços dos ativos no mercado de títulos privados, com aumento da volatilidade, spreads e aversão ao risco, além de afetar algumas linhas no mercado de crédito .

Ela acrescentou que seu comitê continuará monitorando os desenvolvimentos e está pronto para agir em caso de disfunção.

Além da Lojas Americanas, a empresa de energia Light (LIGT3.SA) revelou no início deste ano ter contratado uma empresa conhecida por trabalhar em recuperação judicial, o que levantou preocupações a respeito, o que a empresa posteriormente desmentiu.

READ  Guedes diz que Brasil busca apoio internacional para presidência do Banco Islâmico de Desenvolvimento

Ambos os incidentes resultaram na fuga de fundos de fundos fiduciários. Isso aconteceu logo após a entrada em vigor, em janeiro, de uma nova lei do órgão fiscalizador do setor de valores mobiliários do Brasil, CFM, que aplicava o marketing de mercado em investimentos de renda fixa, o que ajudou a piorar o quadro.

(Reportagem de Marcella Ayres). Edição por Chizu Nomiyama

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *