O desmatamento da Amazônia está no menor nível em seis anos no Brasil, depois de cair 66% em julho

Mauro Pimentel/AFP/Getty Images

Floresta Amazônica no estado do Amazonas, Brasil, em 10 de junho de 2022. Os níveis de desmatamento caíram drasticamente em junho.



CNN

Eliminação de Florestas Na região amazônica brasileira Caiu 66% no mês passado em relação a julho de 2022 e agora está no menor ritmo em seis anos, de acordo com dados preliminares divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) do Brasil na quinta-feira.

Quase 500 quilómetros quadrados (193 milhas quadradas) de floresta tropical foram desmatados em Julho, uma diminuição significativa em relação aos 1.487 quilómetros quadrados (574 milhas quadradas) desmatados em Julho passado.

O desmatamento diminuiu acentuadamente desde a posse de Luiz Inácio Lula da Silva como presidente, em janeiro. Lula prometeu acabar com o desmatamento, que aumentou rapidamente sob seu antecessor, Jair Bolsonaro.

A ministra do Meio Ambiente do Brasil, Marina Silva, disse que as políticas governamentais, incluindo o aumento do monitoramento e multas aos autores de crimes, desempenharam um papel importante na redução das taxas de desmatamento.

“É o fim das expectativas de impunidade”, disse Silva aos jornalistas numa conferência de imprensa de anúncio dos resultados. “Quando você vê o aumento nas operações… cria-se um ciclo virtuoso de não esperar mais impunidade.”

Nelson Almedia/AFP/Getty Images

Uma serraria em Moraes Almeida, no estado do Pará, Brasil, em 13 de setembro de 2019.

Os dados preliminares estão programados para serem confirmados nos próximos dias e ocorrem no momento em que os países que contêm partes da Amazônia se preparam para se reunir nos dias 8 e 9 de agosto na cidade brasileira de Belém, para uma cúpula que visa aumentar a proteção da floresta tropical.

READ  O curta-metragem Battlefield 2042 Exodus dará início à história do jogo

A diminuição da taxa de desmatamento é uma notícia positiva num momento em que a Amazônia continua criticamente ameaçada.

Michaela Weiss, diretora do Global Forest Watch do World Resources Institute, disse que os dados são “incrivelmente importantes e promissores”.

“Acho que o facto de ainda estarmos a ver estas quedas massivas em comparação com o ano passado e os anos anteriores em julho é muito importante”, disse ela à CNN. “Lula e seu governo levam a questão do desmatamento mais a sério do que seu antecessor.”

Alguns cientistas alertaram que as florestas tropicais também podem ser Está se aproximando de um ponto de viragem crítico Você pode vê-lo se transformando em uma savana gramada. Isto terá enormes implicações para a biodiversidade, bem como para a crise climática, uma vez que a Amazónia armazena enormes quantidades de carbono e tem um grande impacto nos padrões climáticos globais.

“A floresta amazônica realmente atua como uma espécie de motor de precipitação e precipitação em toda a região. Portanto, acho que esperaríamos ver impactos muito significativos na produção agrícola, por exemplo, em outras partes do Brasil e em toda a América do Sul”, disse Weiss. .

Se a Amazônia não fosse protegida seria mais difícil também Limitar o aquecimento global a 1,5°C “Mais alto do que os níveis pré-industriais”, disse Weiss. Ultrapassar este limiar corre o risco de grandes pontos de ruptura, incluindo a morte de recifes de coral e o derretimento das camadas de gelo polares.

Weiss disse que são necessários esforços sustentados para reduzir ainda mais as taxas de desmatamento. “Você não pode simplesmente baixar os preços e esperar que continuem assim.”

O que está a acontecer na Amazónia brasileira oferece alguma esperança de que as taxas de destruição da floresta tropical possam começar a diminuir globalmente. Em 2022, a área global de floresta tropical Tamanho da Suíça As florestas foram perdidas, com a destruição florestal a aumentar 10% em comparação com o ano anterior, de acordo com um relatório recente da Global Forest Watch.

READ  TruePay ganha US$ 32 milhões em uma das maiores turnês da Série A de todos os tempos no Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *