O CDPQ canadense está buscando mais investimentos em infraestrutura para a América Latina e o Caribe

O CDPQ canadense está buscando mais investimentos em infraestrutura para a América Latina e o Caribe

O Fundo de Pensão Canadense CDPQ (Caisse de dépôt et placement du Québec) está procurando expandir seu portfólio de investimentos em infraestrutura na América Latina, disseram executivos à BNamericas.

Embora mais de dois terços dos ativos do gestor do fundo sejam investidos internacionalmente, a unidade de mercado em desenvolvimento que inclui a América Latina representa atualmente apenas 13,6% da exposição geográfica.

Já os Estados Unidos, Canadá e Europa representam 35,2%, 32,3% e 14,2%, respectivamente, dos ativos investidos.

A maior parte dos investimentos da CDPQ são nos setores de energia (especialmente renováveis), portos e serviços públicos.

“Acho que há espaço para diversificar nosso portfólio e aumentar nossa presença em diferentes áreas da América Latina. Esse é um dos objetivos da empresa”, disse Dennis Gangerman (na foto), diretor-gerente da CDPQ para a América Latina, à BNamericas.

Fonte da imagem: CDPQ

Um dos setores que está sendo atendido é o de telecomunicações.

Em sua primeira grande incursão na infraestrutura de telecomunicações da América Latina, a CDPQ assinou um acordo este mês para adquirir metade das operações de fibra óptica da Telefônica Brasil. O fundo está investindo até 1,8 bilhão de riais (US $ 327 milhões) na Telefónica JV, chamada FiBrasil.

Os aportes de capital projetados do CDPQ e a alavancagem projetada que a FiBrasil vai levantar fornecem um plano de negócios totalmente financiado para atingir as metas de implantação da empresa, diz ela.

“Espero que este negócio seja fechado nas próximas 8-12 semanas, após as devidas aprovações por [Brazil’s antitrust body] Criança e por [telecom regulator] Anatel ”, disse Eduardo Ferhat, vice-presidente da CDPQ para a América Latina, à BNamericas.

READ  Nice: o Brasil rendeu menos de US $ 450 da Flórida em outubro

Após a conclusão da transação, a Telefónica e a CDPQ deterão 50% da FiBrasil JV sob um modelo de gestão de controle conjunto. A participação de 50% da Telefónica será detida pela Telefônica Brasil e Telefónica Infra, braço de infraestrutura do grupo espanhol Telefónica, cada uma com 25%.

Operando como uma empresa de atacado neutra, a FiBrasil implantará e operará redes de fibra em cidades selecionadas de médio porte no Brasil fora do estado de São Paulo, e fornecerá acesso de atacado de fibra para casa para provedores de serviços de telecomunicações, permitindo-lhes oferecer esses serviços a seus clientes finais .

Começando com um portfólio de 1,6 milhão de residências de fibra ótica (HPs) contribuídas pela Telefônica Brasil, a FiBrasil pretende expandir sua rede para cerca de 5,5 milhões de cavalos de potência em quatro anos.

Entre as motivações que levaram a CDPQ a assumir o projeto, Ferhat citou o modelo de negócios da Telefónica e as necessidades de conectividade do mercado brasileiro.

Parcerias semelhantes com outras subsidiárias da Telefónica não estão excluídas no futuro, embora os executivos não esperem conversas sobre o assunto.

A Telefônica Brasil A Oi e os concorrentes da TIM também buscam investidores para criar redes de atacado imparciais em todo o país.

Ao mesmo tempo em que reconhece eventuais intrusões fora de São Paulo, Ferhat vê espaço para projetos simultâneos, citando o tamanho continental do Brasil e oportunidades com operadoras menores, como as redes de transmissão de fibra de capital intensivo de Provedores de Serviços de Internet (ISPs).

“Imagino até um cenário em que, dependendo da região, TIM e Oi pudessem contar com a rede de fibra óptica da FiBrasil. O contrário é verdadeiro para a Telefónica Brasil”, disse Ferhat.

READ  Brasil arrecada US $ 600 milhões em mega leilão de franquia de aeroporto

Questionados se o CDPQ está considerando projetos da Oi e da TIM, Farhat e Jungerman não quiseram comentar.

Telecomunicações e mais

Ainda na área de telecomunicações, em 2019 a CDPQ adquiriu 30% de sua principal operadora Os colecionáveis ​​da ponte verticalÉ a maior proprietária e operadora privada de infraestrutura de telecomunicações dos Estados Unidos.

A Vertical Bridge é controlada pelo fundo norte-americano Digital Colony, que também investe no mercado de infraestrutura de telecomunicações da América Latina, em busca de oportunidades de data centers a fibras e torres. Na última mudança, a subsidiária da Digital Colony, Highline Brazil, adquiriu 637 torres móveis e 222 pontos de infraestrutura passiva da Oi por OMR 1,06 bilhão.

Marcus Peugeot, parceiro operacional da Digital Colony na América Latina, disse à BNamericas no mês passado que a empresa tem cerca de US $ 30 bilhões reservados para investimentos em fibras, torres e centros de dados. Também detalhou os investimentos do grupo na América Latina.

Farhat e Jungerman veem as sinergias definitivas entre os fundos, citando sua abordagem “colaborativa” e sugerindo as oportunidades com a Digital Colony em comunicações e infraestrutura digital na América Latina.

Os executivos também afirmam que a CDPQ busca constantemente outras oportunidades além da fibra, como torres, data centers e cabos submarinos, na América Latina.

Ao contrário da Digital Colony, porém, os executivos da CDPQ não revelaram quão profundos são os bolsos da empresa na América Latina.

Além do Brasil, a CDPQ possui investimentos no mercado latino-americano de infraestrutura de telecomunicações no México.

Entre outros setores, a empresa em 2019, em parceria com a Engie, comprou 90% (31,5% para a CDPQ) da transportadora brasileira de gás natural Transportadora Associada de Gás (TAG).

READ  Indústria de suínos no Brasil bateu recordes em 2020

A CDPQ também detém 19,9% da Transportadora Brasileira Gasoduto Bolivia-Brasil (TBG).

Na América Latina, o fundo de pensão, por meio da DP World, detém uma participação de 45% em vários portos, incluindo dois no Chile e um na República Dominicana.

No México, a CDPQ em 2019 investiu US $ 500 milhões na empresa farmacêutica independente Sanfer para apoiar seu crescimento estratégico na América Latina.

meu conhecimento

O CDPQ foi criado por lei aprovada em 1965 por Quebec, com a função inicial de administrar fundos para o recém-criado plano universal de aposentadoria, o Quebec Pension Plan.

Os primeiros investimentos fora do Canadá começaram em 1975 e o CDPQ Infra foi estabelecido em 2015, com foco na concepção, financiamento, desenvolvimento e operação de projetos de infraestrutura.

A empresa possui escritórios em 10 países, incluindo São Paulo e Cidade do México.

Os ativos líquidos globais em dezembro de 2020 alcançaram US $ 366 bilhões em mais de 65 países, um aumento de US $ 118 bilhões em relação a cinco anos atrás.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *