O brasileiro constrói uma enorme biblioteca de manuscritos

“Eu deveria estar de paletó”, ri o historiador de arte de 64 anos enquanto visita sua casa no Rio de Janeiro, lar do que ele diz ser a maior coleção particular de manuscritos do mundo.

“É um vírus, uma doença… Minha esposa diz que os vendedores de manuscritos são comerciais”, diz ele, mostrando a um visitante a casa no bairro nobre de Javea para onde se mudou recentemente, junto com mais de 100.000 itens. Ele passou a vida acumulando.

“Aqui você está com um homem excêntrico, em uma casa meio estranha e com uma bagunça incrível. Ele é fruto de uma paixão que dura mais de 50 anos”, acrescenta Correa do Lago, um homem grande e barbudo, que fala um francês impecável.

A extensa coleção de Correa do Lago inclui documentos escritos por Newton, Mozart, Darwin, Picasso e Einstein. Mas ele diz que seu “ídolo absoluto” é o romancista francês do início do século 20, Marcel Proust.

A enorme biblioteca tem 11 metros (36 pés) de altura, com uma escada interna e desumidificadores para proteger seu conteúdo.

Seu proprietário diz: Foi construído sobre uma “estranha ambição”: “Reflete a cultura ocidental dos últimos cinco séculos”.

$ 200

Filho de um diplomata, Correa de Lago começou a fazer fortuna aos 12 ou 13 anos, disse.

Sua primeira carta foi comprada por Proust aos vinte anos, quando morava em Nova York.

Ele lembra que tinha $ 500 para viver este mês. Ele pagou $ 200 pela carta que encontrou em uma loja.

“Foi uma carta muito importante escrita para a editora francesa Grasset”, diz ele, numa época em que Proust procurava uma editora.

READ  Preparação real para os filmes indicados ao Oscar

Hoje, Correa do Lago tem pelo menos 90 cartas escritas por Proust, que era conhecido por sua volumosa correspondência – cerca de 80% das quais foram perdidas.

Correa do Lago tornou-se representante da casa de leilões Sotheby’s em São Paulo por 26 anos, chefiou a Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro e fundou a editora de arte Capivara com sua esposa Pia, filha do falecido escritor brasileiro Rubem Fonseca.

Ao longo do caminho, ele escreveu cerca de 20 livros de sua autoria.

Enquanto isso, seu grupo crescia e crescia.

Em 2018, a Morgan Library em Nova York dedicou uma exposição ao seu acervo, exibindo 140 de seus documentos, incluindo um desenho de Michelangelo, uma carta de Gustave Flaubert a Victor Hugo, outra carta de Mozart ao pai, manuscritos de Einstein, Newton e Darwin, e um manuscrito do segundo século dez.

O show também incluiu um rascunho da primeira frase da obra-prima de Proust, “Em Busca do Tempo Perdido” – antes de se decidir pelo famoso, “Por muito tempo, fui dormir cedo…”

“É a primeira vez que mostram uma coleção particular de manuscritos”, orgulha-se Correa do Lago.

“carro de luxo”

No ano passado, por ocasião do centenário da morte de Proust, Correa du Lago emprestou várias peças à Biblioteca Nacional da França.

Ele também “fez muitos amigos entre os amantes de Proust” ao publicar em outubro um livro baseado em sua coleção, apresentando 450 documentos e fotografias inéditos.

“Fiquei um pouco nervoso – o brasileiro era meio desconhecido para escrever um livro sobre Proust”, diz.

Correa do Lago vagueou pela terra seguindo a sua paixão e participando em leilões.

READ  Festival de Cinema de Cannes 2021: lista dos vencedores

“Eu sempre tenho algo para fazer, onde quer que eu esteja no mundo”, diz ele.

Ele continua jogando a cautela financeira ao vento em nome de sua paixão.

Comprar sua maior motivação? Manuscrito do conto do escritor argentino Jorge Luis Borges “A Biblioteca de Babel”.

“Custou-me o preço de um carro de luxo. Paguei em quatro anos.”

“Não tenho riqueza pessoal nem nada. Apenas coloco tudo o que ganhei na minha vida em minha coleção.”

Ele não se arrepende.

“Eu provavelmente poderia ter gastado esse dinheiro com minha família. Mas eles nunca reclamaram.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *