No Brasil, uma cidade arruinada vive à beira do abismo

Batista é da cidade de Boriticopo, no nordeste do Brasil, onde os habitantes vivem um pesadelo: o chão abaixo deles está literalmente se abrindo em crateras colossais, engolindo ruas, casas e até matando pessoas.

“Foi muito bom aqui”, disse Batista, uma costureira de 54 anos.

“Mas agora é assim – está tudo destruído”, disse ela à AFP, apontando para o vale que agora marca a borda de seu quintal, que está vazio, exceto por algum lixo no fundo.

Especialistas dizem que o fenômeno raro é causado pelo desmatamento e falta de planejamento urbano na cidade de 70.000 habitantes no empobrecido estado do Maranhão.

Buriticupu, localizada na orla da floresta amazônica, expandiu-se rapidamente na década de 1970 como sede de um programa habitacional para trabalhadores rurais.

Os cientistas disseram que o desmatamento desenfreado destruiu as árvores da área e, com isso, a capacidade do solo de absorver a água da chuva.

Isso, junto com a falta de sistemas de drenagem adequados, causou corrosão que parece algo saído de um filme de terror.

Os moradores chamam as crateras gigantes de “vocorocas”, que significa “terra rasgada” na língua indígena tupi-guarani.

cavando um buraco

Começa como pequenas rachaduras no solo, mas tende a se alargar com chuva forte e se transformar em buracos abertos.

Visto do céu, parece grandes cânions vermelho-alaranjados envolvendo partes da cidade à medida que avança.

O escritório do xerife diz que sete pessoas morreram caindo nas crateras desde que começaram a se formar, há duas décadas.

Ele diz que cerca de 50 casas desabaram e mais de 300 outras estão em risco.

READ  Fabricantes de arcos temem morte enquanto o Brasil busca banir o comércio de madeira rara

E a cidade declarou estado de emergência no mês passado, buscando recursos dos governos estadual e federal para projetos de infraestrutura para combater a erosão.

Ao todo, são 26 crateras na cidade, sendo que a mais profunda chega a 70 metros (230 pés), segundo as autoridades.

As noites chuvosas tornaram-se fonte de terror para Batista.

“Não consigo dormir quando está chovendo. Fico acordada a noite toda”, disse ela.

“Tenho medo de adormecer e morrer se houver um colapso.”

é hora disso

A erosão está acontecendo em todas as cidades, disse Augusto Carvalho Campos, geógrafo da Universidade Federal do Maranhão.

Mas ele disse que o problema em Boritikopo é “muito maior” devido ao “rápido crescimento urbano sem o planejamento necessário, falta de infraestrutura de saneamento e esgoto e desmatamento”.

Ele disse que o desmatamento aumentou na região nas últimas décadas, impulsionado pela indústria madeireira, e teve um efeito devastador no solo.

O problema foi agravado pelo fato de que muitos dos “vocorocas” são na verdade bueiros ou esgotos, causando ainda mais erosão.

“A cidade precisa de grandes obras de engenharia para conter o processo erosivo, além de reflorestamento na periferia de Fukurokas”, disse Carvalho Campos.

Mas, disse ele, “antes de tudo”, a cidade deveria reassentar as famílias que moram perto das minas.

O prefeito João Carlos Teixeira promete grandes projetos de drenagem e tratamento do solo.

“O governo federal deixou claro que está empenhado em tornar esta área segura”, disse ele.

Mas os moradores estão desconfiados.

“As autoridades nunca se preocuparam em fazer nada sobre o problema, e agora chegou a isso”, disse Isaías Neres, presidente da associação de moradores local.

READ  ABCC assina acordo com ApexBrasil para aumentar exportações halal

“como um trovão”

À beira de um penhasco de 60 metros, Maria dos Santos diz ter medo de ficar dentro de casa.

“Nunca houve uma cratera aqui antes. Começou há menos de três anos”, disse Dos Santos, 45, enquanto estava em um pedaço de estrada rachada que desabou parcialmente no vale.

Não há barreira protetora ao redor da cratera, que é uma das maiores da cidade, embora as crianças brinquem frequentemente nas proximidades.

A diminuta casa de Dos Santos, com paredes de barro, está entre as que correm o risco de despencar no abismo.

Ela disse que as tempestades também a deixam em pânico.

“Temos medo da morte aqui… Quando acontecem deslizamentos de terra, é como um trovão”, disse ela.

Mas ela e sua família não têm outro lugar para ir, ela disse.

“Estamos nas mãos de Deus.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *