Neymar segue para a Arábia Saudita; O que dizem os especialistas em marketing esportivo do Brasil

São Paulo, Brasil – A maior estrela que o futebol brasileiro apresentou ao mundo nos últimos anos deixou os campos da Europa para mostrar seus talentos na Arábia Saudita. Aos 31 anos, atraiu um grande número de pessoas 320 milhões de euros ($ 348 milhões de dólares), contrato de dois anos, Neymar trocou o Paris Saint-Germain pelo Al-Hilal, parte da Liga Profissional Saudita.

Na Europa, Neymar passou quatro temporadas no Barcelona e seis no Paris Saint-Germain. Na Espanha, o atacante conquistou títulos importantes como a Liga dos Campeões, o Mundial de Clubes e diversos troféus da La Liga.

Em 2017, o Paris Saint-Germain bombardeou 222 milhões de euros (241 milhões de dólares) para incluir a estrela do Barcelona. A seleção francesa queria que Neymar liderasse a busca do clube pela conquista de um grande torneio europeu, mas o sonho nunca se concretizou. Nos seis anos em que vestiu a camisa 10 do Paris Saint-Germain, o brasileiro passou por períodos de altos e baixos, sofreu lesões, teve uma relação de amor e ódio com a torcida do time e só conquistou troféus dentro da França.

No entanto, o Al Hilal decidiu abrir seus cofres para pagar pela habilidade do astro do futebol brasileiro (e provavelmente pela popularidade internacional). O clube saudita, administrado pelo Fundo Árabe de Investimentos, pagou 90 milhões de euros ($ 98 milhões de dólares) para o Paris Saint-Germain pelo jogador. Além de Neymar, o clube saudita dois Outros jogadores brasileiros na equipe são os atacantes Malcom e Michael.

No dia 15 de agosto, Neymar assinou contrato com seu novo clube em um hotel parisiense Arame Sobre o novo desafio em sua carreira.

READ  Google homenageia Claudio Cano, mesatenista brasileiro, por suas contribuições ao esporte

“Consegui muito na Europa e desfrutei de alguns momentos especiais, mas sempre quis ser um player global e testar-me com novos desafios e oportunidades em novos lugares”, disse ele.

Neymar ao lado do Presidente do Conselho de Administração do Al Hilal, Fahd bin Saad bin Nafel (cortesia do Al Hilal)

A aquisição de uma grande estrela internacional como Neymar pelo Al Hilal não é a primeira desse tipo na Liga Profissional Saudita. O Al-Nasr utilizou anteriormente o atacante português Cristiano Ronaldo, no primeiro acordo de compra repleto de estrelas da liga. O francês Karim Benzema trocou o Real Madrid pelo Al-Ittihad, onde joga ao lado do compatriota Kante.

Ivan Rizzo, especialista em estratégia e marketing esportivo do Instituto de Gestão, da escola de administração da Universidade de São Paulo, acredita que esses investimentos estão alinhados a um projeto para o país.

Especialista em estratégia e marketing esportivo Evan Rizzo

“O eixo económico do mundo está a mudar e o futebol está a revelar-se uma forma muito eficaz de provar a sua importância”, disse Rizzo. Relatórios do Brasil. “Há um consenso de que passaremos das atuais fontes de energia para outras fontes que não sejam derivadas do petróleo, a principal fonte de riqueza em todo o Médio Oriente.”

Segundo o professor de marketing esportivo Jefferson José do Vale, o Reino da Arábia Saudita está investindo na contratação dos maiores craques do futebol mundial na tentativa de desenvolver o esporte e elevar o nível de seus torneios, como fizeram outros países.

Professor Jefferson José de Vale

“É um negócio desportivo natural num mercado novo e emergente, tal como aconteceu na China, várias vezes nos Estados Unidos e novamente agora. No mercado do futebol, como indústria, é preciso ter estrelas que sejam os impulsionadores forças por trás da liga”, disse Du Vale. E os clubes geram receita e valor.” Relatórios do Brasil.

O professor Du Vale explica que a mudança de Neymar da França para a Arábia Saudita representará um novo desafio em sua carreira e poderá ajudá-lo a encontrar uma nova motivação.

READ  Dinamarca e Inglaterra Cruz em vitórias nas eliminatórias da Copa do Mundo

“Acho que é uma excelente oportunidade para se recuperar da lesão, se preparar para a próxima Copa do Mundo e um momento único para se posicionar como profissional, com o respeito, a motivação e a satisfação que não tem mais no Paris Saint-Germain e na França.”

Rizzo destaca que a realidade do futebol na Arábia Saudita e na Ásia é completamente diferente daquela que estamos acostumados a ver na Europa.

Ele acrescentou: O que sabemos aqui no Ocidente sobre a Liga dos Campeões da AFC? Quais são os gargalos logísticos das competições? Qual é o nível de arbitragem em todos os países da liga? Como você combina a preparação para jogar em regiões e climas tão diversos como Uzbequistão, Malásia ou Japão? Perguntado.

A expectativa é que Neymar permaneça na Arábia Saudita pelos próximos dois anos. E os especialistas que entrevistei Relatórios do BrasilEle diz que ainda há uma chance de retornar ao principal palco do futebol mundial na Europa quando seu contrato no Oriente Médio expirar.

“Cristiano Ronaldo jogou na Europa até os 36 anos, e Messi também até os 36. Neymar fará 33 anos em 2025. Acho que ele poderá jogar mais dois anos na Europa”, diz De Vale.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *