Ministério brasileiro mantém escolhas do conselho de administração da Petrobras apesar da recusa do comitê

Uma foto do logotipo da petroleira brasileira Petrobras é vista em sua sede no Rio de Janeiro, Brasil, em 16 de outubro de 2019. REUTERS/Sergio Moraes

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

São Paulo (Reuters) – O Ministério de Minas e Energia do Brasil disse nesta quarta-feira que não substituirá dois candidatos ao conselho de administração da Petrobras (PETR4.SA), apesar de terem sido rejeitados pelo comitê de elegibilidade da empresa.

Na semana passada, o comitê, conhecido como Celeg, disse em um relatório não vinculativo que duas das sete escolhas do governo para o conselho de administração da Petrobras não preenchiam os requisitos para o cargo.

O governo decidiu reformar o conselho de administração da petrolífera estatal, já que a popularidade do presidente Jair Bolsonaro foi atingida pelo aumento da inflação, atingida pelo aumento dos preços dos combustíveis, poucos meses antes de sua candidatura à reeleição.

A comissão apurou que ambos os candidatos teriam um conflito de interesses no conselho devido à presença de cargos de alto escalão no governo Bolsonaro.

O ministério disse em comunicado que não viu nenhuma evidência das supostas objeções levantadas pelo comitê porque “faltava a base legal necessária”.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Relatórios de Peter Frontini). Edição por Christian Plumb e Leslie Adler

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

READ  Atualização 2 - Banco central do Chile eleva taxa básica de juros para 0,75%

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.