Mercado de câmbio do Brasil em clima sombrio com a propagação da pandemia, pressão sobre o governo aumenta: Reuters Poll

Uma pesquisa da Reuters mostra que o real brasileiro começa o segundo trimestre do ano com um humor sombrio, à medida que a pandemia do coronavírus continua a causar estragos na maior economia da América Latina e à medida que aumenta a pressão sobre o governo.

Imagem de arquivo: Cédulas de reais e dólares americanos são retratadas em uma casa de câmbio no Rio de Janeiro, Brasil, nesta ilustração em 10 de setembro de 2015. Foto: Ricardo Moraes – Reuters

A moeda brasileira perdeu cerca de 10% nos primeiros três meses do ano, com uma breve revisão de seu recorde de baixa de 5,88 por dólar estabelecido no ano passado. Este sinal pode ser facilmente hackeado em breve.

Milhares de brasileiros morrem todos os dias da COVID-19, as lutas econômicas e a oposição ao presidente Jair Bolsonaro cresceu. Ele foi atacado por todos os lados e respondeu nomeando pessoas leais para posições-chave.

“Os riscos domésticos estão do lado negativo do BRL: o ressurgimento do COVID-19, o potencial para mais pressões financeiras se a pandemia piorar e continuar por mais tempo e a incerteza política”, disse Juan Prada, estrategista de câmbio do Barclays.

O rial é visto em 5,31 em relação ao dólar americano em 12 meses, de acordo com 27 analistas ouvidos em 26-30 de março. A estimativa representa um ganho esperado de 8,4% em relação à quarta-feira, mas é uma queda significativa de 3,9% em relação ao levantamento do mês passado, pressagiando ainda mais tensão no futuro.

Dos 11 participantes que responderam a uma pergunta separada sobre a trajetória da moeda ao longo do próximo ano, a maioria de 6 deles disse que a tendência era de uma realidade mais fraca, quatro a viram de forma mais forte e um foi neutro.

READ  Brasil teve superávit comercial de 9,3 bilhões de dólares no Ministério da Economia em maio

A unidade deve permanecer fraca mesmo após a forte alta nas taxas de juros no mês passado, que deu início ao ciclo de aperto monetário. O chefe do banco central do país disse mais tarde que a remodelação geral pode não ser tão forte.

Além da perda massiva de vidas pela crise de saúde e seu impacto na governança, os economistas estão preocupados que a campanha de Bolsonaro para apertar as restrições fiscais possa vacilar em meio às crescentes demandas sociais antes das eleições do próximo ano.

O Tesouro do Brasil alertou que o orçamento aprovado pelo Congresso para 2021 ameaça um dos principais pilares da estabilidade financeira do governo e pediu um aumento nas estimativas de gastos obrigatórios para um nível mais “realista”.

No México, o peso deve subir 1% em um ano, para 20,32 em relação ao dólar americano. No entanto, a perspectiva de 12 meses para a moeda piorou significativamente em relação à pesquisa de março, já que os investidores permaneceram nervosos.

Assim como o Brasil, o país está passando por uma nova onda grave de casos de coronavírus. O número de mortos deve ser pelo menos 60% maior do que o número confirmado, colocando-o acima de 300.000, de acordo com dados do governo.

(Mais notícias de uma pesquisa cambial da Reuters de fevereiro :))

Reportagem e levantamento de Gabriel Burin em Buenos Aires; Pesquisa adicional de Mangol Ball e Momal Rathore em Bengaluru; Editado por Bernadette Baum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *