Mercado Bitcoin, a primeira bolsa de criptografia do Brasil, arrecadou US $ 200 milhões da SoftBank – TechCrunch

Mercado de bitcoin, uma bolsa de ativos digitais da América Latina, levantou US $ 200 milhões em financiamento da Série B do SoftBank Latin American Fund.

valores redondos 2TM. Conjunto, a controladora não operacional do Mercado Bitcoin, com US $ 2,1 bilhões, ficando entre os Os 10 melhores unicórnios da américa latina.

O financiamento chega apenas meses depois Com sede em São Paulo Rodada Mercado Bitcoin Série A (valor não divulgado) em janeiro de 2021, co-liderada por G2D / GP Investments e Parallax Ventures, com participação de HS Investimentos, Gear Ventures, Évora e Genial. JP Morgan e Dell Maker.

Créditos da imagem: Mercado de bitcoin

Isso também ocorre após um primeiro semestre impressionante para a empresa. Entre janeiro e maio de 2021, o Mercado Bitcoin diz que cerca de 700.000 novos clientes se inscreveram para usar seus serviços, elevando sua base de clientes para 2,8 milhões. Isso é mais que mais do que 70% do total do investidor individual Base na bolsa de valores brasileira, segundo a empresa. Além disso, durante os primeiros cinco meses do ano, o Mercado Bitcoin viu seu volume de negócios subir para US $ 5 bilhões, que é mais do que o volume total que viu nos primeiros sete anos combinados. é também 11 vezes o volume registrado no mesmo período em 2020.

Fundado pelos irmãos Gustavo e Mauricio Chamati em 2013, o Mercado Bitcoin foi a primeira troca de criptografia do Brasil. A empresa é lucrativa desde 2018 e, até janeiro de 2021, estava funcionando desde o início, e reinvestiu sua geração de caixa no crescimento e expansão do portfólio, de acordo com CEO e CEO do Grupo 2TM Roberto Dagnoni.

“Isso nos torna um caso um tanto único no ecossistema e entre nossos pares de fintech em geral – poucas empresas foram capazes de reconciliar mais de 100% de crescimento anual com lucros líquidos positivos”, disse ele à TechCrunch, descrevendo o Mercado Bitcoin “sua coroaewel “da coleção 2TM.

READ  Bolsonaro enfrenta reação após o cancelamento de investigação de corrupção no Brasil

A holding possui várias outras entidades, como Meubank, uma carteira multi-ativos e serviço de contas que atualmente aguarda a autorização do Banco Central do Brasil; Bitrust, um custodiante digital qualificado e Clearbook, uma plataforma de crowdfunding de ações, entre outros.

Em 2019, o Grupo 2TM se tornou a primeira empresa do mundo a tokenizar ativos de dívida pública. Então, em 2020, a empresa lançou o Futecoin, o primeiro ativo digital do mundo baseado no Mecanismo de Solidariedade da FIFA.

“Também tokenizamos ou distribuímos dívida privada, créditos de carbono e uma variedade de serviços públicos e tokens DeFi”, disse Dagnoni. Este ano, a Bitrust apresentará o primeiro serviço de preservação digital da América Latina.

“Há muito mais por vir, e a segunda rodada da Série B será um fator relevante no apoio à inovação contínua”, acrescentou Dagnoni. Embora tenha se recusado a revelar o valor da primeira rodada do Mercado Bitcoin, ele disse que isso permitiu à empresa investir cerca de US $ 40 milhões na expansão de suas operações no Brasil este ano.

Hoje, o Mercado Bitcoin tem cerca de 500 funcionários. Isso se compara a cerca de 200 de um ano atrás. Até o final do ano, a Dagnoni espera ter cerca de 700 funcionários.

Além de contratar, ele disse que o Mercado Bitcoin / 2TM também usará o novo capital para expandir sua oferta de serviços e investir em infraestrutura “para atender à crescente demanda por criptomoedas na região”. Em particular, a empresa se concentrará na aquisição de novos clientes e listas de produtos, bem como na expansão para outros países como México, Argentina, Colômbia e Chile “por meio de uma combinação de fusões e aquisições e novas operações”, de acordo com Dagnoni.

Então, o que impulsionou tanto crescimento para o Mercado Bitcoin? Dagnoni acredita que há uma série de fatores por trás disso.

“Milhões de pessoas em todo o mundo percebem que ativos digitais e criptomoedas são inovadores em suas bases tecnológicas e eficazes no armazenamento de valor, e o Brasil não foge a essa tendência”, disse ele.

Além disso, o país registrou algumas das taxas de juros mais baixas já registradas, o que, segundo ele, impulsionou o desenvolvimento da indústria de ativos alternativos.

“A Crypto está aproveitando essa tendência, que também está sendo mostrada para outras classes de ativos, como VC e private equity”, disse Dagnoni.

Por fim, ele acredita que o fato de a indústria de serviços financeiros no Brasil ser tão concentrada abriu uma oportunidade para as empresas de fintech em geral no país.

Paolo Passoni, sócio-gerente da SBLA Advisers Corp.. (que opera o SoftBank Latin America Fund) Mercado descreveu o Bitcoin como um “líder regional em criptografia” e é “Beneficiando-se de um enorme mercado local e regional que pode ser atendido. ”

Ele acrescentou: “Na SoftBank, procuramos investir em empreendedores que desafiem o status quo com modelos de negócios centrados na tecnologia ou habilitados para a tecnologia que perturbam a indústria – o Mercado Bitcoin faz exatamente isso.

A SoftBank está ativa na América Latina recentemente. No início de junho, o grupo de investimento japonês disse que iria investir “até US $ 150 milhões” no Grupo Bursátil Mexicano (GBM), uma plataforma de investimento de 35 anos no mercado de ações mexicano.

READ  Mercado de câmbio do Brasil em clima sombrio com a propagação da pandemia, pressão sobre o governo aumenta: Reuters Poll

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *