Lula lança campanha presidencial para “reconstruir o Brasil” e cancelar mandato de Bolsonaro

emitido em:

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançou sua campanha para um novo mandato no sábado, prometendo reconstruir o Brasil após o que chamou de administração “irresponsável e criminosa” do presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro.

O lançamento da campanha levou a um notável retorno político para o ícone da esquerda de 76 anos, quatro anos depois de ter sido preso por acusações controversas de corrupção. “Estamos prontos para trabalhar não apenas para vencer as eleições de 2 de outubro, mas para reconstruir e transformar o Brasil, o que será mais difícil”, disse o carismático metalúrgico que virou político em um comício em São Paulo.

“Precisamos mudar o Brasil novamente… Precisamos voltar a um lugar onde ninguém se atreva a desafiar a democracia novamente. Precisamos colocar o fascismo de volta nas correntes da história, onde deveria estar o tempo todo”, disse ele. em sua voz rouca de marca registrada. Não é nenhum segredo que Lula, que tem desfrutado de uma longa – embora encolhida – liderança nas pesquisas, saltou para uma campanha que só começará oficialmente em agosto.

Lula, que liderou o Brasil no boom econômico de 2003 a 2010, está em campanha não oficial desde março do ano passado, quando a Suprema Corte anulou condenações por corrupção que o mantinham fora da política. A conclusão do Supremo sobre o preconceito por parte do juiz principal do caso, Sergio Moro – que se tornou ministro da Justiça de Bolsonaro – levou imediatamente à eleição deste ano como um confronto polarizador entre os arqui-inimigos Lula e Bolsonaro.

retorno repentino

Lula deixou o cargo há 12 anos com um índice de aprovação de 87%, depois de presidir um período de ouro que tirou cerca de 30 milhões de brasileiros da pobreza. Mas o legado imponente de um menino outrora impulsionador desmoronou com a explosão da Operação Lava Jato, uma investigação abrangente que expôs um esquema de corrupção maciço focado na petrolífera estatal Petrobras.

READ  A comemoração do aniversário do Mercosul revela um caminho para o semicírculo

Lula foi considerado culpado de suborno e condenado a 26 anos de prisão. Ele começou sua sentença em abril de 2018, removendo-o da corrida presidencial daquele ano, que Bolsonaro venceu em uma onda de raiva contra Lula e seu Partido Trabalhista.

Lula, que descreve o caso como conspiração, foi solto aguardando recurso em novembro de 2019, mas foi banido da política até a decisão do ano passado. No Brasil profundamente dividido sobre o estilo de luta de Bolsonaro, as controvérsias nas redes sociais, o fraco desempenho da economia e o manejo caótico da Covid-19, Lula voltou aos ringues com um imediato número um.

deslizes “catastróficos”

Mas Bolsonaro, de 67 anos, diminuiu a diferença nas últimas pesquisas – e deixou claro que não deixaria o poder sem lutar. Enquanto isso, Lula cometeu uma série de gafes recentemente, alienando eleitores de vários grandes grupos com declarações políticas ensurdecedoras sobre aborto, polícia e classe média.

Ele também parece longe de estar alinhado com os líderes mundiais, aspirando a se acotovelar novamente – dizendo, por exemplo, que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky é “tão responsável” quanto seu colega russo Vladimir Putin pela guerra na Ucrânia. “Ele fez várias declarações desastrosas nas últimas semanas”, disse Silvio Costa, fundador do site de notícias Congresso am Foucault, à AFP.

“Acima de tudo, Lola deveria ir para a rua.” O veterano esquerdista disse que o faria agora, enquanto percorre o país para conhecer “o povo”. Ele vestia um terno azul-marinho elegante, a camisa aberta no colarinho, e se apegou ao texto na reunião, em vez de falar de improviso, como costuma fazer. Mas ele não tinha os painéis de concreto para sua plataforma. “Em lugar de promessas, apresento o enorme legado de nossa administração”, disse ele a uma multidão de milhares.

READ  Água é um direito humano: entendendo o impacto da extraordinária crise hídrica do Brasil nas favelas do país

Lola supostamente abalou sua equipe de campanha recentemente, expulsando o antigo aliado Franklin Martins do cargo de chefe de comunicações. Alinhando negócios cautelosos e se esforçando para construir uma base ampla, Lula escolheu o centrista favorável ao mercado Geraldo Alckmin – o adversário que ele derrotou na corrida presidencial de 2006 – como seu companheiro de chapa. “O Brasil hoje tem o governo mais desastroso e implacável de sua história”, disse Alckmin, ex-governador de São Paulo que teve um caso leve de COVID-19, ao comício por meio de link de vídeo. “Lola é nossa única esperança.”

(AFP)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.