Líder chinês Xi alerta sobre ‘Guerra Fria’ na região Ásia-Pacífico

Wellington, Nova Zelândia (AFP) – O presidente chinês Xi Jinping alertou na quinta-feira contra permitir que as tensões na região da Ásia-Pacífico retornem à mentalidade da Guerra Fria.

Suas declarações ocorreram durante a cúpula anual da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, semanas depois que Estados Unidos, Grã-Bretanha e Austrália anunciaram uma nova aliança de segurança na região que veria a Austrália construir submarinos nucleares. A China criticou fortemente o acordo.

Shi falou em um vídeo pré-gravado no APEC CEO Summit, que a Nova Zelândia está hospedando em formato virtual. Xi está programado para participar de uma reunião online com outros líderes dos países do Pacífico, incluindo o presidente dos EUA, Joe Biden, no sábado.

Em seu discurso, Xi disse que as tentativas de traçar fronteiras na região por motivos ideológicos ou geopolíticos vão fracassar.

“A região da Ásia-Pacífico não pode e não deve voltar ao confronto e divisão da era da Guerra Fria”, disse Xi.

Xi também disse que a região deve garantir que as linhas de abastecimento continuem a funcionar e a liberalizar o comércio e o investimento.

“A China permanecerá decidida a avançar nas reformas e na abertura para dar ímpeto ao desenvolvimento econômico”, disse ele.

Ele disse que a tarefa mais urgente na região é fazer um esforço abrangente para combater a epidemia e sair de sua sombra o mais rápido possível.

A advogada de direitos humanos Amal Clooney também falou no CEO Summit, dizendo que acredita que as democracias liberais podem melhorar os direitos humanos globais pressionando os Estados autoritários. Ela disse que as empresas também precisam desempenhar um papel.

Ao todo, os membros da APEC representam cerca de 3 bilhões de pessoas e cerca de 60% do PIB global. Mas tensões profundas ocorrem em um grupo de 21 países e regiões que incluem Estados Unidos, China, Taiwan, Rússia e Austrália.

READ  Um médico naturopata vendeu cartões de vacina COVID-19 falsos.

Muitos países da Ásia procuram equilibrar as influências chinesas e americanas nas frentes econômicas e geopolíticas.

A China reivindica vastas partes do Mar da China Meridional e outras áreas, e mudou-se para estabelecer uma presença militar, construindo ilhas em algumas das áreas disputadas, uma vez que confirma suas reivindicações históricas.

Tanto Taiwan quanto a China solicitaram aderir ao Acordo de Comércio da Orla do Pacífico, a Parceria Transpacífica Abrangente e Avançada, com Pequim dizendo que bloquearia a oferta de Taiwan com o argumento de que a ilha democraticamente governada se recusa a aceitar que faz parte do regime comunista China.

Ainda não está claro se todos os membros da APEC apoiarão a oferta dos Estados Unidos para sediar a rodada de 2023 das reuniões da APEC.

O ministro das Relações Exteriores da Nova Zelândia, Nanaya Mahuta, disse, na quarta-feira, que o fórum de Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico foi estabelecido com base no consenso e que ainda não há um anfitrião confirmado para 2023.

As autoridades dizem que fizeram um progresso significativo em cerca de 340 reuniões preparatórias antes da reunião de líderes desta semana. Os membros da APEC concordaram em reduzir ou eliminar várias tarifas e restrições de fronteira sobre vacinas, máscaras e outros produtos médicos importantes para combater a epidemia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *