Indignação com a permissão de Jair Bolsonaro de visitantes não vacinados no Brasil | Brasil

O governo brasileiro foi acusado de tentar transformar o país sul-americano em um paraíso para turistas não vacinados, após evitar ligações – inclusive de seu próprio órgão regulador de saúde – para exigir dos visitantes comprovantes de vacinação.

A decisão – anunciada pelo ministro da Saúde, Marcelo Quiroga na terça-feira – gerou indignação em um país que perdeu mais de 615 mil pessoas no surto de Covid-19, e o presidente Jair Bolsonaro foi acusado de manejo catastrófico.

“Este governo tem a política da morte e sua cara e seu fedor,” chilro A política de esquerda, Mônica Francisco, é uma das várias brasileiras que defendem regras mais rígidas para retardar a disseminação da variante Omicron.

“Ele não passa de um ventríloquo para o presidente”, o âncora Fabio France, livros De Quiroga, cardiologista que supostamente planeja concorrer a um cargo no ano que vem, apoiado por Bolsonaro.

Casos do vírus Corona no Brasil

Átila Iamarino, proeminente cientista e locutor, chilro Sarcasticamente: “Você não quer se vacinar? Você é Anker? Um roteador para o coronavírus? Venha ao Brasil pegar caipirinha de cloroquina. Não exigimos vacinação. O serviço público de saúde é inteiramente seu.”

De acordo com as novas regras brasileiras, os visitantes não vacinados precisarão passar cinco dias isolados após a chegada antes de poderem ser testados novamente. Não está claro se ou como a quarentena será imposta. Os visitantes internacionais devem fazer um teste PCR até 72 horas antes da partida.

Quiroga defendeu a posição do governo, dizendo aos repórteres: “Como disse o presidente … às vezes é melhor perder a vida do que a liberdade.”

A decisão de não exigir a comprovação da vacinação contradiz o conselho da organização de saúde do Brasil, Anvisa, que pressiona por tais medidas desde o mês passado. Em análise recente, dirigentes da Anvisa alertaram que não pedir a vacinação “pode ​​tornar o Brasil um dos países preferidos de turistas e viajantes não vacinados, o que é indesejável devido aos riscos que esse grupo representa para a população brasileira e para o Serviço Nacional de Saúde”.

READ  Aumento iminente da taxa do Fed faz com que mercados emergentes temam déjà vu | notícias da dívida

Bolsonaro, um populista de extrema direita que afirma ser vulnerável e tem resistido repetidamente às medidas de contenção do COVID, desafiou publicamente a Anfisa na terça-feira.

Em discurso a empresários, o presidente alegou falsamente que o órgão governamental pretendia fechar o espaço aéreo brasileiro. “Inferno sangrento, isso de novo? Será que realmente vamos começar a seguir em frente com este negócio de novo?” Bolsonaro reclamou, antes de farejar: “Ah, Omicron! Temos um monte de variáveis ​​à frente.”

O desastre da Covid no Brasil diminuiu nas últimas semanas após uma campanha de vacinação muito bem-sucedida liderada pelo serviço de saúde público inspirado no NHS, o SUS. Quase 138 milhões de pessoas – 64,6% da população total – foram totalmente esfaqueados, com mais tiros dados do que em qualquer outro lugar, exceto China, Índia e Estados Unidos. Menos de 200 mortes diárias sendo relatado Em média, em comparação com mais de 4000 No auge da segunda onda no Brasil em abril.

No entanto, os profissionais de saúde temem que o progresso possa ser atrasado devido à oposição da Omicron e do Bolsonaro a regras mais rígidas para viajantes internacionais.

Entre eles, o prefeito do Rio, destino turístico número um do Brasil Pressão por prova de vacinação A ser exigido de visitantes estrangeiros. Em outubro Eduardo Paes Ele disse Ele tinha uma mensagem simples para os caçadores de sol não polinizados que consideravam visitar sua cidade: “Por favor, não venha.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.