Imagens mostram extremos das mudanças climáticas na região amazônica do Brasil

A região amazônica no Brasil enfrentou inundações devastadoras e secas severas.
Michael Dantas/AFP via Getty Images; Michael Dantas/AFP via Getty Images

  • A região amazônica no Brasil tem testemunhado enchentes e secas nos últimos anos.
  • O aumento das temperaturas em todo o mundo contribui para desastres naturais de alta intensidade.
  • As fotos mostram o impacto das condições climáticas extremas sobre os moradores das cidades ao longo do rio Amazonas.

Em 2021, cidades do Amazonas, Brasil, ao longo do rio Amazonas e seus afluentes, foram inundadas devido a chuvas mais intensas do que o normal.

Apenas dois anos depois, os leitos dos rios transformaram-se em areia durante os meses de seca.

A Amazônia é inundada anualmente durante a estação chuvosa, trazendo sedimentos ricos em nutrientes dos Andes para o fundo da floresta tropical, segundo um relatório. Fundo Mundial para a Vida Selvagem.

No entanto, o aumento das temperaturas em todo o mundo contribuiu para um aumento na frequência e gravidade dos desastres naturais relacionados com o clima.

As imagens mostram como regiões como a Amazónia oscilam entre condições climáticas extremas à medida que as suas populações lutam para se adaptar.

No verão de 2021, a cidade de Anama, no estado do Amazonas, Brasil, testemunhou inundações generalizadas em níveis recordes.

Moradores circulam pelas ruas inundadas em Anamá, estado do Amazonas, Brasil, na quinta-feira, 13 de maio de 2021.
Edmar Barros/AFP

Chuvas excepcionalmente fortes durante a estação chuvosa regular fizeram com que os rios locais transbordassem a níveis recordes, afetando 350 mil pessoas em todo o estado do Amazonas, disse o centro. Agência de notícias mencionado.

READ  Portugal Holidays: Ministério dos Negócios Estrangeiros publica atualização sobre flexibilização das regras de bloqueio | Notícias de viagens Viajar por

Em junho de 2021, o Rio Negro atingiu 29,98 metros (98,4 pés), a maior elevação registrada desde 1903, segundo a revista científica. Extremos climáticos e climáticos.

A pequena cidade de cerca de 14 mil habitantes, conhecida como “Veneza Amazonas”, ficou praticamente submersa.

Pessoas navegam em barcos pelas ruas inundadas devido ao transbordamento do Rio Solimo em Anamá, Brasil, em 19 de maio de 2021.
Michael Dantas/AFP via Getty Images

Os moradores nadaram e usaram canoas para navegar pelas ruas inundadas.

Os agricultores lutaram para manter seu gado à tona.

Francisco Orivan Soares de Bastos usa ripas de madeira para manter seu gado flutuando em meio às enchentes em Anamá, estado do Amazonas, Brasil, em 14 de maio de 2021.
Edmar Barros/AFP

O fazendeiro Francisco Orivan Soares de Bastos utilizava ripas de madeira para sustentar seu gado.

Dentro de suas casas, os moradores construíram plataformas elevadas com tábuas de madeira para ficarem acima da água.

Valeria Ribeiro de Sousa caminha sobre uma prancha de madeira que mantém os móveis acima das enchentes dentro de sua casa em Anamá, estado do Amazonas, Brasil, em 13 de maio de 2021.
Edmar Barros/AFP

“Estamos habituados a isto aqui, mas isto ultrapassa os limites”, disse Raymundo Sampaio Sobrera, de 63 anos, à Associated Press.

A foto de Annama feita por Rafael Alves, intitulada “Stranded”, ganhou um prêmio no concurso de fotografia de 2023 da Nature Conservancy.

“Encalhado” de Rafael Alves.
© Rafael Alves/TNC Concurso de Fotografia 2023

Elvis, que cresceu na Amazônia, conquistou o primeiro lugar no Categoria climática da competição.

READ  Novo chefe de gabinete do Bolsonaro jura combater a fome no Brasil

Alves comentou a foto, tirada em 2021, dizendo: “Anama é uma cidade anfíbia há anos. Sem trabalho, os adultos ficam a maior parte do tempo em casa. As crianças, sem salas de aula ou locais públicos de diversão, ficam à mercê jogar.” Em áreas inundadas.

Em Outubro de 2023, um afluente do Rio Amazonas secou a níveis recorde devido a uma seca prolongada.

Casas flutuantes e barcos são vistos presos na Marina do Davie, ancoradouro na cidade de Manaus, Amazonas, Brasil, em 16 de outubro de 2023.
Michael Dantas/AFP via Getty Images

No porto de Manaus, onde o rio Amazonas encontra seu afluente Rio Negro, o nível da água atingiu 13,59 metros, o nível mais baixo já registrado. Reuters mencionado.

Sem hidrovias ligando as cidades às margens do rio Amazonas, lugares como Anamá e Manaus ficaram isolados.

Uma balsa fica encalhada na Marina do Davie, ancoradouro do Rio Negro, em Manaus, Amazonas, Brasil, em 16 de outubro de 2023.
Michael Dantas/AFP via Getty Images

Com os barcos incapazes de chegar às comunidades ao longo dos rios, os residentes locais enfrentaram dificuldades de transporte e tiveram problemas para obter bens de primeira necessidade, como alimentos e medicamentos.

Os amazônicos perfuraram poços no solo rachado para obter água.

Evalmir Silva perfura poço para obtenção de água no Lago Buracura, em Manaus, Amazonas, Brasil, em 6 de outubro de 2023.
Michael Dantas/AFP via Getty Images

A seca afetou 481 mil pessoas no estado do Amazonas, segundo autoridades locais.

“Já passamos três meses sem chuva aqui em nossa comunidade”, disse Pedro Mendonça, que mora em Santa Helena de Ingles, oeste de Manaus, à Reuters em novembro. “Está muito mais quente do que as secas anteriores.”

READ  5 razões pelas quais Portugal é o lar ideal para expatriados

Um resultado surpreendente da seca foi a descoberta de esculturas pré-históricas cobertas de água há cerca de 2.000 anos.

Antigas gravuras rupestres às margens do Rio Negro em Manaus, Amazonas, Brasil, em 21 de outubro de 2023.
Michael Dantas/AFP via Getty Images

Os rostos encontrados esculpidos nas rochas em Manaus lembravam emojis modernos.

“O sítio expressa emoções e sentimentos”, disse o arqueólogo Jaime Oliveira, do Instituto do Patrimônio Histórico Brasileiro. Agência de imprensa francesa (Agência France-Presse). “É um disco de rock gravado, mas tem algo em comum com as obras de arte existentes.”

Vastas extensões de terra seca, onde os rios antes transbordavam, indicam uma tendência preocupante.

Puerto Praia, no estado do Amazonas, Brasil, em 8 de outubro de 2023.
Gustavo Basso/NoorPhoto via Getty Images

“Já vivemos um cenário de mudança climática que oscila entre eventos extremos, seja seca ou chuvas fortes. Isto tem consequências gravíssimas não só para o meio ambiente, mas também para as pessoas e para a economia”, disse Ani Alencar, diretora do centro. diretor científico. O Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia, sem fins lucrativos, disse PA em outubro. “Acho que há uma boa chance de que o que estamos vivenciando agora, a flutuação, seja o novo normal.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *