Renovações padrão para Portugal

De acordo com Redes Energéticas Nacionais (Anel), a energia eólica fornece 25% do consumo, a energia hidrelétrica 23%, a energia fotovoltaica 7% e a biomassa 6%.

Verificou-se também um crescimento homólogo de 70 por cento na produção hidroelétrica, dado o ano particularmente seco que ocorreu em 2022, bem como um crescimento de 43 por cento na produção de energia fotovoltaica, devido ao aumento gradual da capacidade instalada.

A produção não renovável proporcionou apenas 19% do consumo, num total de 10 terawatts-hora, o valor mais baixo desde 1988.

“Isto deve-se não só ao aumento da disponibilidade de energias renováveis, mas também ao crescente saldo das importações, que pouparam 20 por cento do consumo, o valor mais elevado de sempre e a maior percentagem de poupança de consumo desde 1981”, observou Ren.

O consumo de eletricidade fornecida pela rede pública em 2023 atingiu 50,7 terawatts-hora, um aumento de 0,8 por cento face ao ano anterior, sendo o consumo mais elevado desde 2018, e mantendo-se a cerca de 3 por cento do máximo histórico registado no sistema nacional em 2010.

Em Dezembro, o consumo registou um forte crescimento de 6,9 ​​por cento ou 5,6 por cento, corrigidos dos efeitos das temperaturas e dos dias úteis, com a produção renovável a fornecer 73 por cento deste consumo e a produção não renovável 11 por cento, enquanto os restantes 16 por cento correspondem a Importações. equilíbrio.

Relativamente ao gás natural, o consumo global em 2023 registou os níveis mais baixos desde 2014, atingindo 49 terawatts-hora, o que representa uma diminuição de 21 por cento face ao ano anterior, em resultado de uma diminuição de 42 por cento no sector de produção de gás.

READ  Henri Castelli revela que levou uma surra e quebrou o maxilar na véspera do Ano Novo; Veja a reportagem do ator - Rádio Itatiaia

O sistema nacional em 2023 foi abastecido maioritariamente a partir do terminal de Sens, tendo 95 por cento do total de gás natural entrado em Portugal, sendo os restantes 5 por cento recebidos através da interligação com Espanha.

O gás libertado em Sens foi proveniente principalmente da Nigéria e dos Estados Unidos, representando, respectivamente, 42 por cento e 40 por cento do abastecimento nacional.

Em dezembro, o consumo de gás manteve a tendência decrescente registada ao longo do ano, com uma queda global de 11,5% em termos homólogos, com uma queda de 51% no mercado elétrico, parcialmente compensada por um crescimento de 10% no setor convencional. .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *