Guedes diz que conflito político prejudica economia

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, disse na sexta-feira que os conflitos políticos estão poluindo a economia e ofuscando notícias positivas sobre o crescimento econômico e a perspectiva de um déficit primário muito menor no próximo ano.

Guedes falou com investidores enquanto o clima político do país ficava mais tenso após o pedido do presidente de extrema direita Jair Bolsonaro ao Senado na sexta-feira para o impeachment de um juiz da Suprema Corte. Os críticos acusaram Bolsonaro de lançar dúvidas sobre o sistema de votação do Brasil para que ele possa questionar o resultado da eleição do próximo ano se perder.

Geddes disse que os confrontos políticos estão piorando.

“Há muito barulho político – é compreensível, mas precisa ser reduzido”, disse Geddes.

Geddes também disse que o déficit orçamentário cairá para 0,3% do PIB em 2022, ante 1,7% neste ano.

Anteriormente, o Ministro Especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, falando no site de notícias jurídicas Gota, disse que havia espaço para rever o corte no déficit orçamentário primário para 2022, que atualmente visa 170 bilhões de riais.

Funchal disse que o Brasil pode esperar um superávit orçamentário em 2023, à medida que a economia começa a crescer novamente, se recuperando da pandemia de COVID-19.

Mas Funchal disse que a incerteza financeira causou turbulência no mercado nas últimas semanas, com o real enfraquecendo em relação ao dólar, à medida que os investidores se preocupam com a dívida pública e com os pagamentos judiciais devidos pelo governo.

Qualquer aumento destas responsabilidades é agora o principal desafio que o Tesouro enfrenta, disse Funchal, e que irá prejudicar os gastos com programas de previdência e outras políticas governamentais se não for tratado.

READ  Qual é o tipo de investidor que mais possui CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens SA (BVMF: CVCB3)?

Funchal disse que o orçamento de 2022 que o Ministério da Economia enviará ao Congresso incluirá o pagamento de 89 bilhões de riais (US $ 16,57 bilhões) em obrigações judiciais, e os gastos discricionários terão de ser reduzidos para isso. Funchal acrescentou que os gastos estimados devem chegar a 120 bilhões de riais no próximo ano.

Funchal disse que o plano de orçamento de 2022 permitiria R $ 35 bilhões para o programa de bem-estar familiar mais pobre do Brasil, a mesma quantia que ele recebeu este ano.

Guedes disse que os pagamentos mensais do programa às famílias mais pobres do Brasil aumentarão em 2022 para cerca de R $ 300 em média. Guedes garantiu aos investidores em uma transmissão online que isso permaneceria dentro do limite de gastos estabelecido constitucionalmente.

(1 dólar = 5,3711 riais)

(Relata Marcella Ayres). Edição de Jonathan Otis e Will Dunham

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *