Forças armadas participam de uma turbulenta reunião de setores que organizam protestos de rua

Oficiais das forças armadas se juntaram à tempestade de setores que organizam protestos de rua, já que o governo ainda está longe de ‘garantir’ o orçamento do estado para 2022.

Depois de greves planejadas por farmacêuticos, médicos, enfermeiras e professores, uma reunião ontem em Lisboa viu a AOFA aparecer em “modo de luta”: “A menos que o governo comece a nos ouvir”, fontes dizem que protestos de rua podem muito bem ser o próximo passo.

A questão (de novo) gira em torno do que o orçamento do estado não permitia.

Neste caso, a AOFA reivindica € 70 milhões para “atualizações retroativas” que remontam a dez anos.

Carlos Rodriguez Marquez, vice-presidente da CAF, disse à rádio TSF que “três pontos-chave estão na mesa: atrasos no pagamento para promoções, aumentos salariais gerais e maior apoio a ex-militares.

O presidente da AOFA, Antonio Motta, disse a Corio da Manha que as reivindicações seriam a “bíblia” das Forças Armadas nos próximos anos.

“A degeneração das Forças Armadas é um conhecimento geral de que existem muitos episódios negativos”, disse ele ao jornal.

A última tentativa (tentativa do governo de substituir o Chefe do Estado-Maior da Marinha, clique aqui) foi uma tentativa de saneamento.

“Durante anos, o AOFA tem alertado sobre como cruzar as linhas vermelhas; como o exército está sendo reduzido em números e como não há capacidade financeira para adquirir e manter equipamentos. Agora” (vimos) “uma tentativa muito ousada de neutralizar As forças armadas.”

Não se trata de queixas para serem consideradas levianamente: o ressentimento vem crescendo há anos.

Para reforçar esta posição, as reportagens de hoje descrevem como o Ministro da Defesa João Gómez Cravinho – e na verdade o General das Forças Armadas – foi vaiado esta manhã em Aveiro durante uma cerimónia militar comemorativa do Dia do Exército.

O incidente foi desencadeado pela recusa das autoridades em permitir a participação de ex-pára-quedistas, ou mesmo cantar sua tradicional canção “Pátria Mãe”.

Uma das passagens anteriores dizia: “O nosso castelo verde não foi fácil de ganhar. Fomos missões em nome de Portugal e este general não pensa que merecemos estar onde está. É um insulto aos pára-quedistas que perderam a sua vive em nome de Portugal… ”

[email protected]

READ  Portugal vai reabrir brevemente as portas para vacinar turistas americanos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *