Explode in Color: o fotógrafo Paolo Grewell sobre sua exploração do prazer fotográfico

Paolo Grewell, Cool in the Pool # 3, 2006 Série Cool in the Pool / Cortesia do artista.

O fotógrafo teuto-brasileiro Paolo Grewell participa de nova exposição coletiva na Galeria Neuer Blanche, em Düsseldorf. O evento conta com treze fotógrafos, desde professores do pós-guerra até a geração mais jovem, que quebraram barreiras em suas distintas linguagens visuais. Fundada em 2016 pelo fotógrafo e curador Volker Marschall, Noir Blanche é uma das principais exposições da Alemanha no campo e homenageia a famosa foto de Man Ray de 1926 “Noir et Blanche” de sua então namorada Kiki de Montparnasse com uma figura africana máscara facial. A exposição atual, intitulada “20nb21”, simboliza as iniciais da exposição e novos começos.

A exposição inclui um grupo de fotógrafos alemães proeminentes do pós-guerra, como Hans Lux e Walter Scheels, e os fotógrafos Evelyn Richter e Renate Shira. Um dos atores mais famosos da Alemanha, Armin Rode (Run Lola Run, 1998, e Contagion, 2011), que jura por sua atuação fotográfica, também está no set. Representando a geração mais jovem do cubano Alfredo Sarabia Fajardo, e da artista e fotógrafa canadense Mariana Rothin, ex-modelo com foco na feminilidade, que vive e trabalha em Nova York. A galeria também apresenta o fotógrafo de retratos em preto e branco Ralph Schailberg. Alexander Basta, publicado em Life, The New York Times e Sports Illustrated; A vida de Christoph Honig continua entre a pintura e a fotografia; Sessão de fotos antropológica de Mario Marino feita nas profundezas da África, Cuba, Índia, Nepal e México.

A Galeria Noir Blanche também apresenta retratos de Peter Lindbergh (1944-2019). Poucos meses antes da morte da lenda da fotografia de moda em preto e branco, tive a sorte de ter uma entrevista. Em vez de respostas telegráficas, fiquei surpreso com suas respostas longas e detalhadas, como um professor transmitindo seu conhecimento. A entrevista por e-mail foi publicada um mês antes de sua morte, em setembro de 2019, na primeira edição da revista brasileira de moda online. frasson_gallery. Aqui está o que Lindbergh escreveu sobre sua preferência por fotos em preto e branco:

“Eu costumava dizer que preto e branco é uma abstração da realidade, e transformar a realidade é o primeiro passo artístico. Quanto mais eu progredia, mais acreditava que preto e branco realmente representava uma realidade, uma realidade. Mas eu costumava dizer para mim mesmo: “Como isso é possível porque a realidade é colorida?” Isso me fez pensar. Percebi que cresci com todos aqueles fotógrafos americanos como Dorothea Lange, que viajou pela América do Norte a pedido do Congresso para documentar a vida das pessoas durante a Grande Depressão. Conscientização: Não é preciso tentar tornar as coisas mais legais, mais elegantes ou divertidas, não, é honesto. Acho que é por isso que acho tão difícil tirar fotos coloridas. A cor pega o luz de forma completamente diferente. Sinceramente, sinto que o preto e o branco vão além da pele. A cor pára na superfície, enquanto o preto e o branco penetram na superfície. Não é apenas uma ideia, é uma realidade. “

READ  Sem glúten em Pittsburgh? Evite os peixes fritos e experimente este peixe sexta-feira | Comida Pittsburgh

Ao contrário, as fotos do brasileiro Paolo Grewell oferecem uma experiência fotográfica cromática. Em 2017, foi convidado a participar na # 04 Photo Pop Up Fair em Düsseldorf como fotógrafo convidado e decidiu regressar à cidade que foi a sua casa durante quase três décadas. Foi lá que ele abriu seu estúdio na década de 1980 e suas lentes capturaram nomes como Wim Wenders, Markus Lüpertz, HD Genscher e Günther Uecker. Em 2000, Grewell foi convidado a participar da mostra cerimonial coletiva “Brasil + 500 Mostra do Rediscupmento”, em homenagem ao descobrimento do país no ano de 1500, e sentiu necessidade de retornar ao seu Brasil natal. Fecha seu estúdio no centro de Düsseldorf para mergulhar em férias de dezesseis anos na Praia do Campeche, uma selvagem extensão de areia branca banhada por águas safira na capital da ilha, Florianópolis, no estado de Santa Catarina, onde ele nasceu. Com suas paredes pintadas de preto, o estúdio de Düsseldorf criou o cenário para o estúdio Tropical Flash na praia ao sol, onde criou uma série vibrante e manipuladora, como “Sonho Tropical” (Tropical Dream), e retratou uma longa lista de personagens locais de sua série brasileira Beldenis (imagem alemã) como o artista plástico Visual Antonio Dias, os músicos Hermito Pascual e Arnaldo Antunes, a bailarina Marcia Heidi e Gilberto Chateaubriand, ex-diplomata que integra a diretoria do Museu de Arte Moderna de Nova York e possui mais de vinte obras de artistas. o artista. As fotografias de Greuel exploram o potencial da cor e da ilusão, uma transformação manipulada que se cruza com a pintura e a fotografia e sinaliza um passo à frente conectando tecnologia, modernidade e arte.

Paolo Grewell, Beldenice Vinisha (Retrato de Finica), Beldeness = Série Retrato, 1999 / Cortesia da artista.

Paulo, comparado a Peter Lindbergh, que foi um profissional da fotografia em preto e branco, como você explica seu fascínio pela cor?

READ  Deezer tem parceria com Globoplay - a rede brasileira Netflix

A cor tem a ver com emoções, sentimentos, sensações, estado de espírito e localização. O Brasil, onde nasci, tem uma luz natural quente e bonita. É uma terra alegre, emocionante e colorida. As pessoas adoram cores, são coloridas na forma como se vestem, nas suas casas, na forma como comunicam e até nas suas situações. Quando me mudei para a Alemanha nos anos 1970, onde as cores eram mais suaves e a luz mais difusa, senti a necessidade de aumentar a cor dentro de mim. Quando comecei na fotografia, era natural que cores fortes aparecessem automaticamente no meu trabalho. Minhas primeiras fotos capturaram fundos coloridos e coisas coloridas. Na minha segunda fase, explorei o uso de iluminação colorida não para inundar uma pessoa ou objeto com cor, mas para criar a própria imagem. O resultado dessa tecnologia foi que pessoas e coisas foram transformadas em formas estranhas com formas brilhantes e coloridas. Essa pesquisa cromática que define meu trabalho, usando iluminação colorida para saturar e distorcer as cores originais dos objetos, levou minhas fotografias a uma nova realidade artificial que empurra os limites da fotografia para um novo parâmetro visual.

Como você vê seu negócio?

Minhas fotos podem ser vistas de forma puramente gráfica, sem quaisquer restrições clássicas ou regras acadêmicas. Através da fotografia digital, tornou-se evidente que a fotografia equivale à pintura dos nossos tempos.

Paolo Grewell, Jelly Bean 0406, 2010, série Jelly Bean / Cortesia do artista.

O que o levou a manipular a foto.

Quando eu era adolescente, quando comecei a processar o filme em meu laboratório doméstico, fiquei muito feliz com a manipulação de imagens, explorando contrastes, relaxando, brincando com as fases de desenvolvimento, etc. Eu estava morrendo de vontade de ver o resultado da minha manipulação. Você conseguiu? O que devo fazer para obter um resultado mais interessante? Com o passar do tempo, desenvolvi minha técnica em busca da imagem colorida para chegar onde estou trabalhando agora.

READ  Coronavirus | Um voluntário brasileiro morre ao tentar a vacina AstraZeneca COVID-19, e o ensaio continuará

Quem foram os fotógrafos que inspiraram sua pesquisa radical?

Man Ray, Moholy Nagy, Jay Borden, Bill Brandt.

Paolo Grewell, Banana Branca (Banana Branca), 2021, Série Glamour Banana / Cortesia do artista.

O que você estava fazendo durante a pandemia?

Você sabe, os artistas estão constantemente em crise. Amo viver em meu estúdio e desafiar minha imaginação. Como o isolamento social e a alienação continuaram para sempre, concentrei-me em desenvolver novas ideias e transformá-las em prazeres fotográficos. O resultado foram duas novas séries, de trem na Suíça e Bananas Intrigantes (banana interessante).

Voltei ao Brasil em 2002 depois de passar quase três décadas na Alemanha, e em 2017 decidi que era hora de voltar para Düsseldorf.

Vivi quase dezesseis anos na Praia do Campeche longe do estresse das cidades, explorando a prática de não fazer absolutamente nada no paraíso tropical e curtir cada momento sem uma única culpa. Segui o ritmo natural da vida enquanto observava o amanhecer dourado e a noite caindo sob Lucy no céu com diamantes. Eu ouvia jazz e as ondas do mar batendo em uma enorme extensão de areia branca dia após dia – é claro, sempre com a câmera na mão. Dusseldorf é um mundo completamente diferente. Tudo é preciso aqui, cronometrado ao minuto. Aproveito a vida dos dois lados, muito organizada e totalmente gratuita. Este choque cultural levanta minha mente e liberta minha alma ousada.

Paolo Grewell, Route 66, 2020, de trem na Suíça, Série / Cortesia do artista.

Você pretende voltar para a Praia do Campeche ou Düsseldorf será sua casa para sempre?

A fotografia sempre foi meu tapete mágico. Agora em Dusseldorf consegui realizar um sonho, ter um lugar no mercado de arte nos dois lugares que amo: Alemanha racional e Brasil emocional. Um diálogo entre essas duas culturas incomuns e muito diferentes é essencial para minha mente e meu trabalho. O jeito brasileiro de fazer as coisas, conhecido como Um pouco maisCombinado com a competência e determinação alemãs, tudo flui e é feito.

Fotógrafo Paolo Grewell, Retrato de Paula da Vega, Dusseldorf, 2021.

20nb21
Até 26 de junho de 2021
Patrocinado por Volker Marshall
Galeria Neuer Blanche, Dusseldorf, Alemanha
https://www.noirblanche.de/eng/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *