Enquanto o mundo reage com horror a Bush, a mídia estatal chinesa tem um tom diferente

Lá, a mídia local relata Vítimas civis em Bucha Eles foram rápidos em sublinhar a resposta russa, com duas importantes reportagens televisionadas da rádio nacional CCTV esta semana destacando alegações infundadas de Moscou de que a situação foi posta em movimento após a retirada das forças russas da área.

Em um relatório, um comentário citando a Rússia com a frase “ucranianos dão um bom show” apareceu em imagens muito borradas da cidade ucraniana.

Não há evidências que sugiram que este seja o caso. Imagens de satélite indicam que alguns dos corpos estão lá desde pelo menos 18 de março, enquanto testemunhas oculares disseram O massacre começou semanas atrás.

Separadamente, o Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos disse na terça-feira que as fotos horríveis de Boucha mostravam “todas as indicações” de que os civis foram “alvos e mortos diretamente”. Na terça-feira, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, acrescentou aos crescentes pedidos internacionais por uma investigação de crimes de guerra sobre as mortes de civis na cidade.

As alegações de crimes de guerra levantam riscos para a posição da China. A aparente promoção de propaganda russa por Pequim é consistente com sua posição Desde o início da invasão, Também se recusou a condenar a Rússia Em casa ou em sua diplomacia – mesmo com o número de mortes de civis aumentando.
Em vez disso, Pequim procurou se retratar como um ator neutro, pedindo paz enquanto isso Culpe a situação nos Estados Unidos.

Isso foi destaque em um editorial publicado no tablóide nacionalista Global Times na quarta-feira, que parecia questionar a veracidade do que chamou, entre aspas, de “incidente Bucha” e absolveu a Rússia de responsabilidade.

READ  Europa fala sobre adesão ao embargo petrolífero russo

“É lamentável que, depois de expor o ‘incidente Bucha’, os Estados Unidos, o iniciador da crise na Ucrânia, não tenham mostrado nenhum sinal de pedir a paz e promover negociações, mas estão prontos para exacerbar as tensões entre a Rússia e a Ucrânia”. Disse o editorial.

“Não importa como ocorreu o ‘Incidente Bucha’, ninguém pode negar pelo menos uma coisa: a própria guerra é a principal culpada da catástrofe humana”, acrescentou.

inimigo comum

As crescentes tensões com os Estados Unidos aproximaram Moscou e Pequim nos últimos anos, com o presidente russo Vladimir Putin e o presidente chinês Xi Jinping declarando a parceria de seus países “sem limites” apenas algumas semanas antes da invasão russa.

Desde a invasão russa, Pequim tem feito Sob grande pressão Denunciar as ações da Rússia e juntar-se ao mundo na imposição de sanções. Em vez disso, as autoridades chinesas se recusaram a usar o termo invasão para descrever as ações da Rússia e disseram repetidamente que seguiriam seu próprio caminho quando se tratasse de sua resposta.

Em uma sessão especial do Conselho de Segurança da ONU na terça-feira, o embaixador chinês Zhang Jun reconheceu que as imagens das mortes de civis em Bucha eram “extremamente perturbadoras”, mas quando se tratava de culpar a situação, ele instou “todas as partes” a exercer “contenção”. “. E evite acusações infundadas.”

“As circunstâncias relevantes e as causas específicas do acidente devem ser verificadas e comprovadas. Qualquer acusação deve ser baseada em fatos”, disse Zhang.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin, fez comentários semelhantes em uma coletiva de imprensa regular na quarta-feira, dizendo: “As questões humanitárias não devem ser politizadas”.

“Todas as partes devem exercer moderação e evitar acusações infundadas” antes que a apuração dos fatos seja concluída, disse Wang, acrescentando que a China “está disposta a continuar trabalhando com a comunidade internacional para evitar qualquer dano aos civis”.

READ  Plano de Biden para o consulado palestino em Jerusalém enfrenta oposição

Mas em casa, a China tem transmitido uma mensagem mais clara, que se liga a uma história mais longa da mídia estatal russa e chinesa que reforça as narrativas umas das outras – em questões como o tratamento de oponentes russos, os protestos pró-democracia de Hong Kong e a origens do Covid-19 – pois procura refutar as caracterizações das autoridades e da mídia ocidental.

Em um exemplo de tal interferência na terça-feira, a agência de notícias estatal da China publicou um post na plataforma de mídia social Weibo com a hashtag “A Rússia mostra um vídeo para provar que o incidente de Bucha foi encenado”, citando um relatório da agência de notícias estatal da Rússia. .

Mas mesmo que a China amplifique a retórica russa em suas reportagens em casa, algumas manifestações públicas de ceticismo podem ser vistas, mesmo em plataformas de mídia social chinesas ultramoderadas.

Em um exemplo recente, um blogueiro militar amplamente seguido escreveu no domingo que os ucranianos foram responsáveis ​​por um “massacre” de civis – mas vários usuários nos comentários abaixo indicaram que os detalhes do post estavam errados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.