Empresas querem parar de proibir embalagens plásticas

A disponibilização de sacos de plástico muito leves para embalagem primária ou transporte de pão, frutas e legumes está proibida a partir de junho, mas as dificuldades operacionais levaram as empresas de distribuição a pedir a revogação da proibição.

Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (aniquilar) Diga à Lusa que foi enviado para Ministério do Meio Ambiente e Ação Climáticano final de dezembro de 2022, uma proposta de revogação desta proibição, “tendo em conta a falta de alternativa no mercado para responder às exigências, a ausência de obrigações de Portugal perante a União Europeia e a necessidade de assegurar a harmonização dos requisitos legais e livre competição dentro da sociedade”.

A proibição partiu de uma lei publicada em setembro de 2019 que prevê alternativas ao uso de sacolas plásticas leves e bandejas plásticas em pontos de venda de pães, frutas e verduras. No início, o projeto de lei do partido Os Verdes (PEV), que foi aprovado por unanimidade pelo Parlamento, para proibir as malas leves a partir de junho de 2020, mas o diploma publicado terminou com o prazo de 1º de junho de 2023.

A proposta de extinção da APED assenta em três pilares: o funcionamento do mercado único; segurança alimentar e prevenção do desperdício alimentar; Alternativas biodegradáveis ​​e compostáveis.

“Primeiro, a UE não impõe restrições ao uso de ‘sacos ultraleves’ necessários por razões de higiene ou fornecidos como embalagem primária para produtos alimentícios vendidos a granel, levando em consideração aspectos de segurança alimentar e prevenção de desperdício de alimentos.”

Outro motivo para o cancelamento, segundo a associação, foi a necessidade de “proteger as embalagens de produtos altamente suscetíveis à deterioração ou deterioração severa”, como mirtilos, produtos em atmosfera controlada e frutas e legumes cortados comprados em lojas.

READ  Julianne Hough usa biquíni nas férias em Portugal - e tem um namorado surpreendente

Desta proibição de venda de produtos de panificação, frutas e legumes embalados em sacos de plástico ultraleves e em embalagens de plástico descartáveis, a lei exclui os sacos e embalagens de plástico comprovadamente biodegradáveis ​​e compostáveis, desde que sejam biodegradáveis. Não é fornecido gratuitamente.

A APEAD salienta, relativamente às alternativas biodegradáveis ​​e compostáveis, que a legislação comunitária determina que os sacos de plástico ultraleves sejam “compostáveis ​​em unidades de tratamento de biorresíduos industriais apenas 24 meses após a entrada em vigor de um regulamento comunitário”.

Este prazo será importante para garantir que a infra-estrutura crítica de tratamento de resíduos existente no país seja reabilitada. A Comissão Europeia não reconhece o plástico biodegradável como alternativa aos plásticos descartáveis. A APED diz que a “única solução equilibrada” é a revogação do artigo banido da lei de 2019, acrescentando que é “fiel à postura construtiva e abertura ao diálogo” e, por isso, sugeriu também uma redacção alternativa para o artigo (4 77 /2019), “caso não seja possível a revogação”.

Artigos relacionados:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.