Economia do México entra em recessão técnica à medida que o PIB se contrai novamente

Visão geral mostra a refinaria Cadereyta da petroleira estatal mexicana Pemex em Cadereyta, nos arredores de Monterrey, México, 10 de dezembro de 2020. REUTERS/Daniel Becerril/

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

CIDADE DO MÉXICO, 31 Jan (Reuters) – A economia do México contraiu pelo segundo trimestre consecutivo no último trimestre de 2021, de acordo com dados oficiais publicados nesta segunda-feira, colocando-o em uma recessão técnica e juntando-se à potência regional Brasil, cuja economia caiu novamente em território negativo no ano passado.

O Produto Interno Bruto (PIB) da segunda maior economia da América Latina encolheu 0,1% no quarto trimestre em relação ao período de três meses anterior em termos dessazonalizados, mostraram dados preliminares publicados pela agência nacional de estatísticas INEGI do México.

Isso superou as expectativas em uma pesquisa da Reuters de que o PIB contraia 0,3% no quarto trimestre, depois que a economia caiu 0,4% no terceiro trimestre.

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

O vice-ministro das Finanças do México, Gabriel Yorio, disse na sexta-feira que falar de uma “recessão técnica”, definida como dois trimestres consecutivos de contração, não leva em consideração a volatilidade econômica relacionada ao coronavírus e os problemas da cadeia de suprimentos global.

Yorio disse que os gargalos de fornecimento global, o aumento dos preços das matérias-primas e os custos mais altos do transporte terrestre e marítimo estão pesando na economia.

“Com seu fraco resultado no quarto trimestre, o México se juntou ao Brasil em recessão técnica, um resultado extremamente decepcionante que deixa o PIB real do México 4% abaixo do pico pré-COVID de meados de 2019”, disse Fiona Mackie, diretora regional para América Latina e Caribe na Economist Intelligence Unit.

READ  A economia do Brasil cresceu 0,1% no terceiro trimestre

A economia enfraquecida do Brasil corre o risco de afundar ainda mais na recessão este ano antes das eleições presidenciais de outubro, já que a ansiedade com a votação e os altos aumentos das taxas de juros continuam prejudicando o crescimento, de acordo com uma pesquisa da Reuters.

Jonathan Heath, membro do conselho do banco central do México e um de seus mais francos, saltou para a fritura sobre a situação da economia mexicana no final do ano passado.

“A ideia de que a economia está em recessão porque houve dois trimestres consecutivos com uma taxa negativa do PIB é uma simplificação do que é uma recessão”, disse Heath no Twitter.

“Se houver dois trimestres seguidos com PIB negativo, aumenta a possibilidade de haver recessão, mas isso não é suficiente por si só. Uma recessão tem que cumprir três requisitos: profundidade, duração e spread. Por enquanto, cumprimos apenas com a duração.”

RECUPERAÇÃO PARA PERMANECER LENTO

O analista do Serviço de Investidores da Moody’s, Renzo Merino, previu que o crescimento econômico em 2022 seria menor do que as autoridades mexicanas almejam, tendo em mente o impulso negativo persistente no investimento.

“Esta situação pode se repetir nos próximos anos, gerando pressão adicional sobre as contas fiscais no restante do mandato de seis anos (do presidente Andrés Manuel López Obrador), dada a possibilidade de um menor desempenho das receitas e uma crescente rigidez nos gastos públicos, disse Merino.

Nikhil Sangani, economista de mercados emergentes da Capital Economics, teve uma visão mais otimista.

“Duvidamos que o México permanecerá atolado em recessão por muito mais tempo. A escassez de oferta parece estar diminuindo, o que deve permitir que a produção de automóveis se fortaleça, enquanto o empecilho à produção da lei de terceirização logo começará a desaparecer”, disse Sanghani.

READ  Telefônica Brasil SA: Comunicado ao Mercado - Formulário 6-K

Sanghani prevê que a recuperação permanecerá lenta nos próximos trimestres, no entanto, pressionada por um recente aperto nas restrições da COVID e uma política fiscal austera.

Os números do INEGI mostraram que as atividades terciárias, que compõem a economia de serviços, contraíram 0,7% no quarto trimestre em relação ao trimestre anterior em termos dessazonalizados.

O declínio do “setor terciário intensivo em mão de obra (is) é um reflexo do impacto da lei de terceirização recentemente aprovada, que levou a um grande declínio nos serviços prestados a empresas e negócios”, disse Alberto Ramos, economista do Goldman Sachs, em nota de pesquisa.

As atividades primárias, que englobam agropecuária, pesca e mineração, aumentaram 0,3%, enquanto as atividades secundárias, que incluem manufatura, aumentaram 0,4%.

A economia expandiu 5,0% para todo o ano de 2021, mostraram os dados, depois de encolher 8,5% em 2020, na pior recessão do México desde a Grande Depressão da década de 1930.

“O forte crescimento em 2021 é mais o resultado do efeito aritmético gerado pela baixa base de comparação em 2020 e menos devido ao crescimento genuíno derivado da capacidade produtiva”, disse Alfredo Coutino, chefe de análise da América Latina da Moody’s Analytics.

O PIB cresceu 1,0% no quarto trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior, mostraram os dados.

O INEGI publicará os dados finais do PIB do quarto trimestre em 2 de fevereiro. 25.

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Anthony Esposito, Miguel Angel Gutierrez, Marion Giraldo e Ricardo Figueroa; Edição por Nick Zieminski e Rosalba O’Brien

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

READ  A brasileira Eletrobras e sua unidade Iberdrola trocam participações em energia no valor de US$ 148 milhões

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *