Desmatamento aumenta na Amazônia brasileira em outubro, apesar das promessas da COP26.

A fumaça sobe de um incêndio provocado ilegalmente na reserva da floresta amazônica, ao sul de Novo Progresso, no estado do Pará, Brasil, em 15 de agosto de 2020.

Carl de Sousa | AFP | Getty Images

Dados de satélite na sexta-feira mostraram que o desmatamento na floresta amazônica do Brasil aumentou em outubro em comparação com o ano passado, minando as promessas do governo do presidente Jair Bolsonaro de que está restringindo a destruição de um baluarte importante contra a mudança climática.

Dados preliminares da Agência Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) mostraram que cerca de 877 quilômetros quadrados (339 milhas quadradas) de florestas foram removidos no mês passado, um aumento de 5% em relação a outubro de 2020. Este foi o pior desmatamento em outubro desde o início do atual sistema de monitoramento 2015

O Brasil está fazendo um esforço na Cúpula das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26) para sinalizar que reforçou a gestão da Amazônia, prometendo acabar com o desmatamento ilegal até 2028, dois anos antes da meta anterior.

Mas cientistas, diplomatas e ativistas dizem que essas promessas significam pouco, dado como as taxas de desmatamento aumentaram sob Bolsonaro para níveis vistos pela última vez em 2008, enquanto a extrema direita populista clama por mais mineração e agricultura na Amazônia.

“Anúncios do governo não mudam o fato de que o Brasil continua perdendo florestas”, disse Anne Alensar, diretora de ciência do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia, na COP26 em Glasgow. “O mundo conhece a posição do Brasil e essa tentativa de mostrar um Brasil diferente não convence, porque os dados de satélite mostram claramente a realidade”.

READ  Designação Quatrro no IAOP 2021 Global Outsourcing 100®

Um representante de imprensa da delegação brasileira na COP26 não quis comentar imediatamente. O ministro do Meio Ambiente, Joachim Light, deve se dirigir à mídia às 15h em Glasgow (1500 GMT).

Bolsonaro ofereceu um tom mais conciliador nas questões ambientais desde que o presidente dos EUA Joe Biden assumiu o cargo, prometendo na Cúpula do Dia da Terra na Casa Branca e novamente na Assembleia Geral das Nações Unidas para erradicar o desmatamento ilegal.

No entanto, o presidente brasileiro supervisionou as reduções de pessoal nas agências ambientais, ergueu barreiras à aplicação da lei ambiental e implantou intervenção militar ineficaz para interromper as operações anti-madeireiras na Amazônia.

Alencar disse que o aumento do desmatamento na Amazônia ressalta a importância de um acordo efetivo de mercado de carbono na COP26 para liberar financiamento para a conservação das florestas no Brasil.

As negociações entraram em seu último dia marcado para sexta-feira, mas podem ser adiadas porque o acordo não foi concluído esta tarde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *