Design industrial em destaque: principais conclusões do Brasil | Visualizações e eventos

Investir na criação de desenhos industriais é fundamental nas práticas empresariais modernas, pois permite que o produto de uma empresa se destaque em uma dinâmica de mercado cada vez mais competitiva.

Tão importante como criar um produto distintivo é garantir a sua proteção no país onde a empresa faz ou pretende fazer negócios. Isto é crucial, porque esta proteção garante o direito exclusivo de uso comercial do desenho industrial inovador.

No Brasil, um desenho industrial deve ser novo e original, e ter aspecto e aspecto ornamental.

Uma vez registrado o desenho industrial, ele garante proteção nacional por 10 anos (podendo ser prorrogado até o máximo de 25 anos). Contudo, um desenho industrial protegido pode ser concedido sem a análise dessas exigências impostas pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), garantindo ao titular um “direito precário”. Isso ocorre porque o registro de desenho industrial no Brasil não exige exame de mérito, que deve ser solicitado após a concessão do registro.

Desde o final de 2023, o INPI implementou diversos novos procedimentos de desenhos industriais, culminando com a publicação da segunda ediçãoSegunda abreviatura Emissão do guia de desenhos industriais e do novo sistema de petições eletrônicas. Estas novas directrizes expandem o âmbito da protecção dos desenhos industriais e formalizam as regras para incluir o Acordo de Haia.

Como esta notícia provavelmente indica um aumento nos depósitos de desenhos industriais no Brasil, é necessário compreender as características da proteção de desenhos industriais.

Exame de mérito e implementação

A verificação de mérito é a forma como o INPI confirma se um desenho industrial é “novo” e “original” quando comparado ao estado da técnica. Até que o exame de mérito seja realizado pelo INPI, a execução do desenho industrial fica complicada nos casos de infração de terceiro, pois não é possível confirmar se o desenho industrial é novo e original. Neste caso, por exemplo, é difícil obter liminar em casos de infração de desenho industrial.

READ  Moradores de Mora, no Brasil, relataram ameaças em meio à pressão para aprovar uma mina de potássio na Amazônia

Além do exame de mérito, o titular deverá contar com o apoio de um técnico especializado para avaliar se o desenho industrial atende aos requisitos legais e se existe semelhança significativa entre os produtos que caracterizaria infração ao desenho industrial e concorrência desleal.

Portanto, para o réu em uma ação por infração de desenho industrial, é importante verificar se o desenho ou modelo supostamente violado teve seu mérito examinado. Além disso, é importante analisar a autenticidade desse registro – ou seja, se ele realmente atende aos requisitos legais para ser plenamente oponível a terceiros – para determinar se se trata de uma reprodução de desenho industrial de terceiro.

Caso a caso, pode ser recomendado como estratégia de defesa ajuizar uma ação de nulidade de desenho industrial na Justiça Federal, e/ou uma ação de não infração na Justiça Estadual, para ajudar a proteger a imagem pública da empresa. Especialmente dada a natureza reputacional das reivindicações de propriedade intelectual.

Desenho industrial e direitos autorais

Este é um tema controverso no Brasil, onde há muitas opiniões divergentes de estudiosos em relação à proteção dos direitos autorais do desenho industrial. A possibilidade de acumulação de direitos é aceita na legislação brasileira, mas deve ser avaliada caso a caso, pois nem todo desenho industrial pode ser protegido por direitos autorais – como um desenho que não possui características artísticas. Por outro lado, é importante avaliar se a obra protegida por direitos autorais atende aos requisitos legais para desenho industrial, especialmente aplicação industrial.

Design industrial e branding 3D

Se a aparência estética externa de um objeto não estiver vinculada a um efeito técnico, ele também poderá ser protegido por marca tridimensional, confeccionada em forma plástica capaz de conter os produtos ou serviços a que se destina. Para ser registrado como marca 3D, o produto ou embalagem deve se diferenciar dos concorrentes. As vantagens desta marca 3D são a ausência do requisito de “novidade absoluta” e a possibilidade de renovação por tempo ilimitado, enquanto um desenho industrial pode ser protegido por um período máximo de 25 anos.

READ  Evonik colabora com o Agribusiness Innovation Hub AgTech Garage no Brasil

Deve-se avaliar caso a caso se a estética externa pode ser classificada como marca tridimensional e se é possível agrupar os direitos caso a caso. Contudo, ao registrar um produto como marca 3D, é importante não comprometer o cumprimento dos requisitos de novidade absoluta.

Notícias 2Segunda abreviatura Edição do Manual de Desenhos Industriais

As discussões sobre desenho industrial têm evoluído no Brasil e o INPI publicou recentemente o segundo livroSegunda abreviatura Edição do Manual de Desenhos Industriais, que estabeleceu novos procedimentos, ao mesmo tempo em que aprimorou e aprimorou aqueles já existentes nos livros.

A Convenção de Haia – protegendo desenhos industriais em 96 países

A característica distintiva mais importante 2Segunda abreviatura A versão do Guia de Desenhos Industriais deveria definir ações e direcionamentos quanto à adesão do Brasil ao Acordo de Haia, que entrou em vigor em 1º de agosto de 2023. Desde então, o Brasil se tornou o segundo país1 Um país latino-americano se junta ao grupo de 96 países2 Que participa do Sistema de Haia, que responde por 70% do comércio internacional.

Graças à Convenção de Haia, é agora possível registar um desenho industrial em muitos países com apenas um pedido internacional através da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). Portanto, não é mais necessário depositar o desenho industrial individualmente em cada país em questão, o que reduz significativamente a burocracia, os custos e os atrasos.

Este compromisso alinha o Brasil às melhores práticas de proteção de desenhos industriais reconhecidas internacionalmente, facilitando o registro de desenhos industriais no Brasil e internacionalmente.

Novas possibilidades de registro de desenhos industriais

Com o objetivo de atualizar as diretrizes sobre desenho industrial no Brasil, o novo Guia de Desenho Industrial formalizou novas modalidades de registro de desenho industrial:

  • Produtos constituídos por peças sem conexão mecânica
  • GUI estática e dinâmica
  • Famílias tipográficas
  • Design industrial incluindo branding
  • Logotipos
  • Desenho industrial que inclui elementos de texto
READ  Por que a economia do Brasil está desacelerando?

O Brasil poderia ser um hub para lançamentos de produtos?

De acordo com o Centro de Dados de Estatísticas de Propriedade Intelectual da OMPI3O Brasil está em 32º lugarSegunda abreviatura No número de pedidos de desenho industrial depositados em cada país. Mesmo sendo o país mais bem classificado na América Latina neste aspecto, o país tem potencial para alcançar posições mais elevadas.

Conforme mencionado anteriormente, o simples registro do desenho industrial não é suficiente para garantir a sua plena proteção e fiscalização, cabendo ao INPI analisar o seu mérito para atender a todos os requisitos legais. Além disso, dependendo do caso, os proprietários de figuras plásticas distintivas podem contar com outros institutos – fora do âmbito do desenho industrial – para reforçar a proteção de suas criações, como direitos autorais e marcas 3D, mas devem considerar os detalhes de cada um.

No entanto, as empresas devem avaliar potenciais medidas que possam ser tomadas em caso de violação, bem como potenciais estratégias de defesa no caso de serem acusadas de crimes de propriedade intelectual por terceiros.

As recentes mudanças nos desenhos industriais representam um avanço na forma como esse tema é tratado no Brasil, seja pelo aumento da possível proteção aos desenhos industriais no Brasil, seja pela facilitação do registro no país e no exterior por meio do Acordo de Haia. Este é certamente um incentivo para que as empresas olhem para o Brasil como um hub para lançamentos de produtos baseados na facilitação e diversificação do registro de ativos.


1 O México foi o primeiro país da América Latina a aderir à Convenção de Haia em 2019.

2 https://www.wipo.int/export/sites/www/treaties/en/docs/pdf/hague.pdf

3 https://www.wipo.int/edocs/statistics-country-profile/en/br.pdf

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *