Como um Ford dilapidado desencadeou uma revolução musical que varreu o Carnaval do Brasil

RIO DE JANEIRO – Os sons de tamborilar e de tremer os ossos começam antes mesmo dos alto-falantes se aproximarem – puxados por grandes plataformas que rastejam em meio às lotadas multidões do Carnaval brasileiro.

Os gigantescos caminhões de áudio conhecidos como trios elétricos são uma inovação brasileira que amplifica a música e elimina efetivamente os assentos na primeira fila – tornando o carnaval mais acessível. Nas sete décadas que se seguiram à primeira onda de violência que atingiu as ruas do Brasil, estas manifestações tornaram-se um elemento importante das celebrações anuais pré-Quaresma do país, atraindo milhões de pessoas às ruas. O cantor Caetano Veloso declarou numa ode às carruagens que sacodem a terra que as únicas pessoas que não as seguiram já devem estar mortas.

De Salvador, litoral nordeste do Brasil, o trio se espalhou pelo país e encontrou mais discípulos; Uma conta no Instagram que posta vídeos aparentemente vulgares de plataformas estatais tem cerca de 150 mil seguidores, e os fãs exaltam os méritos de cada trio. Eles estão mais sofisticados e maiores do que nunca – com luzes e telas de LED, camarins e áreas VIP.

O seu apelo nunca foi apenas a novidade da amplificação. O seu progresso constante significa que qualquer pessoa, rica ou pobre, pode aproximar-se o suficiente da música para senti-la pulsar no corpo, disse Isaac Eddington, que coordena as celebrações de El Salvador como chefe da agência de turismo.

Helen Salgado, a atriz de 31 anos, viajou do Rio para Salvador para mergulhar em um oceano de gente que se aglomera ao redor do trio nas comemorações antes do início oficial do Carnaval, no sábado. Ela disse que teve um orgasmo sem beber uma única gota de álcool.

READ  Liquidação festiva - Portugal News

“Foi tão alto… e maravilhoso!” Salgado disse ao telefone, rindo. “Acho que é por isso que existe toda essa loucura: o som te domina e te intoxica.”

Mas muito antes dessas paredes de som invadirem o Brasil, já existia a Ford.

O Modelo A de 1929 – o sucessor do menos popular Modelo T – foi uma importação dos EUA para El Salvador. Durante muitos anos, o metalúrgico Osmar Macedo utilizou o conversível para transportar ferro.

Em 1950, Osmar, como era conhecido internacionalmente, e seu amigo Dudo, técnico de rádio e também músico amador, equiparam um Ford com dois alto-falantes e conectaram um violão e um cavaquinho à bateria do carro, disse o filho de Osmar, Aroldo Macedo, à AP. . Ele pressiona. Eles dirigiram o carro, com o para-lama amassado e a pintura bordô rachada, pelas ruas, tocando música e deliciando os foliões do carnaval que pulavam e dançavam em seu encalço, disse Macedo, 65 anos.

A dupla repetiu a manobra no ano seguinte, desta vez com um terceiro músico, e se autodenominou Trio Eletrico.

O termo pegou e foi aplicado a todas as etapas móveis que passavam por Salvador, capital do estado da Bahia. O trio logo se tornou a peça central do carnaval da cidade.

Começaram apresentando os principais artistas da Bahia, como Veloso, que embarcou em 1972 em um navio especialmente construído que lembrava uma nave espacial. Eles se tornaram plataformas de lançamento para a carreira de músicos, incluindo Daniela Mercury, Ivete Sangallo e Marguerite Menezes, atual Ministra da Cultura do Brasil, que chamou o trio de “uma das maiores invenções do Brasil”.

“Foi uma grande revolução no carnaval popular, no carnaval de rua”, disse Menezes por telefone de Salvador, onde prepara o trio cultural que participará ao lado de Gilberto Gil e Chico Cesar. “Todo mundo quer se balançar ao som de um trio elétrico.”

READ  O Rio Nacional humilha e rivaliza com o Palmeiras na sub-Liberta

Esse espírito popular está no cerne do carnaval, que não se trata apenas de começar; Representa também a subversão da ordem existente e as festas de rua são uma manifestação do controlo popular sobre a cidade.

Os trios de El Salvador foram o farol do Rio quando as festas de rua ressurgiram depois que o Brasil abandonou a ditadura militar em 1985, segundo Rita Fernandez, presidente da Associação Sebastiana, que organiza algumas das festas mais tradicionais da cidade.

A Rick Sound, de Rick Mello, atende três dezenas de festas de rua no Rio e também aluga caminhões para escolas de samba que ensaiam para o tradicional desfile do Sambódromo. Onze trios entraram em seu armazém em janeiro passado, e ele diz que não pode fazer testes acústicos completos lá dentro porque o ruído, de até 180 decibéis, pode estourar os tímpanos.

“Comparado ao Bahia, este é um Fusca”, disse Melo, referindo-se ao seu caminhão maior, com 60 alto-falantes. “Mas um dia chegaremos lá.”

Dragon é talvez a mais famosa das trilogias. A banda Asa de Aguia (Asa de Águia), de El Salvador, há anos se apresenta em cima do caminhão e foi imortalizada na música como “o maior trio elétrico do planeta”.

Mas os dragões eram um punhado. Seu comprimento de 30 metros (98 pés) tornava as curvas um feito notável, e sua altura de 5,5 metros (18 pés) muitas vezes prendia linhas de energia e derrubava postes quando navegava pelo Rio ou São Paulo em busca de karts, de acordo com José Mario Bordonal. , cuja empresa o comprou há uma década.

Bordonal e seus irmãos fundaram sua empresa de construção de caminhões de áudio em sua pequena cidade natal, no interior de São Paulo, Cravinhos.

READ  O luxo está em declínio em Portugal - notícias de Portugal

O primeiro trio deles virou as coisas de cabeça para baixo há cerca de 35 anos, disse Bordonal, com uma festa de rua barulhenta para a classe trabalhadora que levou até os ricos a desistir de uma noite privada de Carnaval. A polícia e o organizador da noite ficaram furiosos.

Quase um quarto de século depois, o dragão criou uma nova agitação.

“Quando cheguei a Cravenius… entrei na primeira rua e duas colunas caíram imediatamente”, disse Bordonal.

Ele modificou os eixos do Dragon para facilitar as curvas e reduziu a altura do passeio – mas aumentou seu comprimento para 34 metros (111 pés). Bordonal acabou vendendo-o e, desde então, montou um trio maior, cujos 200 alto-falantes tocaram a maior festa de rua do Carnaval de São Paulo em 4 de fevereiro – e tem planos para uma festa ainda maior.

Mas a enorme frota de El Salvador faz dele um reino como nenhum outro. Durante o carnaval deste ano, até 70 pessoas passarão pela multidão lotada todos os dias, disse Eddington. O Rio tem aproximadamente esse valor para todo o carnaval, segundo sua agência de turismo.

Em homenagem aos ancestrais do trio, as duas principais estradas trilaterais de Salvador se chamam Osmar e Dodô, e uma réplica do seu Ford é visível no topo de uma das gigantescas plataformas de perfuração.

Depois de fechar a roda com um Ford importado que se tornou o primeiro trio do Brasil, a cantora Claudia Leite trabalha para enviar um trio para os EUA.

Litt, que já cantou em um trio por sete horas seguidas, planeja trazer um carnaval no estilo de El Salvador para a Ocean Drive de Miami.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *