Como um distribuidor de carne bovina de Utah está alimentando o desmatamento da Amazônia – NBC 5 Dallas-Fort Worth

À medida que o rendimento da China cresceu na última década, também aumentou o apetite da China pela carne bovina. Não mais fora do alcance da classe média chinesa, a carne bovina está agora fervendo nas fritadeiras domésticas e nas cozinhas dos restaurantes.

A China se tornou o maior importador mundial de carne bovina e o Brasil é o maior fornecedor da China, segundo dados do Comtrade da ONU. Mais carne bovina é transportada do Brasil para a China do que de quaisquer outros dois países.

Mas a pecuária brasileira é a principal causa da destruição da floresta amazônica. Análise de dados pela Associated Press Rede de investigações de florestas tropicaisUm consórcio de relatórios sem fins lucrativos descobriu que uma empresa pouco conhecida dos EUA está entre os principais fornecedores e distribuidores que alimentam a fome da China por carne bovina – e o desmatamento da Amazônia que a alimenta.

A floresta Amazônica, a maior floresta tropical do mundo, desempenha um papel crucial no clima global ao absorver as emissões de carbono. Um novo estudo publicado esta semana no Proceedings of the National Academy of Sciences liga o desmatamento da Amazônia ao aumento das temperaturas regionais.

A Parker Migliorini International, sediada em Salt Lake City, conhecida como PMI Foods, tem sido a principal beneficiária do comércio de carne bovina entre o Brasil e a China. A Philip Morris International embarcou mais de 1,7 mil milhões de dólares em carne bovina brasileira na última década – mais de 95% dos quais para a China, segundo dados da Panjiva, uma empresa que utiliza registos alfandegários para monitorizar o comércio internacional. Ao longo da última década, as importações chinesas de carne bovina aumentaram seis vezes, mostram os dados do Comtrade da ONU, e o PMI ajudou a satisfazer a crescente procura chinesa.

Como corretora que foi uma das maiores importadoras de carne bovina brasileira para a China, a PMI oferece uma visão de como o crescente comércio internacional está impulsionando o desmatamento.

Como as operações do PMI impactam a floresta amazônica?

Holly Gibbs, professora de geografia e estudos ambientais da Universidade de Wisconsin-Madison que estuda mudanças no uso da terra associadas à indústria da carne bovina, diz que a PMI contribuiu para a destruição da Amazônia porque obtém sua carne de empresas que compram vacas criadas em florestas desmatadas. Terra.

No ano passado, a Amazônia brasileira perdeu mais de 10.360 quilômetros quadrados de floresta tropical, o equivalente a quase 3.000 campos de futebol por dia, de acordo com um relatório de janeiro da Amazon, um grupo de pesquisa. Uma mulher brasileira usa monitoramento por satélite para rastrear desmatamento.

Mais de dois terços das terras desmatadas na Amazônia brasileira foram convertidas em pastagens para pecuária, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente e Mudanças Climáticas do Brasil.

A PMI compra mais carne bovina brasileira de São Paulo, a gigante brasileira de processamento de carne JBS SA, do que de qualquer outro lugar. Numa série de relatórios emitidos entre 2018 e 2023, os procuradores brasileiros determinaram que a JBS comprou um grande número de gado criado em terras desmatadas ilegalmente. Em dezembro passado, os promotores descobriram que a JBS comprou mais de 85 mil vacas de fazendas que praticavam desmatamento ilegal no Pará, um dos nove estados da Amazônia brasileira. O seu último relatório, divulgado em 26 de outubro, concluiu que a JBS tinha taxas de aquisição muito mais baixas, mas ainda significativas, de explorações agrícolas implicadas em violações ambientais em quatro estados da Amazónia.

READ  Revisão de Sundance: Marte Um (Mars One) é um filme brasileiro sobre os perigos da sobrerrepresentação negra no esporte profissional - Slog

“Não há dúvida de que a PMI Foods está lucrando com o desmatamento da Amazônia”, disse Gibbs. “Eles também estão ajudando a impulsionar o desmatamento ao continuarem a pagar por este sistema.”

Num e-mail, um porta-voz da PMI disse que “num mundo onde a fome, a desnutrição e a insegurança alimentar aguda são preocupações globais, a PMI está focada em alimentar milhões de pessoas em todo o mundo”, incluindo o fornecimento de refeições aos refugiados.

A PMI disse que está trabalhando para melhorar as práticas ambientais de suas operações de carne bovina. “Embora a nossa prioridade absoluta seja alimentar as pessoas, continuamos comprometidos em melhorar continuamente a sustentabilidade em toda a cadeia de valor da carne bovina”, disse o porta-voz.

A PMI Foods é uma empresa global de US$ 3 bilhões que compra e vende mais de 1,6 bilhão de libras (725,7 milhões de quilogramas) de carne bovina, suína, frango, frutos do mar e ovos todos os anos. Na última década, a PMI Foods embarcou mais de US$ 616 milhões em carne bovina brasileira da JBS, quase o dobro do que embarcou de qualquer outro fornecedor, mostram os registros de embarque.

Os promotores brasileiros descobriram que a JBS, por sua vez, comprou uma parcela significativa de seu gado de fazendas desmatadas ilegalmente. Essas propriedades representaram 15% do fornecimento de gado da JBS no estado amazônico do Pará de 2019 a 2020, de acordo com uma análise realizada pelo Ministério Público em dezembro passado. As compras de propriedades ligadas a violações ambientais pela empresa caíram para 6% de sua oferta em quatro estados amazônicos no ano seguinte, descobriram os promotores em uma auditoria publicada em outubro.

A JBS foi investigada e multada pelas autoridades brasileiras em conexão com a compra de gado de fazendas ilegais, mas estas são separadas das auditorias, que se concentram na melhoria das práticas da empresa.

A JBS, maior processadora de carnes do mundo, confirma que corrigiu problemas identificados em auditorias anteriores feitas por promotores. A JBS afirmou em comunicado que possui uma “política de tolerância zero ao desmatamento ilegal” em suas cadeias de fornecimento e está adotando a tecnologia blockchain para incluir a triagem de fornecedores indiretos até 2025.

No entanto, no outono passado, a JBS admitiu ter comprado grandes quantidades de gado criado em terras desmatadas ilegalmente. Após investigação da Repórter Brasil, colaboradora da Rainforest Investigation Network, a JBS admitiu ter comprado ilegalmente quase 9.000 cabeças de gado de um pecuarista que as autoridades brasileiras descreveram como “uma das maiores empresas de desmatamento do país”. O fazendeiro Choles Volpin Posibon cumpre agora uma pena de 70 anos de prisão por crimes que incluem liderar uma gangue criminosa.

A PMI também compra a granel do segundo maior processador de carne do Brasil, a Marfrig, que também foi afetada por relatos de grupos ambientalistas e da mídia, alegando que comprou gado de fazendas envolvidas em desmatamento ilegal. Em fevereiro de 2022, o Banco Interamericano de Desenvolvimento cancelou um empréstimo de US$ 200 milhões à Marfrig em meio a críticas ao histórico ambiental da empresa. Em setembro, a empresa suíça de alimentos Nestlé abandonou a Marfrig como fornecedora de carne bovina no Brasil, após relatos da mídia no ano passado de que a Marfrig havia comprado gado criado em terras confiscadas de povos indígenas.

A fazenda mencionada nos relatórios do ano passado estava localizada em terras ainda não designadas como área de conservação indígena, disse a Marfrig por e-mail. A Marfrig não enfrentou penalidades legais relacionadas ao caso. A empresa disse ter uma “política rigorosa de fornecimento de gado” que utiliza monitoramento por satélite para evitar fornecedores ligados ao desmatamento.

READ  Relatório de OVNIs dos EUA corajosamente vai aonde ninguém jamais esteve | ciência | Relatórios aprofundados sobre ciência e tecnologia | DW

Quando questionada sobre os seus principais fornecedores, JBS e Marfrig, que compram gado criado em terras desmatadas ou ocupadas ilegalmente, a PMI disse que exige que os seus fornecedores sigam as leis locais e depende de agências ambientais governamentais no Brasil e noutros países. “O PMI depende das salvaguardas estabelecidas nas políticas de sustentabilidade dos seus fornecedores”, disse um porta-voz da empresa por e-mail.

Por sua vez, o Ministério do Meio Ambiente do Brasil afirmou que auditorias independentes mostraram que as grandes empresas de processamento de carne ainda compram grandes quantidades de gado criado em terras desmatadas através de seus fornecedores indiretos.

“A continuação destes casos mostra que os sistemas das empresas têm falhas e que não há esforços suficientes para evitar compras ilegais”, afirmou o ministério num comunicado.

A PMI Foods já esteve sob escrutínio das autoridades dos EUA devido aos seus envios para a China.

Entre 2008 e 2011, a PMI obteve mais de 289 milhões de dólares em receitas provenientes de remessas ilegais de carne bovina para a China, representando a maior parte das vendas provenientes dos EUA para o país, de acordo com uma planilha que um denunciante divulgou aos investigadores do FBI.

“Eles estavam dispostos a infringir as leis”, disse o detetive Brandon Barrick em uma entrevista de 2022, referindo-se ao seu tempo no PMI. “Eles estavam dispostos a fazer o que fosse necessário para ganhar dinheiro para si próprios.”

Na primavera de 2014, a Philip Morris International confessou-se culpada de uma acusação de contravenção por ter prestado declarações falsas às autoridades dos EUA sobre o destino das suas exportações de carne bovina e pagou uma multa de 1 milhão de dólares.

Num e-mail, a PMI disse que havia deixado “todo o incidente para trás” há nove anos e enfatizou que apenas se declarou culpada por fazer uma declaração falsa. “A PMI nunca foi acusada de um crime relacionado com as suas operações de exportação”, disse o advogado da empresa, Mark Gaylord.

Para onde enviar o PMI de carne bovina?

Na última década, as importações de carne bovina brasileira pela China aumentaram de 1,3 mil milhões de dólares em 2013 para mais de 8 mil milhões de dólares em 2022, segundo dados do Comtrade da ONU.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI) tem sido um ator importante no abastecimento desse mercado em crescimento. Em 2017, a empresa era a segunda maior importadora de carne bovina brasileira para a China, de acordo com relatório de 2020 da Trase, grupo de pesquisa que estuda cadeias de abastecimento de commodities.

À medida que o Brasil se torna o maior fornecedor da China, a produção pecuária disparou. Gibbs, professor de geografia da Universidade de Wisconsin, disse que a China impõe relativamente poucos requisitos ambientais aos importadores de carne bovina, o que significa que os fornecedores que precisam de terras para a pecuária podem ser tentados a se envolver no desmatamento.

“À medida que a procura chinesa por carne bovina aumenta, a pressão sobre a floresta tropical aumenta”, disse Gibbs.

Daniel Azeredo, promotor federal brasileiro que liderou a repressão ao desmatamento ilegal na indústria da carne bovina, disse que as empresas devem garantir que os produtos da Amazônia não provêm de terras que foram desmatadas ilegalmente.

READ  “Os Segredos do Universo” ganha data de exibição no Brasil

“Todos os envolvidos no comércio de produtos provenientes da Amazônia devem ser capazes de identificar de forma transparente a origem dos produtos”, disse Azeredo.

O que o Índice de Gerentes de Compras (PMI) faz para lidar com o desmatamento?

Em resposta a perguntas sobre se havia levantado preocupações sobre o desmatamento com a JBS ou outros fornecedores, a PMI Foods disse que estava “em discussões com nossos parceiros, vendedores e fornecedores, incluindo a JBS, sobre sempre melhorar as melhores práticas em relação ao meio ambiente e à sustentabilidade”.

Sendo uma empresa intermediária e não uma empresa que cria animais ou processa carne, o papel da PMI na desflorestação tem sido pouco examinado.

A confiança da PMI na JBS não é incomum entre as empresas alimentícias. Embora alguns varejistas europeus tenham descontinuado os produtos de carne bovina da JBS nos últimos anos devido a preocupações com o desmatamento, grandes marcas americanas, como Kroger e Albertsons, controladora da Safeway, ainda compram carne bovina.

A Albertsons confirmou que compra carne bovina da JBS, mas disse que era apenas uma pequena quantidade. A Kroger não respondeu às perguntas, mas sua loja online inclui produtos de carne bovina da JBS.

JBS, Marfrig e outros grandes produtores de carne bovina assinaram compromissos para agir contra o desmatamento ilegal. Mas, ao contrário da maioria dos principais processadores de carne e comerciantes de matérias-primas, a PMI não assinou acordos para combater a desflorestação, como a Declaração de Nova Iorque sobre Florestas, onde os proponentes se comprometem com objectivos que incluem a eliminação da desflorestação até 2030.

Dois meses após as investigações iniciais sobre as suas políticas ambientais relacionadas com esta história, a Philip Morris International disse que estava a unir-se aos esforços da indústria para combater a desflorestação.

“Agora estamos orgulhosos da parceria com a One Tree Planted, o Green Business Bureau e a American Roundtable for Sustainable Beef”, disse a empresa em novembro passado. A empresa disse que desde então plantou 10 mil árvores na região amazônica, como parte de um plano de longo prazo para plantar um milhão de árvores.

A empresa ainda não assinou um compromisso contra a destruição da floresta tropical, mas disse no mês passado que estava considerando fazer um. “Estamos abertos a promessas e atualmente trabalhando nessas questões”, disse a empresa.

Gibbs, professor da Universidade de Wisconsin, disse que, como o PMI e outros corretores têm um poder de compra tão forte, eles “precisam sentar-se à mesa” para ajudar a deter o desmatamento.

Até agora, acrescentou ela, os corretores de carne têm sido “completamente ignorados”, permitindo que a carne bovina chegue às mesas dos consumidores sem atender aos padrões ambientais fortes o suficiente para proteger a Amazônia.

Azeredo, o promotor brasileiro, enfatizou que não apenas as empresas de processamento de carne, mas todas as empresas que operam nas indústrias de carne bovina e de couro compartilham o compromisso de evitar fornecedores que violem as leis ambientais.

“Toda a indústria que compra esses animais, que vende as peles ou a carne, deve garantir que não permite produtos provenientes de áreas desmatadas ilegalmente”, disse Azeredo.

___

Os jornalistas da AP Camille Fassett em Seattle e Fabiano Maisonnave em Brasília, Brasil, contribuíram para este relatório. Esta história foi apoiada pela Rainforest Investigative Network do Pulitzer Center.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *