Por que a migração climática no Brasil se tornou uma crise global?

O governador do estado brasileiro, Eduardo Leite, disse durante entrevista coletiva: “O que está acontecendo no Rio Grande do Sul agora é muito perigoso, ridículo e incomum e, infelizmente, vai piorar”. Conferência de imprensa No início daquele que se tornou o pior desastre climático a afectar a região.

Chuvas persistentes e inundações devastadoras no estado do sul do Brasil mataram 150 pessoas, afetaram 2,1 milhões de outras, deslocaram 620 mil residentes e feriram 807 pessoas, segundo estatísticas das Nações Unidas. Funcionários da defesa civil.

Imagens chocantes da área mostram uma cidade outrora vibrante e abundantes terras agrícolas completamente submersas.

O rio Guayba, em Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul, pode atingir níveis sem precedentes de mais de 18 pés nos próximos dias, segundo autoridades locais.

As autoridades estimam que a recuperação do estado do sul pode significar a construção de cidades inteiramente novas, o que levanta a questão: quando um evento climático extremo deixa a sua casa inabitável, para onde você vai?

“Temos uma série de desafios e não podemos descartar a necessidade de retirar cidades inteiras de seus lugares, ou seja, reconstruir cidades em outras localidades”, disse Gabriel Souza, vice-governador do Rio Grande do Sul. Ele disse à mídia local Quinta-feira.

READ  O doador de esperma que foi pai de 550 filhos recebeu ordens de parar

Jairo Jorge, prefeito de Canoas, cidade do Rio Grande, disse quinta-feira Mídia local Existem atualmente 19 mil pessoas em 79 abrigos e 80 mil pessoas foram evacuadas para casas de parentes e amigos em terrenos mais elevados.

“A maior parte da migração e do deslocamento climático serão internos”, disse Alex Randall, chefe de programas da Climate Awareness e especialista em migração impulsionada pelo clima, à ABC News, acrescentando: “À medida que os desastres provocados pelo clima se tornam mais regulares e mais extremos, mais pessoas será inevitavelmente deslocado por causa desses eventos.”

O que é migração climática?

A migração climática, ou mobilidade relacionada com o clima, refere-se ao deslocamento repentino ou gradual de indivíduos devido a mudanças no ambiente que afectam as suas condições de vida, de acordo com as Nações Unidas. Organização Internacional para as Migrações.

De acordo com Portal de dados de imigraçãoPelo menos 7,7 milhões de pessoas em 82 países e territórios vivem em situação de deslocamento interno em consequência de catástrofes climáticas.

Nos próximos anos, até 216 milhões de pessoas poderão tornar-se migrantes climáticos internos até 2050, de acordo com estimativas do Banco Mundial. Banco Mundial A organização que trabalha no combate à pobreza com 189 países membros.

“Este é um dos muitos sinais de alerta”, disse Lawrence Huang, analista de políticas do Migration Policy Institute, à ABC News sobre as enchentes em curso no Brasil. “Há uma grande variedade de coisas que chamamos de migração climática, algumas voluntárias, outras forçadas. Em alguns casos, acontece quando comunidades inteiras se tornam inabitáveis ​​ou inabitáveis ​​e são forçadas a mudar-se.”

READ  CNN visita aldeias ucranianas destruídas por forças russas

As migrações climáticas em massa foram observadas após as inundações das monções de 2022 no Paquistão, com mais de 1,5 milhões de pessoas permanecendo deslocadas no país até ao final de 2023. De acordo com as Nações Unidas.

Huang disse que a pressão social e económica no Paquistão, juntamente com a catástrofe ambiental, levou a um aumento no número de pessoas que procuram asilo na Europa, embora a maior parte da migração climática permaneça interna.

Desde a seca severa na África Oriental até aos incêndios florestais violentos no Canadá, o poder da migração climática assume muitas formas – mas muitas vezes são as comunidades mais vulneráveis ​​que mais sofrem, de acordo com Huang.

“Sabemos que quando ocorrem desastres, as pessoas ricas conseguem evacuar e reconstruir noutros locais, por isso muitas vezes são as pessoas de baixos e médios rendimentos que não têm capacidade”, disse Huang. “Vimos isso nos Estados Unidos com o furacão Katrina.”

Em Agosto de 2005, um furacão de categoria 3 atingiu o sudeste do Louisiana, matando 1.833 pessoas, deslocando 1 milhão de residentes e fazendo com que 3 milhões de indivíduos se registassem para receber assistência da Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA).

READ  Notícias da guerra Rússia-Ucrânia: restrições nacionais à eletricidade após blecaute

“Nos Estados Unidos, raça e pobreza estão intimamente ligadas”, disse Randall. “As comunidades racializadas são, portanto, mais propensas a enfrentar deslocamentos mais extremos face a desastres induzidos pelo clima.”

Marcando um dos desastres naturais mais impressionantes da história americana, os avisos do furacão Katrina são tão importantes hoje como sempre.

No que diz respeito à opinião pública em relação à migração climática, Huang acredita: “Precisamos de fazer mais para comunicar com as pessoas e explicar-lhes que é assim que a migração funciona”.

“Veremos um aumento da instabilidade e da mobilidade, tanto internamente nos Estados Unidos como no resto do mundo, à medida que os efeitos das alterações climáticas piorarem”, disse Huang.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *