Como a marca brasileira de produtos para cabelos Surya Brasil há 25 anos planeja explorar o mercado pessoal natural/orgânico na Índia

Uma das marcas de cuidados pessoais de sucesso nos mercados ocidentais no ano passado decidiu entrar no mercado indiano. Aqui estão alguns números que ilustram o sucesso da marca: Na Europa, a empresa cresceu 257% em relação a 2020, 237% no Quênia e 113% na América Latina.

Clelia Cecilia Angelon, fundadora da Surya Brasil, que tem muitos relacionamentos com a Índia e o povo indiano (casou-se com um punjabi), decidiu entrar na Índia e explorar o mercado de cuidados pessoais naturais e orgânicos na Índia. Atualmente, a marca está em fase de testes, analisando o mercado e que tipo de resposta a marca obtém dos consumidores. A marca terá um lançamento oficial em setembro na Índia.

O produto de creme de cabelo de henna foi lançado da Síria no Brasil até agora na Índia.

Por que se aventurar na Índia?
Para a Surya Brasil, é mais do que apenas a ambição de expandir para novos mercados, pois possui uma vasta experiência operando em diversos países. O mercado indiano fornece um terreno fértil para as classificações naturais, orgânicas, ayurvédicas, etc., que são extremamente populares na Índia.

Clélia compartilhou que o mais importante para a marca é a “natureza”, junto com que a marca usa “Ayurveda” e “tecnologia” para fazer algo bom e prático para o seu cabelo. Esses três elementos se tornam os três cantos do triângulo do modelo de negócios da empresa.

De fato, em 2006, a empresa decidiu se tornar vegana e não testaria em animais ou conteria ingredientes de origem animal.

A ideia básica por trás da marca é combinar a cultura mais sábia da Índia com a biodiversidade do Brasil, que a marca sente ser a melhor combinação.

Clelia afirmou: “Tenho certeza (do nosso sucesso) porque nosso distribuidor é muito forte na Índia e espero que ele acabe em todos os lugares. Não tenho dúvidas de que terei sucesso. Acabamos de fazer um teste e funciona realmente bem. Assim que mostrarmos ao público o que temos, tenho certeza de que estaremos em toda a Índia em um ano.”

Sobre a competição no espaço
Apesar da enorme demanda por produtos orgânicos ou ayurvédicos na Índia, há um grande número de empresas que atendem à demanda. De acordo com estatísticas do governo, o tamanho do mercado da indústria ayurvédica cresceu 17% ao ano nos últimos anos e seu faturamento deve chegar a US$ 23,3 bilhões até o final do atual ano fiscal.

“Acho que há espaço no mundo para todos. Somos muito únicos em nossa cor de cabelo. Muitas empresas tentam nos imitar, mas não conseguem porque é muito difícil. Cada um tem suas próprias coisas únicas e há um lugar para A competição é muito boa e saudável”, disse Clélia. Potencial de melhoria.”

Sobre as possibilidades no mercado indiano, “a maior parte do conhecimento no Ocidente desaparece e você ainda o tem. E a Índia ainda tem esse conhecimento. Então, acho que a biodiversidade da Índia e do Brasil e clientes mais sábios e mais antigos na Índia seriam um grande amálgama não só de negócios, mas também na forma de intercâmbio educacional”,

Falando sobre o lançamento deste ano, Clélia disse: “Vamos lançar e apresentar quem somos, o que é a Surya Brasil, e depois também lançaremos produtos para a pele”.

Leia mais: Alimentos, cuidados pessoais, celulares, e-commerce, cuidados com os cabelos são as categorias mais consumidas após a pandemia: estudo

READ  Tomorrowland Brasil foi cancelado devido à "situação econômica" do país

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *