Chefe da ONU pede acesso internacional à usina nuclear ucraniana após novo ataque

  • Kyiv e Moscou culparam o comércio pelos ataques à fábrica de Zaporizhzhya
  • Guterres: Qualquer ataque a uma usina nuclear é um ‘suicídio’
  • Dois navios de grãos ucranianos saem dos portos, 12 desde a semana passada

(Reuters) – O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Antonio Guterres, pediu nesta segunda-feira que inspetores internacionais sejam autorizados a entrar na usina nuclear de Zaporizhzhya depois que Ucrânia e Rússia trocaram acusações sobre o bombardeio da maior estação atômica da Europa no fim de semana.

“Qualquer ataque a uma usina nuclear é suicida”, disse Guterres em entrevista coletiva no Japão, onde participou de uma cerimônia em memória da paz em Hiroshima no sábado.

As forças russas capturaram o complexo do reator nuclear de Zaporizhzhia, no sudeste da Ucrânia, no início de março, pouco depois de Moscou ter invadido seu vizinho, mas ainda é administrado por técnicos ucranianos.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A Ucrânia culpou a Rússia pelo novo bombardeio no sábado que danificou três sensores de radiação e feriu um operário da fábrica, o segundo em dias consecutivos no local.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, em um discurso televisionado no domingo, disse que a Rússia está realizando “terrorismo nuclear” que pede mais sanções internacionais, desta vez contra o setor nuclear de Moscou.

A autoridade russa na região disse que as forças ucranianas bombardearam o local com vários lançadores de foguetes, causando danos a prédios administrativos e uma área próxima a uma instalação de armazenamento.

A Embaixada da Rússia em Washington também identificou os danos, dizendo que o fogo de artilharia de “nacionalistas ucranianos” destruiu duas linhas de alta tensão e uma tubulação de água, mas que a infraestrutura vital não foi afetada.

READ  Um cartão postal do herói do Titanic para sua irmã está sendo vendido por muito dinheiro

A Reuters não conseguiu verificar o relato de ambos os lados sobre o que aconteceu.

Os eventos no local de Zaporizhzhia – onde Kyiv alegou que a Rússia atingiu uma linha de energia na sexta-feira – alarmaram o mundo.

Guterres disse que a AIEA precisava de acesso à estação. “Apoiamos totalmente a AIEA em todos os seus esforços em termos de criação de condições para a estabilização da planta”, disse ele.

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica, Rafael Mariano Grossi, alertou neste sábado que o último ataque “ressalta o perigo real de uma catástrofe nuclear”.

Exportação de grãos acelera

Em outros lugares, um acordo para acabar com a proibição de exportação de alimentos da Ucrânia e aliviar a escassez global se acelerou, já que dois navios de grãos partiram dos portos ucranianos do Mar Negro na segunda-feira, elevando o total para 12 desde que o primeiro navio partiu há uma semana. Consulte Mais informação

O Ministério da Defesa turco disse que quatro navios que deixaram a Ucrânia no domingo devem atracar perto de Istambul na noite de segunda-feira e serão inspecionados na terça-feira, enquanto o primeiro navio a zarpar desde a invasão russa em 24 de fevereiro atracou.

Os dois últimos navios de partida transportavam quase 59.000 toneladas de milho e soja e tinham como destino a Itália e o sudeste da Turquia após inspeções. Os quatro que partiram no domingo levaram cerca de 170 mil toneladas de milho e outros alimentos.

O acordo de exportação de grãos de 22 de julho, mediado pela Turquia e pelas Nações Unidas, marca uma rara vitória diplomática à medida que os combates continuam na Ucrânia e visa ajudar a aliviar o aumento induzido pela guerra nos preços globais dos alimentos.

READ  Atualizações ao vivo da Rússia e da Ucrânia: vídeo e últimas notícias

Antes da conquista de Moscou, Rússia e Ucrânia juntas representavam quase um terço das exportações globais de trigo. A turbulência que ocorreu desde então levantou o espectro da fome em partes do mundo.

Grite a batalha pelo Donbass

A Rússia diz que está realizando uma “operação militar especial” na Ucrânia para livrar-se dos nacionalistas e proteger as comunidades de língua russa. A Ucrânia e o Ocidente descrevem as ações da Rússia como uma guerra injustificada ao estilo imperial para reafirmar o controle sobre um vizinho pró-ocidente perdido quando a União Soviética se desintegrou em 1991.

O conflito deslocou milhões, matou milhares de civis e deixou cidades, vilas e aldeias em ruínas.

Desenvolveu-se em uma guerra de atrito concentrada no leste e sudeste da Ucrânia.

As forças do presidente russo, Vladimir Putin, estão tentando assumir o controle total da região de Donbass, no leste da Ucrânia, onde separatistas pró-Moscou tomaram território depois que o Kremlin anexou a Crimeia ao sul em 2014.

“Os soldados ucranianos mantêm firmemente a defesa, infligem perdas ao inimigo e estão prontos para qualquer mudança na situação operacional”, disse o Estado-Maior ucraniano em uma atualização operacional na segunda-feira.

Os militares ucranianos disseram que as forças russas intensificaram seus ataques ao norte e noroeste da cidade de Donetsk, controlada pela Rússia, em Donbass, no domingo. Ela disse que os russos atacaram posições ucranianas perto dos assentamentos fortemente fortificados de Pesky e Avdiivka, bem como bombardearam outras posições na província de Donetsk.

Kyiv disse que, além de apertar o controle sobre Donbass, a Rússia está consolidando sua posição no sul da Ucrânia, onde acumulou suas forças na tentativa de evitar um possível contra-ataque perto de Kherson.

READ  A ilha espanhola de La Palma foi sacudida por terremotos quando a lava se aproximou das cidades

A agência de notícias Interfax citou uma autoridade nomeada pela Rússia na cidade de Kherson, no sudeste do país, dizendo na segunda-feira que as forças ucranianas bombardearam novamente a ponte Antonevsky, danificando equipamentos de construção e atrasando sua reabertura.

A ponte é um dos dois únicos pontos de passagem das tropas russas para as terras que capturaram na margem oeste do principal rio Dnipro, no sul.

Tem sido um dos principais alvos ucranianos nas últimas semanas, com Kyiv usando mísseis de alta precisão fornecidos pelos Estados Unidos para tentar destruí-lo em preparação para um contra-ataque.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem dos escritórios da Reuters. Escrito por Stephen Coates e Mark Heinrich; Edição por Simon Cameron Moore e Nick McPhee

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.