Casos das Olimpíadas COVID-19 encontrados no Olympic Hotel, enquanto o COVID saúda os Jogos “históricos”

Policiais e seguranças montam guarda na entrada da vila dos atletas antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, que foram adiados para 2021 devido à pandemia de coronavírus (COVID-19), em Tóquio, Japão, em 13 de julho de 2021. REUTERS / Issa Kato

TÓQUIO (Reuters) – A disseminação do coronavírus em um hotel japonês onde dezenas de membros da equipe olímpica do Brasil estão hospedadas levantou novas preocupações sobre infecções no que o principal oficial olímpico do mundo prometeu na quarta-feira que seria um jogo “histórico”.

Um pouco mais de uma semana antes da cerimônia de abertura dos jogos adiados, sete funcionários de um hotel em Hamamatsu, no sudoeste de Tóquio, testaram positivo para a infecção, disse uma autoridade da cidade.

Mas a delegação brasileira de 31 integrantes do Olympia, que inclui judocas, está em uma “bolha” no hotel e separada dos demais hóspedes e não se infecta.

Especialistas médicos estão preocupados com o fato de que as “bolhas” olímpicas, que os oficiais do Tóquio 2020 impuseram em um esforço para prevenir o COVID-19, podem não ser totalmente estreitas porque o movimento de funcionários servindo nos jogos pode criar oportunidades de infecção.

Os Jogos Olímpicos perderam muito apoio do público no Japão devido ao temor de que levem a um aumento no número de lesões, embora os espectadores não sejam permitidos nos estádios esportivos.

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, elogiou os organizadores e o povo japonês por organizar os Jogos em meio à pandemia.

“Esta será uma Olimpíada histórica … pela maneira como o povo japonês superou tantos desafios nos últimos dois anos, o Grande Terremoto no Leste do Japão e agora a pandemia de coronavírus”, disse Bach a repórteres após se encontrar com o primeiro-ministro Yoshihide Suga.

READ  O principal ataque: Porto x Chelsea | Liga dos Campeões

Quando o Japão ganhou os Jogos em 2013, esperava-se que fosse uma celebração da recuperação do terremoto mortal, tsunami e acidente nuclear em 2011.

Quando foi adiado no ano passado, os líderes japoneses esperavam que fosse uma celebração da vitória mundial sobre o coronavírus, mas essas comemorações foram suspensas porque muitos países lutam com novas ondas de infecções.

A cidade anfitriã, Tóquio, relatou 1.149 casos de COVID-19 na quarta-feira, a maior contagem diária em quase seis meses.

Bach reiterou que as medidas rígidas relacionadas ao vírus Corona “estão em vigor, estão sendo aplicadas e estão funcionando”, referindo-se aos extensos testes. A emergência do coronavírus em Tóquio também está em vigor até o final dos Jogos, em 8 de agosto.

interesse silencioso

Yoshinobu Sawada, um oficial da cidade, disse que o kit de coronavírus foi encontrado no hotel dos brasileiros durante uma verificação de rotina necessária antes que os funcionários pudessem começar a trabalhar.

Várias delegações olímpicas já estão no Japão e muitos atletas tiveram resultados positivos na chegada.

A cidade de Kagoshima, que hospeda a equipe, disse que os membros da equipe sul-africana de rúgbi estão isolados após sua chegada, pois acredita-se que eles tenham tido contato próximo com um problema em seu voo.

Tsuyoshi Kajihara, um oficial municipal, disse que os 21 membros da equipe deveriam ficar na cidade a partir de quarta-feira, mas o plano foi suspenso até que mais conselhos fossem recebidos das autoridades de saúde.

Uma pesquisa da Ipsos em 28 países mostra que o interesse global nas Olimpíadas de Tóquio é fraco, em meio a preocupações com o COVID-19 no Japão e a retirada de atletas de alto nível, com o país anfitrião sendo um dos mais desinteressados.

READ  Brasil no Ar - Bastidores do 32º Campeonato Brasileiro de Balões

O voto Lançado na terça-feira, ele encontrou uma média global de 46% de interesse nos jogos, mas o entusiasmo variou entre os mercados, com menos de 35% no Japão.

Com os espectadores impedidos de participar de todos os eventos olímpicos em Tóquio e arredores, os oficiais estão pedindo às pessoas que assistam aos jogos pela TV e mantenham seus movimentos ao mínimo.

“Bilhões de pessoas ao redor do mundo ficarão em suas telas e admirarão o povo japonês pelo que eles conquistaram nessas circunstâncias tão difíceis”, disse Bach.

Entre aqueles que não competem no Japão está o ex-jogador de golfe número um do mundo, Adam Scott. Ele questionou se realizar as Olimpíadas de Tóquio foi uma decisão responsável, citando o medo entre as pessoas no Japão enquanto o país luta contra o ressurgimento de infecções. Consulte Mais informação

O suíço Roger Federer se tornou o último grande nome do tênis a se retirar das Olimpíadas de Tóquio, depois que o 20 vezes campeão do Grand Slam disse na terça-feira que sofreu uma lesão no joelho durante a temporada de grama. Consulte Mais informação

O estado de emergência continua em Tóquio, o quarto da capital, até o dia 22 de agosto, pouco antes do início dos Jogos Paraolímpicos.

(Reportagem de Joe Min Park, Anthony Slodkowski, Joseph Campbell e Sam Nossi; Edição de Michael Perry, Robert Percell

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *