Brasil: Projeto de lei de direitos indígenas rejeitado

(São Paulo, 24 de agosto de 2021) – O Congresso brasileiro deveria rejeitar um projeto de lei que impediria ou impediria muitos povos indígenas de reivindicar seu direito às terras tradicionais, em violação de seus direitos de acordo com o direito internacional, disse hoje a Human Rights Watch.

O Projeto de Lei 490/2007, em tramitação na Câmara dos Deputados, impediria os povos indígenas de obterem o reconhecimento legal de suas terras tradicionais se não estivessem fisicamente presentes em 5 de outubro de 1988 – data da promulgação da Constituição do Brasil – ou se eles ainda não o tinham feito. Os procedimentos legais começaram a reivindicá-lo naquela data. Mas a constituição reconhece o direito dos povos indígenas às “terras que tradicionalmente ocupam”, sem quaisquer limites de tempo ou datas-limite arbitrárias.

Anna Livia Arida, diretora associada da Human Rights Watch, disse. “Isso ocorre em um momento de extrema vulnerabilidade para a população indígena, que enfrenta não só a invasão de suas terras por garimpeiros e madeireiros, mas também a hostilidade aberta do governo Bolsonaro”.

Em 25 de agosto de 2021, a Suprema Corte é curso Começar a se pronunciar sobre a legalidade do prazo de 1988, conhecido no Brasil como argumento do “prazo”, embora os juízes possam solicitar o adiamento. O tribunal emitirá seu veredicto sobre A Edição Apresentado pelo estado de Santa Catarina, que usa o argumento do “prazo” para se opor ao reconhecimento das terras tradicionais reivindicadas pelos povos indígenas de Xokleng. O Tribunal estabeleceu que a sua decisão neste caso se aplicará a todos os casos semelhantes.

Enquanto o caso estava pendente no Supremo Tribunal Federal, o projeto foi submetido ao Congresso. Comitê Principal do Congresso Aprovado com sucesso o Último rascunho do projeto de lei em junho. Se aprovado pelo plenário da Câmara dos Deputados, segue para o Senado.

Brasil em progresso checar 237 terras indígenas para demarcar suas fronteiras. De acordo com a legislação brasileira, a demarcação define claramente quais terras pertencem aos povos indígenas e dá a eles direitos legais coletivos seguros sobre essas terras. Muitos pedidos de demarcação estão pendentes há décadas. O projeto de lei afirma expressamente que suas disposições se aplicarão a todos esses casos, o que poderia atrasá-los ainda mais ou dificultar totalmente o seu delineamento.

READ  Um casamento feito no céu? Por que Taylor Swift é a mascote não oficial da Seleção Brasileira de Futebol | Taylor Swift

Em 2017, o governo federal sob o presidente Michel Temer adotado Em 1988 foi o prazo, a administração do presidente Jair Bolsonaro passou contínuo Ele Ela. O governo Bolsonaro efetivamente parou de demarcar 27 territórios indígenas com base nesta política, de acordo com Ao Conselho Indígena Missionário (CIMI), um grupo de direitos indígenas.

Se aprovado, o projeto de lei transformará essa política em lei. Isso impossibilitaria que os povos indígenas expulsos de suas terras antes do prazo arbitrário ou que não pudessem provar sua presença ou estivessem em uma disputa em andamento sobre sua reivindicação naquela data, tivessem seus direitos fundiários reconhecidos.

Grupos ambientais e de direitos indígenas brasileiros disseram à Human Rights Watch que grandes proprietários de terras podem usar o histórico do lote para solicitar liminares para despejar comunidades da terra, alegando que elas não se estabeleceram lá em 1988. Tais petições podem afetar terras no processo de demarcação. terras já demarcadas.

O projeto está preso no Congresso desde 2007, mas ganhou nova força depois que o presidente Bolsonaro assumiu o cargo. Bolsonaro, que lançou um ataque Notas Sobre os aborígenes Por ser membro do Congresso, juramento Durante a campanha presidencial para não demarcar “um centímetro” de terras indígenas. Desde que assumiu o cargo em janeiro de 2019, ele inaceitável sem demarcação.

Ao mesmo tempo, o presidente Bolsonaro enfraqueceu as agências federais encarregadas de proteger as florestas em terras indígenas. Uma de suas prioridades legislativas é abrir terras indígenas para mineração e outras atividades comerciais que poderiam exacerbar a destruição desenfreada da floresta sob seu governo.

Escolher uma data limite arbitrária e recusar-se a reconhecer o território reivindicado após essa data viola os padrões internacionais, disse a Human Rights Watch. A Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas afirma que os povos indígenas têm direito às terras, territórios e recursos que tradicionalmente ocuparam ou utilizaram. Os Estados são obrigados a conceder reconhecimento legal e proteção às terras tradicionais, incluindo aquelas que os povos indígenas foram forçados a deixar ou perderam.

READ  A equipe principal da Kentucky National Basketball Association de 1978 no centro das atenções com a SEC Storied "Win or Else", estreia na segunda-feira, 15 de março na SEC

O Brasil votou a favor desta declaração nas Nações Unidas em 2007 e descreva-o É uma “conquista significativa, há muito esperada, que proporcionará um novo ímpeto e reconhecimento aos esforços dos Estados e dos povos indígenas para promover a promoção e proteção dos direitos dos povos indígenas”.

A Corte Interamericana de Direitos Humanos também reconheceu o direito de resgatar terras que foram historicamente possuídas ou ocupadas por povos indígenas, considerando que a posse não é uma condição, permanecendo seu direito enquanto houver associação física, cultural ou espiritual com a terra. persiste.

O projeto de lei 490/2007 contém outras disposições muito problemáticas. Impede que os nativos reivindiquem terras adicionais para expandir as terras já estabelecidas. Também permitiria ao governo remover as reservas indígenas – terras do governo fornecidas aos povos indígenas para seu sustento e sobrevivência cultural – quando julgar que a terra não é mais “essencial” para esses fins devido a mudanças em suas “características culturais” ou outras. Fatores devidos à “passagem do tempo”. A Human Rights Watch disse que esses termos gerais podem levar à deportação forçada.

Existem 60 reservas indígenas no Brasil, que abrigam cerca de 70.000 pessoas, de acordo com Ao Instituto Socioambiental (ISA), entidade sem fins lucrativos.

O projeto também permitiria ao governo entrar em contato com os aborígines que vivem em isolamento voluntário para fornecer assistência médica e “mediar ações no interesse público”, sem fornecer quaisquer outros detalhes. Com o apoio das Nações Unidas Explicações Os padrões internacionais alertam que o contato com povos isolados pode ter consequências negativas graves para sua sobrevivência física e cultural e que os governos devem tomar medidas para prevenir o contato externo.

READ  Quem está disposto a se comunicar com Asuka?

O projeto também permitiria ao governo explorar recursos energéticos, estabelecer bases militares e expandir estradas estratégicas em terras indígenas sem qualquer consulta à população indígena. Os padrões internacionais exigem consulta eficaz com os povos indígenas de boa fé para obter seu consentimento livre e informado antes de aprovar projetos que afetariam suas terras e meios de subsistência, incluindo atividades militares, bem como antes de concordar com leis para esse efeito. O congresso é também checar Possível retirada da Convenção nº 169 da OIT, que reconhece o direito dos povos indígenas de serem consultados sobre projetos em suas terras, entre outras disposições.

O delineamento e a proteção das terras indígenas não é apenas um passo essencial na defesa dos direitos indígenas, mas também a pedra angular dos esforços de conservação bem-sucedidos no Brasil. estudos Acontece que a demarcação e outras medidas para proteger as terras indígenas podem desacelerar o desmatamento, o que é fundamental para permitir que o Brasil cumpra seus compromissos sob o Acordo de Paris para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Sob Bolsonaro, Eliminação de Florestas A Amazônia registrou sua taxa mais alta em 12 anos, com cerca de 11.000 quilômetros quadrados de floresta tropical destruídos de agosto de 2019 a julho de 2020.

A Expressão dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), principal organização dos povos indígenas do Brasil, tem Ela disse Que o projeto de lei é uma das principais ameaças contra os direitos dos povos indígenas pelo Congresso, e que viola a Constituição e o direito dos povos indígenas à consulta.

“O Congresso brasileiro está discutindo questões de suma importância para os povos indígenas sem consultá-los adequadamente, conforme exigido pelos padrões internacionais”, disse Arida. “Os legisladores deveriam começar a ouvir os povos indígenas e rejeitar o Projeto de Lei 490.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *