Brasil inicia plano de vacinação contra o vírus Corona

São Paulo – Agência reguladora sanitária brasileira Anvisa Acordado Uso emergencial da vacina CoronaVac e Oxford no Brasil. O primeiro foi produzido pelo Botantan Medical Center, em São Paulo, em parceria com a empresa chinesa Sinovac, enquanto o segundo foi desenvolvido pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford com o Instituto Fiocruz, financiado pelo governo federal.

A decisão foi revelada no domingo (17) e minutos depois, Monica Calazzans foi revelada (Na foto acima) Enfermeira em São paulo O Hospital de Doenças Infecciosas de Emilio Ribas foi a primeira pessoa a ser vacinada no país, onde recebeu a vacina de Botantan, Conselho do Serviço Federal de Enfermagem mencionado.

Como o uso emergencial das duas vacinas foi aprovado, o governo federal decidiu iniciar um programa de imunização. Agência Brasil O senhor informou que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuelo, disse nesta segunda-feira (18) que a vacinação contra o novo Coronavírus começa hoje. Ele disse que os aviões da Força Aérea Brasileira começarão a distribuir vacinas para os estados por volta das 14h (BRT) e as primeiras vacinações serão dadas até as 17h (BRT).

A Agência Brasil informou ainda que Pazuello participou com governadores da entrega simbólica de 4,6 milhões de doses do CoronaVac no centro de logística do Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. As vacinas serão transportadas por via aérea para o Distrito Federal e capitais de dez estados: Acre, Amapá, Amazonas, Ciara, Goiás, Mato Grosso do Sol, Pauí, Rondônia, Roraima e Santa Catarina. As vacinas também devem ser distribuídas por rodovias.

O ministro disse que o Butantan receberá uma carta pedindo que acelere o pedido para a produção de mais dois milhões de doses do Corona. Os documentos serão analisados ​​até 31 de março.

READ  A morte de um negro desarmado por um policial desperta uma onda de raiva nos Estados Unidos | Globalismo

O ministro afirmou que os primeiros a receber as doses da vacina farão parte dos grupos prioritários: trabalhadores da saúde da linha da frente, idosos e comunidades indígenas. Pazuelo enfatizou a necessidade do uso contínuo de máscaras faciais e desinfetantes para as mãos. “A vacina não significa o fim das medidas preventivas”, afirmou.

Traduzido por Miranda Gilherme

Nelson Almeida / AFP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *