Brasil busca mercado de alimentos halal de US $ 1,17 trilhão, ansioso para impulsionar o comércio agrícola com autoridade global islâmica

São Paulo (Reuters) – O Brasil, maior exportador mundial de alimentos como café, carne bovina e soja, quer aumentar as exportações de produtos agrícolas para os países muçulmanos, disse neste sábado o vice-ministro do Comércio, Flavio Pettarillo.

Falando na Conferência Global de Negócios Halal Brasil em São Paulo na segunda-feira, Petarillo disse aos delegados que o país está em negociações com a Indonésia, Líbano e Marrocos para expandir o acesso a esses mercados e vender produtos agrícolas diferentes de milho, carne bovina, frango e açúcar bruto.

“Há uma preocupação em relação aos tipos de produtos exportados e aos destinos”, disse Pettarello.

Registre-se agora para obter acesso gratuito e ilimitado a reuters.com

A Organização de Cooperação Islâmica, que tem 57 associados, importou US $ 190,5 bilhões em alimentos como trigo, milho, açúcar, arroz, leite e laticínios em 2020, segundo dados compilados pela Câmara de Comércio Árabe-Brasileira. Os dados mostram que o Brasil responde por US $ 14,1 bilhões desse total.

Petarillo disse que cerca de metade das exportações do Brasil para os países da OIC vão para apenas cinco países. Ele citou Turquia, Irã, Indonésia, Arábia Saudita e Bangladesh como os maiores importadores do grupo.

Ele disse que o Brasil continuará pressionando para alcançar novos mercados e diversificar os produtos comercializados, citando os benefícios do recente acordo comercial com o Egito.

A mudança reflete o desejo do Brasil de ter uma participação maior no comércio global de alimentos.

O país já é o maior exportador e produtor mundial de carne halal, incluindo carne bovina e frango, que são produzidos de acordo com as exigências da dieta islâmica.

Os muçulmanos gastaram cerca de US $ 1,17 trilhão na compra de alimentos em 2019, de acordo com o amplamente citado relatório do Estado da Economia Islâmica Global. Em 2024, os muçulmanos deverão gastar US $ 1,38 trilhão para comprar alimentos, de acordo com o relatório.

(Reportagem de Ana Mano em São Paulo) Edição de Matthew Lewis

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *