Bolsonaro enfrenta reação após o cancelamento de investigação de corrupção no Brasil

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, enfrenta uma reação política depois que a força-tarefa está no centro de uma longa batalha lava-jato – Ou um lava-rápido – a investigação anticorrupção foi resolvida.

Por quase sete anos, promotores na cidade de Curitiba investigaram um esquema massivo de contrato de suborno que rendeu centenas dos políticos e empresários mais proeminentes do Brasil.

A investigação nacional – que acabou se espalhando pela América Latina – resultou em 300 condenações, incluindo a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Outro ex-presidente, Michel Tamer, foi preso e solto, mas ainda está sob investigação.

A investigação recuperou mais de 4 bilhões de reais (US $ 750 milhões) em cofres públicos, incluindo os do governo federal e da estatal petrolífera Petrobras.

No entanto, desde a eleição de Bolsonaro em 2018 – que prometeu erradicar o suborno – a investigação está sob crescente pressão política, e muitos temem que seus dias estejam contados já em meados do ano passado. Na quarta-feira, o grupo anunciou que estava encerrando seu trabalho depois que vários de seus investigadores foram emprestados a outra força-tarefa federal para combater o crime organizado.

Políticos proeminentes criticaram o líder populista de direita por encerrar a força-tarefa.

“É possível debater a extensão da responsabilidade do governo Bolsonaro em relação às mais de 227.000 mortes nas mãos de Covid, mas no caso da morte de Lava Gatto, esse erro é seu erro de 100 por cento”, disse Alessandro Vieira , Senador pelo Centro-Esquerda Partido Cidadania Ele escreveu no Twitter.

Paolo Janemi, o líder do partido de centro-direita Nouveau na Câmara dos Representantes do Congresso, escreveu: “É terrível que termine como se todo o trabalho estivesse concluído.”

READ  As instituições estão investindo pesado nas operações do BK Brasil e assessorando ações de restaurantes SA (BVMF: BKBR3)?

“De agora em diante, devemos formar um grupo de trabalho de todos nós, porque a luta contra a corrupção não pode parar”.

Salem Matar, um empresário que renunciou ao cargo de ministro das privatizações no governo Bolsonaro no ano passado, lamentou o fechamento da operação que “eliminou o maior esquema de corrupção do mundo”.

“A vitória do establishment, os criminosos e os oportunistas no serviço. Os perdedores são #pagadores cujo dinheiro foi roubado”, escreveu ele no Twitter.

Esse desenvolvimento ocorre em um momento de renovadas preocupações sobre a corrupção no maior país da América Latina. Nesta semana, o candidato apoiado por Bolsonaro, Arthur Lyra, foi eleito presidente da Câmara dos Deputados, apesar de ser investigado como parte de uma investigação de lavagem de carro.

Um dos filhos de Bolsonaro, o senador Flavio, foi acusado no ano passado de peculato, lavagem de dinheiro e associação criminosa – alegações que ele nega.

Pouco depois de seu gabinete anunciar o fim da investigação Lava Jato, o promotor, Augusto Aras, minimizou o fato como uma mera mudança de nome.

“Os promotores não são estrelas”, acrescentou Aras, que antes havia criticado a investigação como uma “caixa de segredos”.

Deltan Dalagnol, o promotor federal e ex-presidente da força-tarefa, disse que “ainda há muito trabalho a ser feito” e pediu recursos adequados para combater a corrupção.

“A força-tarefa termina como um modelo de sucesso em termos de prestação de contas aos corruptos, recuperação de fundos desviados e diagnóstico da corrupção política brasileira total”, escreveu no Twitter.

Uma filial da Lava Jato em São Paulo fechou no ano passado e outra no Rio de Janeiro deve expirar em abril.

READ  Cientistas descobriram uma possível nova mutação no vírus Corona no Brasil

Participou da cobertura da Carolina Police

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *