Biden diz que agora está convencido de que Putin decidiu invadir a Ucrânia, mas deixa a porta aberta para a diplomacia

“A partir deste momento, estou convencido de que ele tomou a decisão”, disse Biden durante comentários na Casa Branca.

O presidente dos EUA também disse que as forças russas acreditam que as forças russas pretendem atacar a Ucrânia “na próxima semana” ou antes, e que um ataque teria como alvo a capital ucraniana, Kiev.

Várias autoridades disseram que Biden planeja passar o fim de semana observando a atual crise na Ucrânia da Casa Branca, onde se reúne com sua equipe de segurança nacional e mantém contato próximo com líderes mundiais. Biden havia pensado em viajar para Delaware, como costuma fazer, mas decidiu ficar em Washington.

Nos últimos dias, o governo Biden revelou publicamente muitos detalhes de inteligência sobre os movimentos russos – uma mudança notável na forma como as autoridades de segurança nacional dos EUA operam. Biden disse na sexta-feira dentro da Sala Roosevelt que a decisão do governo de discutir seus movimentos “em voz alta e repetidamente” foi “remover qualquer razão que a Rússia possa dar para justificar uma invasão da Ucrânia e impedi-los de se mover”.

“Não se engane. Se a Rússia seguir seus planos, será responsável por uma guerra catastrófica e desnecessária”, acrescentou.

A afirmação do presidente na sexta-feira de que estava “convencido” de que Putin “tomou a decisão” de invadir a Ucrânia é uma importante mudança de posição. Biden afirmou anteriormente que não acredita que o líder russo tenha se decidido, mas reconheceu que sua visão do pensamento de Putin era limitada. Ele indicou que espera que a diplomacia acalme a situação, dizendo na sexta-feira que “a diplomacia é uma possibilidade permanente”.

Questionado sobre por que ele achava que Putin estava considerando a diplomacia, Biden apenas disse: “Temos uma grande capacidade de inteligência”.

Biden disse na sexta-feira que a desinformação russa estava se acumulando como uma falsa justificativa para Putin invadir a Ucrânia, acusando a Rússia de violar um cessar-fogo na “crise em rápida escalada”.

READ  Ucrânia: 200 corpos encontrados em um porão sob os escombros de Mariupol

“Nos últimos dias, vimos relatos de uma escalada significativa nas violações do cessar-fogo por combatentes apoiados pela Rússia tentando provocar a Ucrânia no Donbass”, disse Biden, referindo-se a vários exemplos de desinformação que ele disse ter sido divulgado pela mídia estatal russa. Incluindo uma alegação “falsa” de genocídio na região de Donbass.

Respondendo aos comentários de Biden, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse no Telegram: “O mais terrível é que não há uma palavra sobre a verdadeira situação da população civil em Donbass. Sem pessoas, sem problemas?”

Mas as alegações dos russos simplesmente não fazem sentido, argumentou Biden na sexta-feira, dizendo: “É um desafio à lógica básica acreditar que os ucranianos escolheriam este momento – com mais de 150 mil soldados dispostos em sua fronteira – para aumentar conflito.”

As declarações de Zakharova foram citadas pela agência de notícias russa RIA Novosti, de que “o presidente dos EUA repetiu a tese infundada sobre as supostas tentativas da Rússia” de atacar “a Ucrânia, ameaçando Moscou com a imposição de sanções no caso de uma escalada. E os planos de escalada atribuídos a ela .”

Autoridades da Casa Branca alertaram que a Rússia pode enfrentar sanções generalizadas se invadir a Ucrânia, chamando-a de “a ação mais severa que já consideramos contra a Rússia”.

Apesar da avaliação dos EUA de uma invasão iminente da Ucrânia, Biden disse que cabe ao presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, decidir se participará da conferência de segurança deste fim de semana na Alemanha. A vice-presidente Kamala Harris deve se encontrar com Zelensky durante a conferência no sábado.

READ  O ex-membro do Knesset Yehuda Glick é preso sob suspeita de tentativa de contrabando de palestinos

Na sexta-feira, a Casa Branca culpou a Rússia por um ataque cibernético maciço à Ucrânia no início da semana.

“Acreditamos que o governo russo é responsável por ataques cibernéticos em larga escala a bancos ucranianos esta semana. Temos informações técnicas ligando a Direção Principal de Inteligência Russa, ou GRU, à qual a infraestrutura GRU conhecida foi vista transmitindo grandes quantidades de comunicações para endereços IP localizados na Ucrânia”, disse Anne Neuberger, Conselheira Adjunta de Segurança Nacional para Internet e Tecnologia Emergente.

A atribuição do ataque foi extraordinariamente rápida para o governo dos EUA, e Neuberger observou que a Rússia havia se beneficiado anteriormente dos atrasos dos EUA na atribuição de operações de hackers russas.

“A Rússia adora se mover nas sombras e está contando com um longo processo de atribuição para que possa continuar seu comportamento maligno contra a Ucrânia no ciberespaço, inclusive preparando-se antecipadamente para sua possível invasão”, disse Neuberger a repórteres na sala de reuniões da Casa Branca.

O discurso de Biden na sexta-feira ocorre em meio a crescentes tensões na região.

Autoridades dos EUA dizem que a Rússia tem uma lista de altos funcionários ucranianos que removeria se invadisse

Quase metade das forças russas que cercam a Ucrânia estão em posição ofensiva, de acordo com um oficial de defesa familiarizado com a última avaliação. Os batalhões táticos aumentaram para aproximadamente 120 a 125.

O funcionário disse que os militares russos continuaram a mover suas forças em direção à fronteira e, nas últimas 48 horas, o número de tropas no local do ataque atingiu 40% a 50%.

O embaixador dos EUA na Organização para Segurança e Cooperação na Europa, Michael Carpenter, alertou na sexta-feira que os EUA avaliaram um grande acúmulo militar russo perto da Ucrânia nas últimas duas semanas.

“É possível que a Rússia tenha mobilizado entre 169 mil e 190 mil funcionários dentro e perto da Ucrânia, em comparação com cerca de 100 mil funcionários em 30 de janeiro”, disse ele em comunicado na reunião da Organização para Segurança e Cooperação na Europa. Isso inclui forças russas localizadas nas fronteiras da Ucrânia, bem como forças lideradas pela Rússia no leste da Ucrânia, que não foram incluídas em avaliações anteriores dos EUA sobre a força da Rússia na região.

READ  Putin diz que o Ocidente pretende "desmembrar" a Rússia

Pouco antes de seus comentários, Biden conversou com aliados na América do Norte e na Europa. Ele telefonará para os líderes do Canadá, França, Alemanha, Itália, Polônia, Romênia, Reino Unido, União Européia e OTAN para discutir a crise em andamento.

Durante a ligação, os líderes expressaram “profunda preocupação” com a situação, renovaram seu apoio à Ucrânia e discutiram mais assistência econômica ao país, segundo o comunicado da Casa Branca.

“Eles se comprometeram a continuar a diplomacia para diminuir as tensões, garantindo a prontidão para impor custos econômicos rápidos e coordenados à Rússia, caso opte por mais conflitos. Os líderes também discutiram os esforços para garantir a defesa e a segurança do flanco leste da Otan”, acrescentou. disse o comunicado. .

Na sexta-feira, o presidente também convocou uma reunião que o vice-presidente estava tendo com membros do Congresso, todos presentes na Conferência de Segurança de Munique, na Alemanha, e, segundo uma pessoa na sala, reiterou o trabalho que os Estados Unidos e seus aliados estão realizando. fazendo. Para tentar impedir a invasão russa da Ucrânia. Ele também informou os membros sobre a situação nas fronteiras da Ucrânia.

Correção: uma versão anterior desta história descaracterizou uma resposta russa aos comentários de Biden.

Oren Lieberman da CNN, Kaitlan Collins, Daria Tarasova e Johnny Hallam contribuíram para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.