Biden assina projeto de lei na Ucrânia e busca US$ 40 bilhões em ajuda na resposta de Putin

Washington procurou apresentar uma frente unida contra a invasão russa da Ucrânia Na segunda-feira, o presidente Joe Biden assinou uma medida bipartidária para reiniciar o programa de “empréstimos e aluguéis” da era da Segunda Guerra Mundial, que ajudou a derrotar a Alemanha nazista, para apoiar Kiev e seus aliados do leste europeu.

A assinatura ocorre enquanto o Congresso dos EUA se prepara para liberar mais bilhões para ir à guerra contra a Rússia – com os democratas prometendo US$ 40 bilhões em ajuda militar e humanitária, maior do que o pacote de US$ 33 bilhões solicitado por Biden.

Tudo como uma resposta ao presidente russo Vladimir Putin, que aproveitou o Dia da Vitória na Europa – o aniversário da rendição incondicional da Alemanha em 1945 e o maior feriado nacional da Rússia – para reunir seu povo por trás da invasão.

“Esta assistência foi fundamental para o sucesso da Ucrânia no campo de batalha”, disse Biden em comunicado.

Biden disse que é imperativo que o Congresso aprove o próximo pacote de ajuda à Ucrânia para evitar qualquer interrupção no envio de suprimentos militares para ajudar a combater a guerra, com um prazo crítico chegando em 10 dias.

“Não podemos permitir que nossos envios de ajuda parem enquanto esperamos por mais ação do Congresso”, disse ele. Ele pediu ao Congresso que aja – e “faça rapidamente”.

Em uma carta entregue ao Capitólio na segunda-feira, o secretário de Defesa Lloyd Austin e o secretário de Estado Anthony Blinken instaram o Congresso a agir antes de 19 de maio, quando os fundos de retirada existentes acabarão. O Pentágono já enviou ou se comprometeu a fornecer quase US$ 100 milhões em armas e equipamentos no valor de US$ 3,5 bilhões que poderia enviar para a Ucrânia de seus estoques existentes. Eles disseram que os US$ 100 milhões finais devem ser usados ​​até 19 de maio.

READ  Wang Yaping se torna a primeira mulher chinesa a completar uma caminhada no espaço

“Em suma, precisamos de sua ajuda”, disseram eles na carta obtida pela Associated Press. “A capacidade de aproveitar os estoques existentes do DoD tem sido uma ferramenta importante em nossos esforços para apoiar os ucranianos em sua luta contra a agressão russa, permitindo-nos fornecer equipamentos rapidamente e garantir um fluxo contínuo de assistência de segurança para a Ucrânia”.

A determinação de Biden e do Congresso em manter o apoio da Ucrânia sempre foi, mas também surpreendente. No entanto, à medida que a guerra de meses com a Rússia continua, a visão bipartidária da Ucrânia será testada à medida que os Estados Unidos e seus aliados se aproximam do conflito.

miniatura de vídeo do youtube

A Câmara poderia votar ainda esta semana o pacote de ajuda à Ucrânia aprimorado, enviando a legislação ao Senado, que está trabalhando para instalar Bridget Brink, indicada de Biden, como a nova embaixadora na Ucrânia. A agenda de terça-feira da Câmara se referia à legislação da Ucrânia, mas não ficou claro o quão rigoroso isso seria.

Com o partido do presidente com uma pequena maioria na Câmara e no Senado, a cooperação republicana é favorecida, se não vital em alguns casos, para aprovar a estratégia do presidente para a região.

“Acho que seremos capazes de fazer isso o mais rápido possível”, disse a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, no fim de semana sobre um pacote de ajuda emergente. “Temos uma grande cooperação bipartidária em relação ao nosso apoio à luta pela democracia do povo da Ucrânia.”

Apesar de suas diferenças sobre a abordagem de Biden à política externa e armadilhas percebidas contra a Rússia, quando se trata da Ucrânia, membros da Câmara e do Senado se uniram para apoiar a estratégia do presidente.

Fatura de empréstimo e arrendamento A assinatura da lei por Biden na segunda-feira revive a estratégia de enviar equipamentos militares mais rapidamente para a Ucrânia. Ele começou a emprestar durante a Segunda Guerra Mundial e indicou que os Estados Unidos se tornariam o que Franklin D. Roosevelt chamou de “arsenal da democracia” para ajudar a Grã-Bretanha e seus aliados a combater a Alemanha nazista.

READ  O concorrente republicano da Califórnia Newsom nos acusa de 'falha' com novo anúncio

Antes de assinar o projeto de lei, Biden disse que a “guerra” de Putin estava “mais uma vez trazendo destruição brutal para a Europa”, observando o significado daquele dia.

Biden assinou o projeto de lei ladeado por dois democratas e um republicano, que teve amplo apoio bipartidário. Ele passou pelo Senado no mês passado por unanimidade, sem sequer precisar de uma votação nominal formal. Foi aprovado por maioria esmagadora na Câmara dos Deputados, atraindo a oposição de apenas 10 republicanos.

“É realmente importante”, disse Biden sobre o apoio bipartidário à Ucrânia. “Não importava.”

Um dos principais patrocinadores republicanos do projeto de lei, o senador John Cornyn, do Texas, disse em comunicado que a medida daria à Ucrânia “a vantagem contra a Rússia, e estou satisfeito que os Estados Unidos sirvam como um arsenal democrático para esse importante parceiro”.

Outras medidas, incluindo esforços para cortar as importações de petróleo russo para os Estados Unidos e pedidos para investigar Putin por crimes de guerra, também receberam amplo apoio, embora alguns legisladores tenham pressionado Biden a fazer mais.

“Enquanto o presidente Putin e o povo russo celebram hoje o Dia da Vitória, vemos forças russas cometendo crimes de guerra e atrocidades na Ucrânia, porque estão travando uma guerra brutal que está causando tanto sofrimento e destruição desnecessários”, disse o secretário de imprensa da Casa Branca. Jane Psaki. Ela disse que Putin estava “distorcendo” a história para tentar “justificar sua guerra injustificada e injustificada”.

Biden reconheceu que seu pedido de mais ajuda militar e humanitária à Ucrânia deve ser separado do dinheiro que ele também solicitou ao Congresso para lidar com a crise do COVID-19 em casa.

A separação dos dois pedidos de financiamento seria um revés para a pressão do presidente por mais gastos com a COVID-19, mas um sinal das realidades políticas do Congresso.

READ  Coluna: Proibição de alumina australiana pressionará Rusal e alumínio: Andy Home

Os republicanos do Congresso estão resistindo a gastar mais dinheiro em casa à medida que a crise da pandemia avança para uma nova fase, e Biden não queria adiar o dinheiro para a Ucrânia tentando discutir mais a questão.

Biden disse que os líderes do Congresso de ambos os partidos lhe disseram que manter os dois pacotes de gastos amarrados desaceleraria os negócios.

“Não podemos adiar esse esforço vital de guerra”, disse Biden no comunicado. “Então, estou disposto a aceitar que essas duas medidas se movam separadamente, para que a lei de ajuda ucraniana chegue ao meu escritório imediatamente.”

À medida que o pacote reforçado da Ucrânia passa pela Câmara e pelo Senado, com uma votação possível em breve, os legisladores não mostram sinais de recuar. Inúmeros legisladores fizeram excursões de fim de semana à região para ver a devastação causada pela guerra na Ucrânia e nos países vizinhos, já que mais de 5 milhões de refugiados fugiram do país.

Em vez de combater os gastos no exterior – como tem sido uma visão cada vez mais comum durante a era Trump – alguns legisladores de ambos os partidos querem aumentar a quantidade de ajuda dos EUA enviada à Ucrânia.

___

Os escritores da Associated Press Alan Fram, Lolita C. Baldur e Will Visert contribuíram para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.