Banco Central do Brasil seleciona 9 parceiros para desenvolver moeda digital do banco central

Banco Central do Brasil seleciona 9 parceiros para desenvolver moeda digital do banco central

O Banco Central do Brasil revelou que selecionou nove projetos para avançar em sua tentativa de construir uma moeda digital do banco central (CBDC).

Os projetos serão realizados por meio de um laboratório de inovação gerenciado pelo Banco.

O laboratório, chamado LIFT em português, selecionou projetos de bancos, do protocolo Decentralized Finance (DeFi) e exchanges de criptomoedas. Os parceiros selecionados incluem a plataforma de empréstimos brasileira Aave, Mercado Bitcoin e bancos como Santander Brasil e Itaú Unibanco. Veraban, uma associação bancária brasileira, Giesecke + Devrient, um provedor de pagamentos alemão, e Tecban, um serviço bancário brasileiro, e seu parceiro Capital também estão na lista.

A LIFT concordou em avançar com os seguintes projetos com o objetivo de criar realidade digital, de acordo com A Transferir Emitido pelo Banco Central do Brasil. O relatório refere ainda que a LIFT recebeu 47 ofertas de 43 empresas diferentes, das quais seleccionou as nove.

O processo de seleção procurou equilibrar a diversidade da carteira de propostas e a necessidade de acompanhamento detalhado dos projetos selecionados.

Abaixo estão os detalhes das ofertas selecionadas:

Aave: Capta recursos de diversos poupadores (formando um pool de liquidez) com foco na concessão de empréstimos e na garantia de que essas operações estejam de acordo com as regras do sistema financeiro, por meio de ferramentas DeFi.

Banco Santander Brasil: Trata-se de Entrega Contra Pagamento (DVP) e digitalização do direito de propriedade de veículos e bens.

Verapan: Lida com DvP para ativos financeiros.

Jezeki + Diferente: Ele lida com pagamentos duplos offline.

READ  Delicie-se com o luxo com o Address Beach Resort em Dubai anuncia sua última promoção incrível para o mês de setembro

Itao Onibanko: Ele trata de pagamentos internacionais, usando o método Pay-to-Pay (PvP) em um aplicativo com a Colômbia.

Mercado Bitcoin: Ele lida com DvP para ativos digitais, com foco em ativos criptográficos.

tikpan: Oferece uma solução de logística de comércio eletrônico baseada em tecnologias de Internet das Coisas (IoT).

VERT: Trata-se de financiamento rural baseado em ativo simbólico programável com valor atrelado à moeda real estável.

Visto do Brasil: Ele lida com o financiamento de PME com base na solução DeFi.

Após o Laboratório de Inovação em 2022 e projetos-piloto em 2023, o Banco Central anunciante A versão final da Convenção sobre Diversidade Biológica será decidida em 2024.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *